26 fevereiro 2016

Acrônimo, Zelotes e Lava Jato em ofensiva conjunta

:  
Na esteira da prisão do publicitário João Santana pela Lava Jato, a Operação Zelotes entrou em cena determinando o depoimento coercitivo de André Gerdau no inquérito que apura a compra de sentenças no CARF para driblar a Receita. Como Santana, ele também já havia se colocado à disposição das autoridades, que não viram muita graça nisso. Não pode faltar cobertura e espetáculo. Não foi mera coincidência. Daqui até o fim de maio, as operações Lava Jato, Zelotes e Acrônimo planejam intensificar suas ações, criando condições para o desejado "golpe final". A PF avalia que depois as atenções da mídia estarão voltadas para as Olimpíadas e as operações perderão espaço na ribalta.
Segundo fonte da PF, o que se planeja é uma "blietzkrieg", uma série planejada de operações-surpresa com alvo certo e repercussão garantida. O termo surgiu na Alemanha, a partir da invasão da Polônia, em 1939, para designar ofensivas contra os inimigos baseadas em pelo menos quatro elementos: efeito-surpresa, manobras rápidas, brutalidade no ataque e desmoralização do adversário. De "blitzkrieg" deriva a expressão "blitz" em referência às ações policiais ou de trânsito.
A Lava Jato dispensa apresentações. A Zelotes começou investigando grandes empresas que subornaram conselheiros do CARF/Receita Federal mas mudou de foco e passou a investigar suposta compra de medidas provisórias nos governos Lula e Dilma, colocando no alvo o ex-presidente e um de seus filhos. A Acrônimo tem como alvo mais brilhante o governador de Minas, Fernando Pimentel e outros políticos mineiros, além do empresário brasiliense Benedito Rodrigues.
Todas elas buscam produzir elementos que atendam à estratégia política da oposição: viabilizar o impeachment de Dilma pelo Congresso, com a posse do vice Michel Temer, ou a cassação da chapa Dilma-Temer pelo TSE, o que levaria à realização de novas eleições se isso acontecer antes de outubro, além de alguma forma de condenação e desmoralização do ex-presidente Lula, tirando-o da disputa eleitoral de 2018.
Além das Olimpíadas, a partir de julho, pelo calendário eleitoral, os candidatos registrados às eleições municipais de outubro não poderão ser presos, o que também pode limitar o raio de ação das operações. Então, vem por aí muita turbulência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário