23 fevereiro 2016

Papa: Deus quer pastores fiéis, dedicados e misericordiosos

O Papa Francisco presidiu nesta segunda-feira (22/02), festa da Cátedra do Apóstolo Pedro, na Basílica Vaticana, a missa do Jubileu da Cúria Romana, do Governatorato e Instituições ligadas à Santa Sé.
O Jubileu da Cúria Romana teve início na Sala Paulo VI, com a oração da Hora Média e a meditação do director do Centro Aletti, o jesuíta Pe. Marko Ivan Rupnik. Antes da celebração eucarística, houve a procissão dos religiosos e leigos até à Porta Santa, seguida da procissão dos sacerdotes.
"A festa litúrgica da Cátedra de Pedro nos reúne para celebrar o Jubileu da Misericórdia. Passámos pela Porta Santa e chegámos ao túmulo do Apóstolo Pedro para fazer a nossa profissão de fé. Hoje, a palavra de Deus ilumina de modo especial os nossos gestos", disse o pontífice na sua homilia.
Francisco disse que "o primeiro a ser chamado a renovar a sua profissão de fé é o Sucessor de Pedro, que carrega consigo a responsabilidade de confirmar os irmãos".
"Deixemos que a graça plasme novamente o nosso coração para crer, e abra a nossa boca para cumprir a profissão de fé e obter a salvação. Façamos nossas as palavras de Pedro: 'Tu és o Cristo, o filho do Deus vivo'. Que o nosso pensamento e o nosso olhar estejam fixos em Jesus Cristo, início e fim de toda ação da Igreja. Ele é o fundamento e ninguém pode colocar um alicerce diferente. Ele é a pedra sobre a qual devemos construir. É o que recorda com palavras expressivas Santo Agostinho quando escreve que a Igreja, não obstante agitada e abalada pelas vicissitudes da história, não cai, porque é fundamentada na pedra que é Cristo, e sobre este fundamento também Pedro foi edificado".
Segundo Francisco, esta profissão de fé dá a cada um de nós a tarefa de corresponder ao chamamento de Cristo. "Aos pastores é pedido para que tenham como modelo o próprio Deus que cuida do seu rebanho. O Profeta Ezequiel descreveu a maneira de agir de Deus: Ele vai à procura da ovelha perdida, reconduz a ovelha perdida ao pasto, enfaixa a ovelha ferida e cura a que está doente. Um encorajamento que é sinal do amor que não conhece limite. É uma dedicação fiel, constante e incondicionada para que aos mais fracos possa chegar a misericórdia", disse ainda o pontífice.
O Papa disse que não nos devemos esquecer que a profecia de Ezequiel vem de uma constatação da falta de pastores em Israel. "Portanto, faz bem também a nós, chamados a ser pastores na Igreja, deixar que o rosto do Deus Bom Pastor nos ilumine, nos purifique, nos transforme e nos restitua plenamente renovados à nossa missão".
"Que também nos nossos ambientes de trabalho possamos sentir, cultivar e praticar um forte sentido pastoral, sobretudo com as pessoas que encontramos todos os dias. Que ninguém se sinta transcurado ou maltratado, mas cada um possa experimentar, primeiramente, o cuidado atencioso do Bom Pastor", disse ainda Francisco à Cúria Romana e Instituições ligadas à Santa Sé.
"Somos chamados a ser colaboradores de Deus e a testemunhar com a nossa existência a força da graça que transforma e o poder do Espírito que renova. Deixemos que o Senhor nos liberte de toda tentação que distancia do essencial da nossa missão, e redescubramos a beleza de professar a fé no Senhor Jesus".
"A fidelidade ao ministério se conjuga bem com a misericórdia que queremos fazer experiência. Na Sagrada Escritura, fidelidade e misericórdia são um binômio inseparável. Onde está uma, lá se encontra a outra, e na reciprocidade e complementaridade se vê a presença do Bom Pastor", concluiu o Papa, afirmando que a fidelidade que o Senhor nos pede "é a de agir segundo o coração de Cristo" e apascentar o rebanho com um coração generoso. (BS/MJ/CM)

Nenhum comentário:

Postar um comentário