21 outubro 2016

CUNHA: 'EU QUERO FALAR, EU VOU FALAR'

 
Em menos de 48 horas na cadeia, o deputado cassado Eduardo Cunha já afirmou a seus advogados que está disposto a colaborar com a Lava Jato: "Eu quero falar, eu vou falar", disse o peemedebista, conforme fontes próximas ao caso. Para fechar um acordo de delação premiada, o Ministério Público Federal não abre mão de um ponto: Cunha deverá passar pelo menos três anos atrás das grades, diz reportagem do Valor. No caso de não colaboração, o juiz Sergio Moro pode condenar Cunha a mais de 20 anos de prisão.
O conteúdo bombástico de uma possível delação de Cunha já assusta o Planalto.
"A intenção inicial de Cunha seria de depor sem fechar acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF). Os defensores de Cunha, no entanto, o alertaram para as implicações decorrentes da confissão fora de uma colaboração. Processado por corrupção e lavagem de dinheiro, o ex-deputado está sujeito à uma sentença que, em tese, pode ultrapassar 20 anos, caso o juiz federal Sergio Moro opte por condená-lo às penas máximas previstas pelos delitos a que responde.
Cunha já foi informado por seus advogados de uma exigência da qual o MPF não abre mão para começar a conversar sobre um eventual acordo, caso haja interesse por parte dos procuradores: ele terá de concordar com o cumprimento de um período mínimo de três anos, em regime fechado, se de fato passar à condição de delator da Lava-Jato - e o acordo for homologado. Para os procuradores da República que integram a força-tarefa, o cumprimento de pena de reclusão por Cunha tem caráter pedagógico, porque o ex-parlamentar se tornaria um símbolo do que pode acontecer a políticos que se envolvam em corrupção. Os investigadores dispõem de documentos e extratos bancários, inclusive enviados pela Suíça, que consideram mais do que suficientes para manter Cunha atrás das grades.
Desde que foi encarcerado na custódia da Polícia Federal (PF) em Curitiba, na quarta-feira, Cunha teve conversas longas e tensas com integrantes de sua equipe de advogados. Em um dos diálogos, um dos defensores deixou clara a situação do ex-deputado.
"A questão agora é preservar a sua família, salvar a sua mulher. Por enquanto, é preciso esquecer a vida pública", disse um deles, segundo o relato de uma fonte próxima de familiares de Cunha.
Desde que foi preso, Cunha teve rompantes de raiva durante as conversas com os advogados. Ele disse repetidas vezes que quer entregar o que sabe sobre supostos ilícitos que envolveriam Moreira Franco, secretário executivo do Programa de Parcerias de Investimentos e figura importante do governo do presidente Michel Temer. Moreira Franco tem negado qualquer envolvimento em irregularidades".

Um comentário:

  1. Amiga Edna;tomara que isso tudo não seja uma icenação desses golpistas; porque na verdade estão é com medo do povo ir para as ruas!Fora Temer; Fora Moro Golpista que defende os empresários.

    ResponderExcluir