28 junho 2017

Condenação de Lula será ancorada em delações

 
247 - A condenação do ex-presidente  Luiz Inácio Lula da Silva no caso do tríplex do Guarujá deverá acontecer sem provas, tendo como base apenas declarações feitas em delações premiadas.
Nas alegações finais da Procuradoria na ação, última manifestação dos acusadores antes da sentença, o depoimento do empreiteiro Leo Pinheiro, da OAS, concedido a Sérgio Moro em abril, é citado cerca de 60 vezes pelos procuradores na argumentação a favor da condenação de Lula.
A confissão de outro ex-executivo da OAS, Agenor Franklin Medeiros, que descreveu o pagamento de suborno pela construtora no âmbito da Petrobras, é mencionada em mais 13 ocasiões.
O juiz federal Sérgio Moro deve aceitar a tese e condenar Lula com base somente em delações, mas a decisão deve ser anulada em instâncias superiores
Ontem, o ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT) João Vaccari Neto foi absolvido em segunda instância da condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, referente a irregularidades investigadas na Operação Lava Jato.
Vaccari havia sido condenado a 15 anos e quatro meses de reclusão pelo juiz Sérgio Moro, de Curitiba. No julgamento realizado pela 8ª Turma da corte gaúcha, responsável por julgar processos relativos à Operação Lava Jato em segunda instância, a absolvição teve dois votos favoráveis e um contrário. Os desembargadores que decidiram pela absolvição consideraram que as provas foram baseadas somente em delações premiadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário