25 fevereiro 2018

Pense nisso!

Bom dia Amigos meus de verdade, o que eu fui ontem e anteontem já é memória. Escada vencida degrau por degrau, mas o que eu sou neste momento é o que conta, minhas decisões valem para agora, hoje é o meu dia, nenhum outro, é desse jeito, eu sou aquilo que sou...

Andarei na presença de Deus, junto a ele na terra dos vivos!

Jesus nos convida para subirmos ao monte com Ele!

Jesus nos quer diante da Sua presença divina e transformadora. "Naquele tempo, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, e os levou sozinhos há um lugar à parte, sobre uma alta montanha. E transfigurou-se diante deles" (Mc 9, 2-10).
Neste segundo domingo da Quaresma contemplando Jesus no Monte Tabor. A passagem da transfiguração tem um valor muito profundo para a nossa vida prática: subir ao "monte" não significa que estamos fugindo da realidade ou do mundo, ao contrário, as realidades visíveis e mundanas que nós vivemos, nós as transformamos e as transfiguramos pelo poder da oração. "Transfiguramos" pela graça de Deus a nossa realidade humana.
Nós somos seres humanos, mas viemos de Deus que é puro Espírito e, quando nos transfiguramos pela via espiritual, podemos ter a certeza de que olhamos e transformamos o mundo que está ao nosso lado.
Podemos dizer que as coisas não mudam, e elas podem até não mudar "lá fora", porém, quando mudamos o "mundo" dentro de nós, passamos a  olhá-lo de uma forma totalmente diferente: um olhar da fé. Transformados e transfigurados, as coisas mudam dentro de nós.
O convite de Jesus a nós, é o mesmo que Ele fez a Pedro, Tiago e a João. Ele quer nos pegar pela mão e nos levar para o monte, e assim, ficarmos diante da presença de Deus, e diante dela, o Senhor, transfigura e transforma os nossos sentidos. Diante da presença do Senhor, nós O enxergamos dentro de nós e O ouvimos falar ao nosso coração. Diante dela proclamamos a glória de d'Ele entre nós e podemos dizer: "Como é bom, Senhor, estar contigo, estar ao Teu lado".
Por isso, é importante a cada dia da nossa vida, "subirmos ao monte", ou seja, deixarmos de lado o que fazemos, a rotina da vida e as ações cotidianas, para nos colocarmos na presença do Senhor. Assim, o nosso ser é transformado, os nossos sentidos são iluminados pela graça e pela presença divina. O poder sagrado da oração transforma e muda aquilo que nós não mudamos só com a força humana.
Não podemos abrir mão de estarmos no monte e a sós com Jesus, para que a nossa vida seja, a cada dia, transfigurada pela Sua presença.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (25/02/18)

O êxtase é um necessário respiro para a alma; nem tudo pode ser consciência e reflexão. Precisamos do santo ócio sagrado. Jesus subia ao monte para rezar e um dia levou os seus discípulos mais próximos, Pedro, Tiago e João, e Ele se transfigurou, eles ficaram extasiados, encantados, maravilhados diante daquela cena de Jesus, que mostra o céu enquanto eles ainda estão na terra. É preciso viver isso quando rezamos, naquele instante de adoração, de meditação, naquele instante de oração, é o ócio sagrado, é estar junto de Deus sem pensar em nada, apenas sentir que estamos no colo do Pai. (Mc 9,2-10)
Pe. Joãozinho, scj.

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho do Segundo Domingo da Quaresma

A Igreja recorda hoje a memória de: S. Luis Versiglia, bispo, mártir, +1930; S. Calisto Caravário, presbítero, mártir, +1930; S. Sebastião de Aparício, leigo, confessor, +1600; Santa Valburga, monja, missionária, séc. VIII; S. Cesário de Nazianzo, confessor, +369; S. Terasio; S. Donato e Companheiros.
 
Evangelho (Mc 9,2-10)

Numa nuvem resplendente fez-se ouvir a voz do Pai: Eis meu Filho muito amado, escutai-o, todos vós (Lc 9,35).
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos.

Naquele tempo, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, e os levou sozinhos a um lugar à parte, sobre uma alta montanha. E transfigurou-se diante deles. Suas roupas ficaram brilhantes e tão brancas como nenhuma lavadeira sobre a terra poderia alvejar. Apareceram-lhe Elias e Moisés, e estavam conversando com Jesus.
Então Pedro tomou a palavra e disse a Jesus: "Mestre, é bom ficarmos aqui. Vamos fazer três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias".
Pedro não sabia o que dizer, pois estavam todos com muito medo. Então desceu uma nuvem e os encobriu com sua sombra. E da nuvem saiu uma voz: "Este é o meu Filho amado. Escutai o que ele diz!" E, de repente, olhando em volta, não viram mais ninguém, a não ser somente Jesus com eles. Ao descerem da montanha, Jesus ordenou que não contassem a ninguém o que tinham visto, até que o Filho do Homem tivesse ressuscitado dos mortos.
Eles observaram essa ordem, mas comentavam entre si o que queria dizer "ressuscitar dos mortos".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
O MESSIAS TRANSFIGURADO - A convivência com Jesus não foi suficiente para levar os discípulos a compreendê-lo em profundidade. Suas palavras, seu modo de se relacionar com as pessoas e seus gestos miraculosos ofereciam pistas para isso. Esta dinâmica de conhecimento, no entanto, aconteceu de forma lenta e penosa.
Nem sempre os discípulos tiveram suficiente agilidade mental para penetrar na identidade de Jesus. Não seria conveniente que o momento da paixão os encontrasse despreparados. Correriam o risco de não compreender o verdadeiro sentido da cruz e morte de Jesus.
A experiência da transfiguração foi uma maneira de queimar etapas e colocar os discípulos, de forma transparente, diante da realidade de Jesus. O rosto radiante e as vestes esplendorosas simbolizavam sua santidade. O diálogo com Moisés e Elias situava-o no âmago das Sagradas Escrituras: a Lei e os Profetas apontavam para ele e tinham nele seu centro. Sumamente importante foram as palavras do Pai. Jesus era seu Filho querido, a quem todos deviam dar a máxima atenção. O Filho falaria em seu nome e comunicaria à humanidade seu desígnio de salvação. Ouvir a Jesus corresponderia a estar em contínua relação com Deus.
Revelava-se, desta forma, a verdadeira dimensão da cruz: um ultraje para Deus.

24 fevereiro 2018

REZAI POR AQUELES QUE VOS PERSEGUEM!

Feliz o homem sem pecado em seu caminho, que na lei do Senhor Deus vai progredindo! Feliz o homem que observa seus preceitos, e de todo o coração procura a Deus!

Amai, rezai e perdoai os vossos inimigos!

Jesus nos ensina que a oração é o caminho para aprendermos a amar os nossos inimigos. "Eu, porém, vos digo: Amai os vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem!" (Mt 5, 43-48).
A melhor resposta que podemos dar à saúde da nossa alma e ao nosso coração é o amor.
O amor é o remédio e o bálsamo os quais precisamos para sermos pessoas plenamente saudáveis, porque a saúde começa na alma, no espírito. Se cultivarmos o ódio, o rancor, o ressentimento e a raiva, podemos ter a certeza que vamos acumular dentro de nós, muitos males para a nossa saúde psíquica, psicológica, espiritual e para a nossa própria saúde física.
Por isso, o mestre Jesus, o médico Jesus, nos dá a receita do amor e Ele é muito direto: "Amai os vossos inimigos", e podemos até dizer que não temos inimigos, mas há pessoas que nos consideram inimigos e há, também, pessoas que não nos querem bem; há aquelas que nos machucaram e nos fizeram mal, ou que ainda fazem mal a nós.
Nós temos uma resposta na fé para dar a elas. Essa resposta é o amor, mas humanamente, nós não conseguimos amar "só" com a nossa própria força, não conseguimos querer bem a quem nos fez o mal, ou querer bem a quem não nos quer bem. Então, na força da oração precisamos colocar como atitude de oração aquelas pessoas que nós não queremos bem, mas não é simplesmente fazer uma prece "abençoai aquele meu irmão e aquela pessoa que não me quer bem". Não! É preciso entrar no combate da oração. Do contrário, o nosso amor se esvazia, torna-se pobre e enfraquecido, se não for bombardeado pelo poder e pela força da oração.
Pode o mundo inteiro virar-se contra nós e não nos querer bem, mas, quando nós amamos e oramos de verdade, nada de mal que fizerem contra nós, terá influência. Porque a oração somada com amor é a melhor resposta; ela transforma e torna-se um escudo. Ela não permite que o mal penetre em nós. A oração cicatriza e remove o mal do nosso coração.
A oração cura os nossos ressentimentos e a nossas mágoas. Não vale a pena ficar remoendo, ter o coração todo "triturado" por aqueles que nos fazem ou falam mal de nós. Nossa resposta é o amor concreto por via da oração.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (24/02/18)

Neste nosso mundo conectado todos querem mais e mais "seguidores"; porém, junto com eles vêm os "perseguidores". Oremos. A internet veio para ficar e precisamos nos acostumar com este mundo virtual; com relações, às vezes, distantes. O cantor já dizia há muito tempo atrás: "Eu quero ter um milhão de amigos". Hoje todos querem um milhão de seguidores, mas no meio deste mundo sem nome e sem rosto aparecem aqueles que querem fazer o mal, que perseguem, que buscam tirar algum proveito deste mundo líquido. Rezemos por estas pessoas. Como disse Jesus: "Orai pelos que vos perseguem". (Mt 5,43-48)
Pe. Joãozinho, scj.

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho do Sábado da 1ª semana da Quaresma

A Igreja recorda hoje a memória de S. Sérgio, mártir, +304; SS Evécio e Pedro, mártires, +303; S. Lázaro, monge, séc. IX; Beata Ascensão Nicol Goñi, religiosa e cofundadora, +1940.
 
Evangelho (Mt 5,43-48)

Eis o tempo de conversão, eis o dia da salvação (2Cor 6,2).
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: "Vós ouvistes o que foi dito: 'Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo!' Eu, porém, vos digo: Amai os vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem!
Assim, vos tornareis filhos do vosso Pai que está nos céus, porque ele faz nascer o sol sobre maus e bons, e faz cair a chuva sobre os justos e injustos. Porque, se amais somente aqueles que vos amam, que recompensa tereis? Os cobradores de impostos não fazem a mesma coisa?
E se saudais somente os vossos irmãos, o que fazeis de extraordinário? Os pagãos não fazem a mesma coisa? Portanto, sede perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
O AMOR É EXIGENTE - Jesus reinterpretou, de maneira radical, o mandamento do amor. O Decálogo previa o amor ao próximo e o ódio ao inimigo. Próximo eram os membros da família e as pessoas mais chegadas. Os termos ódio e inimigo não tinham o sentido atual. Odiar era interessar-se pouco por alguém, não lhe dar atenção. Ódio não era sinônimo de raiva, mas apenas isenção de responsabilidade em relação ao outro. Inimigo, por sua vez, era quem estava fora do círculo das relações familiares. Como se vê, o Decálogo estabelecia, com precisão, os limites do amor.
A reinterpretação de Jesus modifica, totalmente, este quadro. O objeto do amor não são exclusivamente os membros da família e as pessoas mais chegadas. Antes, são os inimigos, os que maldizem, odeiam, caluniam os discípulos de Jesus. Este ideal aproxima de Deus o cristão. É próprio do Pai fazer o sol levantar-se para toda a humanidade, sem distinção, bem como fazer chover sobre justos e injustos.
O amor limitado ao círculo das pessoas que amamos não tem nada de novo. A novidade está em seguir a trilha aberta por Jesus.
Suas palavras podem, num primeiro momento, criar resistência. Porém, as exigências do amor não podem levar os cristãos ao esmorecimento.

23 fevereiro 2018

É desse jeito!

Ser cristão não é conquistar Cristo, mas deixar-se conquistar por Ele. Deixa que Ele conquiste em ti, que Ele conquiste para ti, que Ele te conquiste.
Santo Agostinho

Pense nisso!

Fale em Deus, fale de você e não fale dos outros!
Papa Francisco

Se levardes em conta nossas faltas, quem haverá de subsistir?

Oferta o teu coração a Deus!

Nessa quaresma faça a experiência de ofertar o seu coração e a sua vida para Deus. "Portanto, quando tu estiveres levando a tua oferta para o altar, e ali te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa a tua oferta ali diante do altar, e vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão. Só então vai apresentar a tua oferta" (Mt 5, 20-26).
Quando nos apresentarmos diante de Deus vamos inteiros, com aquilo que somos e com o que temos. Nós não vamos a Deus fracionado, ou seja, pela metade. Desse modo, achamos que agradamos a Deus, pois, estamos levando a nossa oferta; "dando" a minha casa e meus bens; fazemos nosso ofertório na missa; pagamos o dízimo, etc., essas coisas são boas e as precisamos fazer, isso é ter compromisso com as coisas de Deus e  diante dessas coisas não podemos ser omissos. Mas, o mais importante que a nossa oferta "material" é a oferta do nosso coração e da nossa vida para Deus.
Podemos passar a vida inteira ajudando, fazendo coisas boas e participando das coisas da Igreja, porém, se não nos reconciliamos com Deus e com os irmãos, serão em vão todas as ofertas e dons que oferecemos a Deus.
O dom que devemos, por excelência, oferecer ao Senhor é o nosso coração reconciliado. Esse tempo de graça no qual vivemos, é um tempo de revisão de vida, de revermos as atitudes, os relacionamentos e sempre temos algo para resolvermos com o nosso irmão.
Se ficaram situações mal resolvidas, não as ignoremos, pois, essas ficarão pesadas e "embrulhando" dentro de nós, e assim, nos acostumamos a sermos pessoas que hora estamos mal aqui, e outra acolá, porque, nos acostumamos com situações não resolvidas dentro de casa, com nossos irmãos, a começar por aqueles mais próximos. Não deixemos mais situações mal resolvidas.
Temos pessoas com as quais sempre precisamos nos reconciliar. Casais que estão há anos juntos, vivem até em intimidade, mas não são reconciliados; há irmãos que se machucaram, viveram situações complicadas, mas conversam por conversar, e não se reconciliaram; há irmão de fé, que falam de Deus, cantam bonito, pregam, emocionam-se, porém, não vivem a reconciliação.
Não sejamos hipócritas! Deus não quer nosso canto ou que falemos bonito d'Ele, Ele quer, acima de tudo, que estejamos reconciliados com Ele e com os outros. Essa é a oferta que agrada ao coração de Deus.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (23/02/18)

Podemos defender ardorosamente a verdade, mas sem pecar contra a caridade, corrigindo com grosseria ou cinismo. A justiça pede gentileza. Os pais devem corrigir seus filhos, mas sem violência, com vigor, com rigor, mas com ternura, com amor. Se eu defender a eucaristia contra aqueles que estão praticando algum tipo de sacrilégio, mas eu chamar esse irmão de patife, idiota, desqualificar a pessoa sem reconhecer Jesus nele, estarei me igualando, porque vou praticar o sacrilégio do desrespeito ao irmão. Portanto, ao corrigir, vamos lembrar sempre que o irmão é sacramento da presença de Jesus. (Mt 5,20-26)
Pe. Joãozinho, scj.

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho da Sexta-feira da 1ª semana da Quaresma

A Igreja recorda hoje a memória de S. Policarpo, bispo, mártir, +155; Beata Rafaela Ibarra, leiga, fundadora, +1900; Beata Josefina Vanini, religiosa, co-fundadora, +1911.
 
Evangelho (Mt 5,20-26)

Lançai para bem longe toda a vossa iniquidade! Criai em vós um novo espírito e um novo coração! (Ez 18,31).
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: "Se a vossa justiça não for maior que a justiça dos mestres da Lei e dos fariseus, vós não entrareis no Reino dos Céus.
Vós ouvistes o que foi dito aos antigos: 'Não matarás! Quem matar será condenado pelo tribunal’. Eu, porém, vos digo: todo aquele que se encoleriza com seu irmão será réu em juízo; quem disser ao seu irmão: 'Patife!' será condenado pelo tribunal; quem chamar o irmão de 'tolo' será condenado ao fogo do inferno.
Portanto, quando tu estiveres levando a tua oferta para o altar, e ali te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa a tua oferta ali diante do altar, e vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão. Só então vai apresentar a tua oferta.
Procura reconciliar-te com teu adversário, enquanto caminha contigo para o tribunal. Senão o adversário te entregará ao juiz, o juiz te entregará ao oficial de justiça, e tu serás jogado na prisão. Em verdade eu te digo: dali não sairás, enquanto não pagares o último centavo".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
UM MODO DIFERENTE DE AGIR - A justiça é tratada por Jesus como amor ao próximo. Isso implica não matar, não chamar o outro de imbecil, de louco e tantos outros atributos que usamos. O amor não tem barreiras e devemos tratar as pessoas com generosidade como desejamos ser tratados. Pequenos gestos de maldade podem corromper a sociedade inteira, mas o mínimo de gentileza e respeito faz toda a diferença. Quanto mais fazemos o bem, mais recompensa teremos e, quanto mais maldade, mais castigos e penas. Cada um pagará conforme o que trabalhou pelo Reino.

22 fevereiro 2018

O Senhor é o pastor que me conduz, não me falta coisa alguma!

A Igreja é construída por pessoas como Pedro!

Rezemos pelo Papa Francisco para que conduza a nossa Igreja pelos caminhos de Cristo. "Por isso eu te digo: – 'Tu és é Pedro, e sobre essa pedra construirei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la'" (Mt 16, 13-19).
Hoje, temos a alegria de celebrarmos a cátedra de Pedro. A cátedra relembra ou faz memória a Igreja catedral, mas ela é a "cadeira", a cadeira da presidência, do governo e da direção.
A Igreja de Cristo é governada por Ele, porque Cristo é a única cabeça que nós temos. É Aquele que está sentado à direita do Pai, e conduz o Seu rebanho. Mas é verdade que, ao longo da história humana, Cristo constitui homens para que estejam em comunhão com Ele, na condução da Sua Igreja.
Cristo formou, cuidou e instruiu Seus apóstolos e sobre eles não tinha a primazia. Pedro não foi o primeiro a ser chamado, mas era sempre o primeiro da lista, ele era aquele que estava à frente da Igreja Católica primitiva e, por isso, o Senhor disse a ele que "tu és Pedro, e sobre essa pedra a minha Igreja será edificada".
Meus irmãos, a Igreja do Senhor precisa de "Pedro" em todos os tempos, e Pedro é a certeza de que caminhamos com o coração e a cabeça de Cristo, ele é sinal maior da unidade do corpo de Cristo. E, saibamos que, nada é pior do que um corpo esfacelado, dividido e quebrado; o corpo pode ter sintomas ruins; uma doença aqui e uma ferida ali; mas é a cabeça que cuida e governa todo o corpo.
Quanto é velho e bonito a unidade que prevalece na Igreja ao longo desses dois mil anos de caminhada. Não é a pessoa do "Papa A" ou do "Papa B". Hoje, amamos o nosso Papa Francisco; ontem: era Bento, João Paulo II, Paulo VI e, amanhã, Deus nos providenciará outro.
O Papa para nós é a figura da unidade, do pastor, e hoje, as nossas orações são pelo Papa Francisco, porque ele é "Pedro" para nós. As nossas orações são para que, ele continue conduzindo a Igreja na unidade, e a governando para que ela não saia dos passos do pastor que é Cristo Jesus.
Façamos, hoje, nossa oração de comunhão e de amor para com o nosso pastor Francisco. Ele é, para nós, Pedro nos dias de hoje.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (22/02/18)

O testemunho religioso é muito importante, mas não basta. Quem não tiver um encontro pessoal com Deus viverá da fé dos outros. Ou seja, não terá fé pessoal, não terá fé própria e ao primeiro vento de doutrinas estranhas, vai voar, vai desmoronar; sua fé, que na verdade é uma crença, irá ruir. Um dia Jesus perguntou aos discípulos mais próximos: "Quem dizem por aí que Eu Sou?" Eles deram muitas respostas, mas depois Ele perguntou: "E para você, quem Eu Sou?" Pedro deu a resposta correta e se tornou uma pedra, em cima da qual Jesus poderia construir a Sua Igreja. É preciso que cada um de nós responda pessoalmente a esta pergunta: quem é Jesus para você? (Mt 16,13-19)
Pe. Joãozinho, scj.

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho da Quinta-feira, 22 de fevereiro


A Igreja recorda hoje a memória de São Maximiano de Ravena, bispo, +556, Santa Margarida de Cortona, viúva, séc. XIII, Santa Joana Maria, religiosa, +1670, Beato Diogo Carvalho, presbítero, mártir, +1624, Beata Isabel de França, religiosa, +1270. 
Evangelho (Mt 16,13-19)

Tu és Pedro, e sobre esta pedra eu irei construir minha Igreja, e as portas do inferno não irão derrotá-la (Mt 16,18).
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus.

Naquele tempo, Jesus foi à região de Cesaréia de Filipe e ali perguntou aos seus discípulos: "Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?" Eles responderam: "Alguns dizem que é João Batista; outros que é Elias; outros ainda, que é Jeremias ou algum dos profetas". Então Jesus lhes perguntou: "E vós, quem dizeis que eu sou?" Simão Pedro respondeu: "Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo".
Respondendo, Jesus lhe disse: "Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi um ser humano que te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu. Por isso eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la. Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que tu ligares na terra será ligado nos céus; tudo o que tu desligares na terra será desligado nos céus".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:

FÉ E MISSÃO - A missão de liderança confiada a Pedro exigiu dele uma explicitação de sua fé. Antes de assumir o papel de guia da comunidade, foi preciso deixar claro seu pensamento a respeito de Jesus, de forma a prevenir futuros desvios.
Se tivesse Jesus na conta de um messias puramente humano, correria o risco de transformar a comunidade numa espécie de grupo guerrilheiro, disposto a impor o Reino de Deus a ferro e fogo. A violência seria o caminho escolhido para fazer o Reino acontecer.
Se o considerasse um dos antigos profetas reencarnados, transformaria a Boa-Nova do Reino numa proclamação apocalíptica do fim do mundo, impondo medo e terror. De fato, pensava-se que, no final dos tempos, muitos profetas do passado haveriam de reaparecer.
Se a fé de Pedro fosse imprecisa, não sabendo bem a quem havia confiado a sua vida, correria o risco de proclamar uma mensagem insossa, e levar a comunidade a ser como um sal que perdeu seu sabor, ou uma luz posta no lugar indevido.
Só depois que Pedro professou sua fé em Jesus, como o "Messias, o Filho do Deus vivo", foi-lhe confiada a tarefa de ser "pedra" sobre a qual seria construída a comunidade dos discípulos: a sua Igreja. Entre muitos percalços, esse apóstolo deu provas de sua adesão a Jesus, selando o seu testemunho com a própria vida, demonstração suprema de sua fé. Portanto, sua missão foi levada até o fim.

21 fevereiro 2018

Paróquia de Nossa Senhora dos Aflitos.

Agenda de Missas para o final de semana (24 e 25/02):

Sábado
- 9h = Missa das crianças na matriz.
- 19h = Missa de posse dos casais das ENS na matriz.

Domingo
- 7h e 19h = Missa na Matriz.
- 9h15 = Missa na Capela de Santa Cecília.

Parabéns e Feliz Aniversário para Ália Eine!

Felicidades grande Amiga. Parabéns e Feliz Aniversário, que Deus te conceda a graça de realizar seus sonhos e que tenha muitos anos de vida pra poder desfrutar desta herança. Fique você sabendo, que eu sou sua admiradora, Deus te abençoe!!!

Ó Senhor, não desprezeis um coração arrependido!

A conversão nos aproxima de Deus!

Através da conversão ficamos mais próximos do amor, ternura e dos cuidados de Deus. "Vendo Deus as suas obras de conversão e que os ninivitas se afastavam do mau caminho, compadeceu-se e suspendeu o mal, que tinha ameaçado fazer-lhes, e não o fez" (Jn 3, 1-10).
O livro de Jonas, lá no Antigo Testamento, traz para nós uma visão de um Deus que parece fazer ameaça, que castiga, mas não é nada disso. Ainda que seja uma linguagem muito simbólica, ela nos ajuda a compreender o que vivemos na vida e que, talvez, por causa de uma linguagem como essa, muitos acreditam que os males do mundo são castigos de Deus. Não! É ao contrário, Deus é Aquele que cuida de nós. Os castigos são consequências naturais dos erros, das escolhas erradas e dos caminhos que tomamos nessa vida.
Óbvio que, quem toma veneno vai morrer; Deus não o condena por ter tomado veneno, não! A pessoa morreu porque ela optou em tomar o veneno. Óbvio que, se nos colocarmos em perigo, esse nos deixa frágeis, e se nos colocarmos em situação que podemos nos acidentar, e acabamos nos acidentando, não foi porque Deus quis que sofrêssemos aquele acidente ou aquela tragédia, nós quem “os procuramos”. Muitas coisas trágicas que acontecem na nossa vida, fazem o coração de Deus chorar, porque nós não prestamos atenção nas escolhas que fazemos na vida.
Precisamos nos converter para que o mal não recaia sobre nós, assim como recaiu sobre aquela cidade. Foi ela que puxou o mal sobre ela, Nínive estava vivendo uma vida totalmente errada, pecaminosa e, assim é conosco, tudo o que vivemos de mal, o atrai para nós e sobre nossa vida.
A conversão abre os nossos olhos e traz para perto de nós o amor, proteção, cuidado e ternura de Deus. O sinal de Jonas para todos nós é um sinal muito claro de que todos nós precisamos nos converter e não é uma conversão superficial, e sim a de rever a nossa vida, ver que muitas coisas estão erradas, que não estão em um bom caminho e isso nos conduz para o caminho da morte. Por isso, devemos nos afastar desse caminho, dessa conduta do mal e “pegarmos” a conduta do bem, do Caminho, da Verdade e da Vida, porque é lá que Deus cuida de nós, nos protege e livra de tantas coisas trágicas que enfrentamos nessa vida.
Você quer coisa mais trágica do que o pecado nos destruindo e acabando com a nossa vida, juventude, casamentos, relacionamentos humanos, comunidades e paróquias? Ou passamos por um processo de conversão sincera ou o pecado vai entrando, arruinando, disseminando e cria situações de discórdia, divisão e assim por diante.
A salvação está na conversão. Trilhemos sempre o caminho da conversão e a graça de Deus irá nos acompanhar e abençoar.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (21/02/18)

Cada geração tem suas características próprias. Os jovens nascidos no terceiro milênio enfrentam valores e perigos. Sempre foi assim, até no tempo de Jesus, uma ocasião Ele disse: "Esta geração é má, vive pedindo sinais." Sua geração tinha valores e tinha perigos; tinha virtudes e tinha defeitos. A geração que viveu nos anos sessenta foi rebelde, mas também, revolucionou seu tempo e abriu-se a diversidade, a pluralidade de ideias; uma geração nascida no tempo da internet já nasce conectada, mas pode ser líquida, pode ter dificuldade de se apegar a valores sólidos. Vamos ajudar as novas gerações a colocar o pé no chão. (Lc 11,29-32)
Pe. Joãozinho, scj.

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho da Quarta-feira da 1ª semana da Quaresma

A Igreja recorda hoje a memória de S. Pedro Damião, bispo, Doutor da Igreja, +1072.

Evangelho (Lc 11,29-32)

Voltai ao Senhor, vosso Deus, ele é bom, compassivo e clemente (Jl 2,12s).
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas.

Naquele tempo, quando as multidões se reuniram em grande quantidade, Jesus começou a dizer: "Esta geração é uma geração má. Ela busca um sinal, mas nenhum sinal lhe será dado, a não ser o sinal de Jonas.
Com efeito, assim como Jonas foi um sinal para os ninivitas, assim também será o Filho do Homem para esta geração. No dia do julgamento, a rainha do Sul se levantará juntamente com os homens desta geração, e os condenará. Porque ela veio de uma terra distante para ouvir a sabedoria de Salomão. E aqui está quem é maior do que Salomão.
No dia do julgamento, os ninivitas se levantarão juntamente com esta geração e a condenarão. Porque eles se converteram quando ouviram a pregação de Jonas. E aqui está quem é maior do que Jonas".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
UMA CHANCE PERDIDA - O povo queria um sinal para comprovar que Jesus era de fato o Filho de Deus. Estavam curiosos para ver o que ele realizava. Jesus, esta geração má busca o espetáculo, e não a fé. Os sinais de Jesus não são shows, e sim fonte de conversão e amor ao homem. Ele é o sinal do Pai, o centro da nossa salvação. Jamais se poderá viver uma relação de amizade e seguimento a Cristo se não o reconhecermos como nosso único Salvador. Para isso, não precisamos de provas, mas apenas ver com o coração e contemplar a graça por meio do Espírito Santo.

20 fevereiro 2018

É uma verdade das verdades...

A oração é um antídoto contra o ódio!
Papa Francisco

Pense nisso!

Quando defendemos os nossos Amigos de verdade, justificamos a nossa amizade...

O Senhor liberta os justos de todas as angústias!

Deus atende os pedidos do nosso coração!

Coloque-se na presença de Deus todos os dias e lugares. "Mas atende, Senhor meu Deus, à oração e a súplica do Teu servo, e ouve o clamor e a prece que ele faz hoje em tua presença" (1 Rs 8, 22-23. 27-30).
Salomão construiu um templo, um lugar, para ali colocar a "Arca da Aliança", e invocar o nome do Senhor nosso Deus. Ele sabia e tinha consciência de que Deus estava no céu, mas sabia que O invocando, Ele fazia-se presente e ali estaria.
É por isso que Salomão ajoelha-se e leva suas oferendas, mas a grande oferenda é a vida dele. Ele coloca-se inteiro na presença do Senhor para suplicar, interceder, pedir para que Ele atenda os rogos do seu coração, e a necessidade da sua alma.
Permita-me dizer:
– "Não tenha receio, coloque-se na presença do Senhor; onde quer que se encontre. Ajoelhe-se na presença d'Ele: na Igreja; aos pés da sua cama; lá onde for fazer o seu trabalho; no lugar que estiver suplique a graça do Senhor, nosso Deus".
Meus irmãos, estamos vivendo tantas aflições, tribulações, dificuldades, falta de entendimento, e estamos caminhando para as coisas humanas: disputas, brigas, competições, acusações, e tudo isso é perda de tempo. O que todos nós precisamos fazer é ajoelhar, dobrar os joelhos, colocar-se na presença de Deus invocando a Sua misericórdia, bondade, sabedoria. Invocando o discernimento que vem de Deus e, sobretudo, invocar para que permaneçamos na Sua presença.
O Senhor está no meio de nós e não o problema! Mas, o problema é sairmos da presença de Deus, e o quanto as coisas do mundo, a nossa própria cabeça e as inquietações do nosso coração, nos roubam da presença do Senhor.
Que tentação mais terrível: nos colocarmos diante de Deus, somente quando formos à Igreja rezar. É óbvio que é um lugar de excelência, porém, onde estivermos, Deus quer fazer-se presente, então, invoquemos o Senhor e O convoquemos, sobretudo, ao nosso coração, e desse modo, não saiamos da presença do Senhor, nosso Deus. E tudo aquilo que formos fazer e realizar, será abençoado, iluminado e direcionado.
Onde queres que estejas, invoca tu a presença de Deus!
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (20/02/18)

Rezar é mais do que repetir palavras; é entrar em comunhão com o Pai. Não importa calar ou falar, converse com o Deus. Existem orações clássicas como o "Pai-Nosso", que Jesus nos ensinou, a "Ave-Maria", que um anjo nos ensinou e que a Igreja cultivou; "Glória ao Pai"; "Salve-Rainha" e tantas preces que sabemos de cor, ou seja, de coração. Tanto faz a palavra, ela é apenas um veículo da prece, o importante é que o coração esteja aberto. Rezar de cor significa rezar de coração. Podemos até repetir com os lábios, mas não vamos deixar de colocar nosso coração em sintonia com o coração do Pai. (Mt 6,7-15)
Pe. Joãozinho, scj.

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho da Terça-feira da 1ª semana da Quaresma

A Igreja recorda hoje a memória de São Francisco Marto, vidente de Fátima, +1919, Santa Jacinta Marto, vidente de Fátima, +1920, São Leão de Catânia, bispo, +912, Santo Eleutério, bispo, mártir, +532.
 
Evangelho (Mt 6,7-15)

O homem não vive somente de pão, mas de toda palavra da boca de Deus (Mt 4,4).
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: "Quando orardes, não useis muitas palavras, como fazem os pagãos. Eles pensam que serão ouvidos por força das muitas palavras.
Não sejais como eles, pois vosso Pai sabe do que precisais, muito antes que vós o peçais. Vós deveis rezar assim: Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome; venha o teu Reino; seja feita a tua vontade, assim na terra como nos céus. O pão nosso de cada dia dá-nos hoje. Perdoa as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido. E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal.
De fato, se vós perdoardes aos homens as faltas que eles cometeram, vosso Pai que está nos céus também vos perdoará. 15Mas, se vós não perdoardes aos homens, vosso Pai também não perdoará as faltas que vós cometestes".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
A ORAÇÃO DO DISCÍPULO - A oração do Pai-Nosso é um programa de vida que insere o orante na mais plena sintonia com o Senhor. É uma oração de louvor e santificação do nome de Deus e também de súplica em vistas a uma renovação na fé. Podemos dizer que Jesus ensinou, por meio dessa oração a viver o Evangelho, a perdoar mutuamente e a buscar em Deus a realização do projeto pessoal de vida. O Pai-Nosso é a oração do encontro com a vontade de Deus e, ao mesmo tempo, a tomada de consciência de que somos responsáveis uns pelos outros neste mundo. Deve ser rezada com desejo e sentido autêntico.

19 fevereiro 2018

Pense nisso!

"Gostaria que você soubesse que existe dentro de si uma força capaz de mudar sua vida, basta que lute e aguarde um novo amanhecer, porque a paz vem de dentro de você mesmo. Não a procure à sua volta, porque você não vai encontrar"...

Ó Senhor, vossas palavras são espírito e vida!

Jesus nos dá de beber, vestir e comer!

Jesus está sempre olhando para as nossas necessidades e dando de comer, beber e vestir. "Pois, Eu estava com fome e Me destes de comer; Eu estava com sede e Me destes de beber; Eu era estrangeiro e Me recebestes em casa; Eu estava nu e Me vestistes; Eu estava doente e cuidastes de Mim; Eu estava na prisão e fostes Me visitar" (Mt 25, 31-46).
Onde está Jesus? Ele está no meio de nós; Ele está entre nós. Todos nós queremos encontrar, recepcionar e estar em comunhão com Jesus. Nós Precisamos ter uma comunhão profunda com Jesus, nada de comunhão superficial ou de comunhão com Jesus apenas no sentido espiritual.
A presença de Jesus no meio de nós é real e concreta. Onde está Jesus? Jesus está lá no Sacrário, na Eucaristia que recebemos, e na Palavra que nos alimenta. Contudo, não podemos negar e nem deixar passar despercebido que, Jesus, está na pessoa do próximo, principalmente, daquele próximo mais sofrido.
Quanto mais sofrida é a pessoa, mas ela configura-se com a pessoa de Cristo. E, não é que Jesus esteja nela, e sim, que ela seja Jesus para nós.
Aquele pobre que não tem o que comer, não tem o que beber, aquela pessoa que não tem roupa para vestir; o preso que está julgado e condenado e que, muitas vezes,  zombamos ou fazemos pouco caso dele, esses são Jesus para mim. O doente, aquele enfermo sofrido, machucado, que por vezes são esquecidos, Jesus também está neles. Precisamos encontrar com Jesus que está nas praças públicas, que está jogado, abandonado e maltratado; precisamos encontrar Jesus no nosso irmão alcoólatra ou naquele que foi tomado pelo vício da droga.
Pode parecer cansativo e que não conseguiremos, mas não podemos negar aquilo que a Palavra está nos dizendo. "Todas as vezes que fizermos "isso" a um "menor", é a Jesus que estamos fazendo". E,  eles tornam-se menores para nós, não é por causa do tamanho, e sim pelo fato de que, quanto mais frágeis as criaturas humanas, mais desprezíveis elas se tornam.
Então, quanto mais desprezado for a pessoa, mais ela nos coloca em comunhão com Deus. Queremos abraçar a Jesus, cuidar d'Ele, amá-Lo, mas pode ser que, seja mais fácil ficar lá no Sacrário olhando para Ele, e Ele olhando para mim, porém, essa é uma forma muito egoísta de comunhão. Temos sim que olhar para Ele e Ele olhar para mim, mas devemos "sair" do olhar d'Ele, para olhar para os nossos irmãos mais pobres, sofridos, necessitados de amor, de cuidados e de ternura.
Nada de comunhão superficial com Deus, e sim, comunhão verdadeira e transformadora, cuidando dos mais pobres e necessitados.
Deus abençoe você!

#minisermao (19/02/18)

Esta vida é breve como um piscar de olhos; é um nada diante da eternidade. Cada minuto esconde um céu quando vivido na solidariedade. Jesus disse: "Olha, vocês que não foram sensíveis às dores e aos clamores do irmão, construíram um inferno, infernizaram a vida dos outros, escolheram isso para sempre." Nossa vida é feita de escolhas, mas o Mestre disse também para aqueles que foram solidários: "Você foi fraterno, você olhou para o irmão com compaixão, você construiu um céu na terra, portanto, agora você terá uma terra no Céu, você viveu na solidariedade, por isso, viverá na eternidade. (Mt 25,31-46)
Pe. Joãozinho, scj.

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho da Segunda-feira da 1ª semana da Quaresma

A Igreja recorda hoje a memória de S. Conrado de Placência, confessor, +1351, S. Bonifácio, bispo, +1265, S. Flaviano, patriarca de Constantinopla, mártir, +449.

Evangelho (Mt 25,31-46)

Eis o tempo de conversão; eis o dia da salvação (2Cor 6,2).
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: "Quando o Filho do Homem vier em sua glória, acompanhado de todos os anjos, então se assentará em seu trono glorioso. Todos os povos da terra serão reunidos diante dele, e ele separará uns dos outros, assim como o pastor separa as ovelhas dos cabritos. E colocará as ovelhas à sua direita e os cabritos à sua esquerda. Então o Rei dirá aos que estiverem à sua direita: 'Vinde benditos de meu Pai! Recebei como herança o Reino que meu Pai vos preparou desde a criação do mundo! Pois eu estava com fome e me destes de comer; eu estava com sede e me destes de beber; eu era estrangeiro e me recebestes em casa; eu estava nu e me vestistes; eu estava doente e cuidastes de mim; eu estava na prisão e fostes me visitar'. Então os justos lhe perguntarão: 'Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer? Com sede e te demos de beber? Quando foi que te vimos como estrangeiro e te recebemos em casa, e sem roupa e te vestimos? Quando foi que te vimos doente ou preso, e fomos te visitar?' Então o Rei lhes responderá: 'Em verdade eu vos digo, que todas as vezes que fizestes isso a um dos menores de meus irmãos, foi a mim que o fizestes!' Depois o Rei dirá aos que estiverem à sua esquerda: 'Afastai-vos de mim, malditos! Ide para o fogo eterno, preparado para o diabo e para os seus anjos. Pois eu estava com fome e não me destes de comer; eu estava com sede e não me destes de beber; eu era estrangeiro e não me recebestes em casa; eu estava nu e não me vestistes; eu estava doente e na prisão e não fostes me visitar'. E responderão também eles: 'Senhor, quando foi que te vimos com fome, ou com sede, como estrangeiro, ou nu, doente ou preso, e não te servimos?' Então o Rei lhes responderá: 'Em verdade eu vos digo, todas as vezes que não fizestes isso a um desses pequeninos, foi a mim que não o fizestes!' Portanto, estes irão para o castigo eterno, enquanto os justos irão para a vida eterna".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
O ENCONTRO QUE SALVA - A vida humana está mergulhada nos opostos: há uma luta entre o ,bem e o mal. Dois mundos diferentes, convivendo num mesmo ambiente. A cena evangélica chama-nos a atenção para nossas relações interpessoais, pois todas as atitudes têm uma incidência direta na sociedade. Nossa relação com Deus depende muito de como tratamos os que convivem conosco. Buscamos nossa segurança em Deus, mas é preciso ajudar os irmãos em seus sofrimentos, dando-lhes o mesmo amor e atenção que o Senhor nos presenteia. Essa é a herança dos benditos do Pai.

18 fevereiro 2018

Verdade e amor, são os caminhos do Senhor!

Deus se faz presente nesses quarenta dias de penitência e conversão!

Foram quarenta dias que Jesus permaneceu no deserto, sendo tentado pelo inimigo. "O Espírito levou Jesus para o deserto. E Ele ficou no deserto durante quarenta dias, e ali foi tentado por Satanás. Vivia entre os animais selvagens, e os anjos o serviam" (Mc 1, 12-15).
O Espírito do Senhor nos conduz para o "deserto da vida". Todos nós, na nossa caminhada, rumo à terra prometida e ao céu, precisamos atravessar ao deserto que é a nossa vida.
O deserto acontece, estritamente, aqui no meu e no seu coração, pois o deserto é o nosso interior,é a nossa alma. O deserto é o lugar do encontro com Deus e nesse deserto somos tentados, pois, o tentador não nos quer em comunhão com Deus; ele não quer que nos autoconheçamos, não quer que entremos com profundidade na nossa alma, por isso, caminhamos muitas vezes na superficialidade e não nos autoconhecemos como realmente deveríamos.
Não entramos na comunhão com Deus como precisaríamos entrar, porque o tentador nos mantém na inércia, e assim, não travamos o "combate", o combate dos exércitos, o combate espiritual, o combate de dizer não às tentações. O máximo que o tentador consegue fazer é nos tentar, mas ele não nos faz sucumbir à tentação, somos nós que cedemos a ela.
No "deserto da vida" nós estamos cercados por "animais selvagens" e pelos "anjos" que os servem. Os animais selvagens dessa vida são muitos e muitas vezes eles vêm, querendo nos roubar de Deus e nos atacar. Não paremos nos animais selvagens, e nem nos tornemos selvagens, pois, uma legião de anjos, a presença angelical e divina, estão no meio de nós.
Nesse contexto os animais selvagens aos quais me refiro, simbolizam os poderes do mal. Eles não podem nos derrubar ou destruir, quando vivemos em comunhão com Deus no deserto da vida. Nele Deus não nos deixa sozinhos, nós até sentimos a solidão, o abandono e a tristeza, mas, também, nesse deserto temos a certeza de que a nossa alma e o nosso coração, estão envolvidos com Deus e que os Seus anjos estão ao nosso serviço.
Não tenhamos medo do combate espiritual e não entremos no combate esmorecidos, desanimados ou como fracassados, porque ao nosso lado está o Senhor nosso Deus, e em cada batalha que enfrentamos nessa vida, a graça d'Ele nos socorre, nos levanta e nos ajuda no combate.
Esses quarenta dias que vivemos na Quaresma, simbolizam justamente os quarenta dias vividos por Jesus no deserto e ali  Ele foi tentado. Esses quarenta dias têm um significado espiritual profundo, de como devemos enfrentar a "grande Quaresma da vida". No combate espiritual temos a certeza de que Deus está ao nosso lado.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (18/02/18)

É o Espírito quem deve conduzir a nossa vida como o vento leva um barco à vela. Às vezes ele nos leva para o deserto outras vezes para o jardim. Naquele dia o Espírito levou Jesus para o deserto e lá Ele foi tentado pelo demônio; poderíamos perguntar: Mas como assim, o Espírito levou Jesus para um lugar ruim, para o reinado de Satanás, para a dificuldade, para tentação? Sim! Como bom pedagogo o Espírito não nos poupa das dificuldades; um bom pai, um bom educador não cria uma bolha para defender os seus filhos, defender os seus estudantes das dificuldades, ele permite que os seus educandos passem por dificuldades suportáveis e até pela tentação para crescer e aprender a viver. (Mc 1,12-15).
Pe. Joãozinho, scj.

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho do 1º Domingo da Quaresma

A Igreja recorda hoje a memória de Santa Bernardete Soubirous, religiosa, + 1879,
Beato João de Fiésole (Fra Angélico), religioso, +1455, S. Teotônio, religioso, +1162, S. Simeão, bispo, mártir, +séc. II,
S. Francisco Régis Clet, presbítero e mártir, +1820.
 
Evangelho (Mc 1,12-15)

O homem não vive somente de pão, mas de toda a palavra da boca de Deus (Mt 4,4).
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos.

Naquele tempo, o Espírito levou Jesus para o deserto. E ele ficou no deserto durante quarenta dias, e aí foi tentado por Satanás. Vivia entre os animais selvagens, e os anjos o serviam.
Depois que João Batista foi preso, Jesus foi para a Galileia, pregando o Evangelho de Deus e dizendo: "O tempo já se completou e o Reino de Deus está próximo. Convertei-vos e crede no Evangelho!"
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
É TEMPO DE CONVERSÃO - "Completou-se o tempo e o Reino de Deus está próximo; fazei penitência e crede no Evangelho".
Qual é o tempo de Deus? Para Deus, o tempo da graça é sempre o agora. Nosso envolvimento com a mudança de atitudes é sempre atual, e não pode esperar. Jesus já está entre nós, o tempo já se completou, a salvação foi-nos dada, mas, no entanto, as pessoas ainda estão presas ao passado e ao futuro, reproduzindo maus hábitos e fantasiando milagres.
Senhor, soprai teu Espírito no deserto de minha vida, para que eu transforme a secura em um coração fértil, cheio de bondade e amor.
Como gesto concreto, vou priorizar momentos fortes de oração pessoal, para fortalecer meu espírito.

17 fevereiro 2018

Pense nisso!

O meio mais eficaz de se defender do mal é deixar que Jesus nos defenda.
Papa Francisco