Jesus diz para todos nós: "Abre os ouvidos, os olhos, o coração"! Amar é abrir. Aquele homem tinha seus ouvidos fechados, era surdo e não conseguia falar. Pediram que ele o curasse, e Jesus, depois de uma série de ritos, olhou nos olhos daquele homem e disse: "Efatá!", que quer dizer: "Abre-te!" Imediatamente, os ouvidos, a língua, a vida daquele homem se abriu. E todos ficaram muito impressionados! Ele fazia os surdos ouvir e os mudos falar. O Senhor quer abrir, também, os nossos corações para curar da nossa dificuldade de amar (Mc 7,31-37).
Pe. Joãozinho, scj

Evangelho (Mc 7,31-37)

Aos surdos faz ouvir e aos mudos falar.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 7,31-37

Naquele tempo, Jesus saiu de novo da região de Tiro, passou por Sidônia e continuou até o mar da Galileia, atravessando a região da Decápole. Trouxeram então um homem surdo, que falava com dificuldade, e pediram que Jesus lhe impusesse a mão. Jesus afastou-se com o homem, para fora da multidão; em seguida, colocou os dedos nos seus ouvidos, cuspiu e com a saliva tocou a língua dele. Olhando para o céu, suspirou e disse: "Efatá!", que quer dizer: "Abre-te!" Imediatamente seus ouvidos se abriram, sua língua se soltou e ele começou a falar sem dificuldade.
Jesus recomendou com insistência que não contassem a ninguém. Mas, quanto mais ele recomendava, mais eles divulgavam. Muito impressionados, diziam: "Ele tem feito bem todas as coisas: Aos surdos faz ouvir e aos mudos falar".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
ABRE-TE - Em diversas ocasiões, quando solicitavam a Jesus a cura de um doente, Ele, por seu poder divino, ao sentir a fé de quem lhe pedia o milagre, restituía-lhe a saúde de longe mesmo. Ainda ontem, meditamos sobre a cura da filha da mulher siro-fenícia, que ficou livre de seus males à distância. Lembremo-nos: "Voltou ela para casa e achou a menina deitada na cama. O demônio havia saído". Desta vez, nosso Salvador chamou o doente à parte, tocou-lhe os ouvidos e a língua. Em seguida, "levantou os olhos ao céu, deu um suspiro e disse-lhe: 'Éfeta!', que quer dizer 'abre-te!'. No mesmo instante, os ouvidos se lhe abriram, a prisão da língua se lhe desfez e ele falava
perfeitamente. Por que então não o curou este enfermo à distância, com uma simples ordem, como tinha feito, por exemplo, com os dez

leprosos? (Lc 17,11-14). Os milagres tinham uma finalidade maior: serem aplicados espiritualmente a nós. Por meio deste, Jesus quis nos renovar e libertar das amarras dos vícios que nos levam a não querer ouvir a Palavra de Deus, nem divulgá-la por nossos atos.
A fé nasce e cresce no canteiro da humildade. Os humildes são herdeiros do Céu. Aquela mulher, que não era nem mesmo da tribo de Jesus, de sua nação, o procurou, com humildade, para encontrar uma solução: sua filha estava atormentada por um demônio. E Jesus testou a fé daquela mulher, dizendo: "Primeiro, tenho que atender os meus, e depois os estrangeiros". Mas a mulher mostrou a sua humildade, dizendo: "É verdade, Senhor, mas se sobrar ao menos alguma migalha, ficarei saciada"! E Jesus compreendeu que aquele coração humilde era cheio de fé, e declarou: "Volta para casa! A tua filha já foi libertada" (Mc 7,24-30).
Pe. Joãozinho, scj
Evangelho (Mc 7,24-30)


Os cachorrinhos, debaixo da mesa, comem as migalhas que as crianças deixam cair.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 7,24-30

Naquele tempo, Jesus saiu e foi para a região de Tiro e Sidônia. Entrou numa casa e não queria que ninguém soubesse onde ele estava. Mas não conseguiu ficar escondido.
Uma mulher, que tinha uma filha com um espírito impuro, ouviu falar de Jesus. Foi até ele e caiu a seus pés. A mulher era pagã, nascida na Fenícia da Síria. Ela suplicou a Jesus que expulsasse de sua filha o demônio. Jesus disse: "Deixa primeiro que os filhos fiquem saciados, porque não está certo tirar o pão dos filhos e jogá-lo aos cachorrinhos".
A mulher respondeu: "É verdade, Senhor; mas também os cachorrinhos, debaixo da mesa, comem as migalhas que as crianças deixam cair".
Então Jesus disse: "Por causa do que acabas de dizer, podes voltar para casa. O demônio já saiu de tua filha". Ela voltou para casa e encontrou sua filha deitada na cama, pois o demônio já havia saído dela.
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:

UM EXEMPLO DE FÉ - No plano de seu Pai, Jesus deveria anunciar primeiro o Reino do Amor aos seus conterrâneos, modificando, por exemplo, o conceito antigo de pagar na mesma moeda a ofensa recebida (cf. Mt 5,38-39). Todavia, as autoridades judaicas, a começar pelo que era considerado representante máximo de Deus, o sumo sacerdote, não admitiam o aperfeiçoamento da Lei. Apegados à sua letra, não aceitavam a Boa-Nova que Jesus anunciava. O Mestre foi encontrar a fé que esperava presenciar em sua terra naquela mulher pagã que o procurou para que curasse sua filha. Nós também somos convidados, todos os dias, a entrar no Reino do Amor, anunciado por Jesus, por meio da meditação de sua Palavra. Que efeito estará produzindo em nós? Mudamos nosso comportamento, antes fechado em nosso egoísmo, ou passamos a nos abrir para ajudar os outros? Aprendamos com a mulher pagã a termos a humildade de retomarmos nossos propósitos, sem desânimo!
As impurezas nascem no coração de quem cultiva maldades e violência. Não nascem fora da pessoa humana! É dentro de nós que podemos cultivar o bem ou o mal. É na cozinha, lá do nosso interior, que podemos fabricar belos manjares ou poções venenosas; que podemos cultivar o sorriso ou o rancor. É dentro do coração humano que nasce a má intenção ou a pureza de intenção. Por isso, vamos lavar o coração, fazer uma faxina interior, para que a boca fale do que o coração está cheio (Mc 7,14-23).
Pe. Joãozinho, scj

Evangelho (Mc 7,14-23)

O que torna impuro o homem é o que sai do seu interior.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 7,14-23

Naquele tempo, Jesus chamou a multidão para perto de si e disse: "Escutai todos e compreendei: o que torna impuro o homem não é o que entra nele vindo de fora, mas o que sai do seu interior. Quem tem ouvidos para ouvir ouça".
Quando Jesus entrou em casa, longe da multidão, os discípulos lhe perguntaram sobre essa parábola. Jesus lhes disse: "Será que nem vós compreendeis? Não entendeis que nada do que vem de fora e entra numa pessoa pode torná-la impura, porque não entra em seu coração, mas em seu estômago e vai para a fossa?" Assim Jesus declarava que todos os alimentos eram puros.
Ele disse: "O que sai do homem, isso é que o torna impuro. Pois é de dentro do coração humano que saem as más intenções, imoralidades, roubos, assassínios, adultérios, ambições desmedidas, maldades, fraudes, devassidão, inveja, calúnia, orgulho, falta de juízo. Todas estas coisas más saem de dentro e são elas que tornam impuro o homem".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:

O QUE PODE CONTAMINAR - O Reino que Jesus veio instaurar na Terra nada tinha a ver com outros Reinos deste mundo. Por isso, Ele esclareceu para os seus discípulos: "O Reino de Deus não virá de um modo ostensivo. Nem se dirá: Ei-lo aqui ou Ei-lo ali. Pois o Reino de Deus está dentro de vós" (Lc 17,20-21), isto é, dentro de nosso coração. Dele, brotam o amor ou o desamor, o ódio, os maus pensamentos: devassidão, roubos, assassinatos. São comportamentos que, se forem aceitos por nossa vontade, tornam-nos impuros. Por isso, Jesus, certa feita, falou a seus discípulos desta forma: "Ouvistes que foi dito aos antigos: 'Não cometerás adultério'. Eu, porém, vos digo: 'Todo aquele que lançar um olhar de cobiça para uma mulher, já adulterou com ela em seu coração'" (Mt 5,27-28). Tudo o que nos vem pelos sentidos é captado por nossa mente. Depende de nós aceitá-lo, ou não.
Seja luz para as pessoas, refletindo a luz de Deus que mora no seu interior! Cada um de nós traz na mente, no coração, a luz de Cristo. Ele é a luz do mundo, que nos iluminou. E é preciso refletir a luz de Cristo em nosso olhar, em nosso falar, em nosso sentir... e as pessoas irão perceber que, essa luz, não é exterior; que não somos deslumbrados com nossa própria luz, mas reconhecemos que somos apenas um reflexo de uma luz maior. Somos um reflexo da luz de Deus, e essa luz, realmente, ilumina (Mt 5,13-16).
Pe. Joãozinho, scj

Anúncio do Evangelho (Mt 5,13-16)

Vós sois a luz do mundo.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus 5,13-16

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: "Vós sois o sal da terra. Ora, se o sal se tornar insosso, com que salgaremos? Ele não servirá para mais nada, senão para ser jogado fora e ser pisado pelos homens.
Vós sois a luz do mundo. Não pode ficar escondida uma cidade construída sobre um monte. Ninguém acende uma lâmpada e a coloca debaixo de uma vasilha, mas sim, num candeeiro, onde brilha para todos, que estão na casa. Assim também brilhe a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e louvem o vosso Pai que está nos céus".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
A SERVIÇO DO MUNDO - Desde cedo, Jesus preocupou-se em evitar que o grupo de seus discípulos se transformasse numa espécie de seita, fechada e esotérica, como havia naquela época. Assim era a comunidade dos essênios, às margens do mar Morto, com um fanatismo tão radical, a ponto de se considerarem filhos da luz, relegando o resto da humanidade à condição de filhos das trevas.A comunidade dos discípulos de Jesus, pelo contrário, fora orientada a ter uma atitude diferente: haveria de ser "sal da terra e luz do mundo". Sal e luz, segundo um autor muito antigo, eram as duas coisas imprescindíveis para qualquer ser humano sobreviver. Portanto, a presença dos discípulos, na história humana, seria semelhante à presença destes dois elementos indispensáveis: sal e luz.
O sal é imagem do que purifica, dá gosto, conserva. Dando testemunho do Evangelho pela prática das boas obras e levando outras pessoas a fazerem o mesmo, os discípulos estariam impedindo que a corrupção se apoderasse da humanidade e também ajudariam as pessoas a se manterem sintonizadas com o projeto de Deus.

De que maneira os discípulos haveriam de ser luz do mundo? Testemunhando a revelação de Deus, em Jesus Cristo, e transmitindo às pessoas essa luz divina, de forma a arrancá-las das trevas do erro e do egoísmo. Mais do que com palavras, será com o exemplo de vida que os discípulos levarão a humanidade a render glória ao Pai do céu.
Não confunda as pessoas! Parece, mas não é. Cuidado com os preconceitos! Herodes, na sua ignorância, achava que Jesus era João Batista que havia ressuscitado. Ele havia mandado cortar a cabeça de João Batista, e achava que, agora, Jesus era João Batista. Não conseguia distinguir o precursor do Messias e Senhor. Às vezes, nós confundimos as pessoas. "Ah... ele se parece com aquele meu parente!" "Ah... ele é da mesma origem que aquele meu conhecido, deve ter as mesmas qualidades, deve ter os mesmos defeitos!" E acabamos tratando as pessoas com preconceito, projetando experiências que tivemos com uma pessoa para outra pessoa. Cada um é único (Mc 6,14-29). 
Pe. Joãozinho, scj
Evangelho (Mc 6,14-29)

É João Batista a quem mandei cortar a cabeça, que ressuscitou.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 6,14-29

Naquele tempo, o rei Herodes ouviu falar de Jesus, cujo nome se tinha tornado muito conhecido. Alguns diziam: "João Batista ressuscitou dos mortos. Por isso os poderes agem nesse homem". Outros diziam: "É Elias". Outros ainda diziam: "É um profeta como um dos profetas". Ouvindo isto, Herodes disse: "Ele é João Batista. Eu mandei cortar a cabeça dele, mas ele ressuscitou!" Herodes tinha mandado prender João, e colocá-lo acorrentado na prisão. Fez isso por causa de Herodíades, mulher do seu irmão Filipe, com quem se tinha casado.
João dizia a Herodes: "Não te é permitido ficar com a mulher do teu irmão". Por isso Herodíades o odiava e queria matá-lo, mas não podia. Com efeito, Herodes tinha medo de João, pois sabia que ele era justo e santo, e por isso o protegia. Gostava de ouvi-lo, embora ficasse embaraçado quando o escutava.
Finalmente, chegou o dia oportuno. Era o aniversário de Herodes, e ele fez um grande banquete para os grandes da corte, os oficiais e os cidadãos importantes da Galileia. A filha de Herodíades entrou e dançou, agradando a Herodes e seus convidados. Então o rei disse à moça: "Pede-me o que quiseres e eu te darei". E lhe jurou dizendo: "Eu te darei qualquer coisa que me pedires, ainda que seja a metade do meu reino". Ela saiu e perguntou à mãe: "Que vou pedir?" A mãe respondeu: "A cabeça de João Batista". E, voltando depressa para junto do rei, pediu: "Quero que me dês agora, num prato, a cabeça de João Batista". O rei ficou muito triste, mas não pôde recusar. Ele tinha feito o juramento diante dos convidados. Imediatamente, o rei mandou que um soldado fosse buscar a cabeça de João. O soldado saiu, degolou-o na prisão, trouxe a cabeça num prato e a deu à moça. Ela a entregou à sua mãe. Ao saberem disso, os discípulos de João foram lá, levaram o cadáver e o sepultaram.
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:

UM MÁRTIR DA VERDADE - Neste triste episódio em que São João Batista perde a vida de maneira tão violenta, meditamos sobre duas personalidades: de um lado, Herodes, que, levado pela paixão, chegou a cometer tão grande pecado. De outro, São João Batista, que preferiu morrer a ir contra averdade. Nós temos os sentidos (paladar, audição, olfato, visão e tato) e a sensibilidade, do mesmo modo que todos os animais. Os irracionais nascem prontos e regem-se pelos instintos. Nós, porém, somos racionais, ou seja, temos inteligência. Nossa vontade, contudo, se for fraca, adere à sensibilidade, como foi o caso de Herodes; se for forte, adere à inteligência. Esta, iluminada por Deus, leva-nos a termos discernimento, como São João Batista! Que Deus nos ajude a imitá-lo!
Seja caridoso com as pessoas estranhas, mas não deixe que elas dominem o ambiente com suas esquisitices! Há pessoas que gritam e gostariam que todos gritassem naquele ambiente. Há pessoas que têm alguns problemas e gostariam de contaminar o ambiente com suas neuroses. Jesus foi caridoso com aquele homem estranho, que morava nas sepulturas e assustava os que passavam. E depois de curado, o homem disse: "Eu vou te seguir"! Mas Jesus disse: "Volta pra sua família! Viva uma vida normal! Não queira contagiar todos com seu jeito de ser"! Os estranhos devem dar conta de sua própria excentricidade (Mc 5,1-20).
Pe. Joãozinho, scj
Evangelho (Mc 5,1-20)

Espírito impuro, sai desse homem!
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 5,1-20

Naquele tempo, Jesus e seus discípulos chegaram à outra margem do mar, na região dos gerasenos. Logo que saiu da barca, um homem possuído por um espírito impuro, saindo de um cemitério, foi a seu encontro.
Esse homem morava no meio dos túmulos e ninguém conseguia amarrá-lo, nem mesmo com correntes. Muitas vezes tinha sido amarrado com algemas e correntes, mas ele arrebentava as correntes e quebrava as algemas. E ninguém era capaz de dominá-lo.
Dia e noite ele vagava entre os túmulos e pelos montes, gritando e ferindo-se com pedras. Vendo Jesus de longe, o endemoninhado correu, caiu de joelhos diante dele e gritou bem alto: "Que tens a ver comigo, Jesus, Filho do Deus altíssimo? Eu te conjuro por Deus, não me atormentes!" Com efeito, Jesus lhe dizia: "Espírito impuro, sai desse homem!" Então Jesus perguntou: "Qual é o teu nome?" O homem respondeu: "Meu nome é 'Legião', porque somos muitos". E pedia com insistência para que Jesus não o expulsasse da região.
Havia aí perto uma grande manada de porcos, pastando na montanha. O espírito impuro suplicou, então: "Manda-nos para os porcos, para que entremos neles". Jesus permitiu. Os espíritos impuros saíram do homem e entraram nos porcos. E toda a manada — mais ou menos uns dois mil porcos — atirou-se monte abaixo para dentro do mar, onde se afogou. Os homens que guardavam os porcos saíram correndo e espalharam a notícia na cidade e nos campos. E as pessoas foram ver o que havia acontecido. Elas foram até Jesus e viram o endemoninhado sentado, vestido e no seu perfeito juízo, aquele mesmo que antes estava possuído por Legião. E ficaram com medo.
Os que tinham presenciado o fato explicaram-lhes o que havia acontecido com o endemoninhado e com os porcos. Então começaram a pedir que Jesus fosse embora da região deles. Enquanto Jesus entrava de novo na barca, o homem que tinha sido endemoninhado pediu-lhe que o deixasse ficar com ele. Jesus, porém, não permitiu. Entretanto, lhe disse: "Vai para casa, para junto dos teus e anuncia-lhes tudo o que o Senhor, em sua misericórdia, fez por ti". E o homem foi embora e começou a pregar na Decápole tudo o que Jesus tinha feito por ele. E todos ficavam admirados.
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:

A LIBERTAÇÃO DO MAL - Os judeus evitavam o contato com os pagãos ou gentios porque, conforme a Lei de Moisés, quem tivesse contato com estes ficaria impuro. Para readquirir a pureza legal, deveria oferecer sacrifícios expiatórios. Os pobres eram considerados impuros em razão de não terem recursos para cumprir o que a Lei ordenava. Jesus, porém, ensinava que não era o que vinha de fora que manchava as pessoas, mas o que lhes saía do coração (cf. Mt 15,18-19). Assim sendo, Jesus vai ao território da Decápole, região habitada por estrangeiros e, lá, cura os doentes que lhe apresentavam, sem se deixar levar pela proibição da Lei. Dessa maneira, sem preconceitos, cumpria o que anunciava: "Vinde a mim vós todos que estais aflitos sob o fardo, eu vos aliviarei... Porque meu jugo é suave e meu peso é leve" (Mt 11,28-30).
Amigos mesmo são poucos. Podemos ter muitos colegas, mas o tesouro da amizade é raro e precioso. Por isso, reze por cada um dos seus amigos! Importe-se com a vida deles, mesmo que esteja distante! E, às vezes, algum tempo sem ver aquele amigo, aquela amiga... tire um tempo para falar de suas coisas, para revelar alguns segredos e partilhar momentos que serão eternos. Pouco tempo com um amigo é uma eternidade. Jesus subiu ao monte, rezou bastante e, quando desceu, escolheu doze apóstolos, seus doze melhores amigos. E, dentre eles, havia três que era o círculo mais restrito da amizade: Pedro, Tiago e João, o melhor amigo (Mc 3,13-19). 
Pe. Joãozinho, scj
Evangelho (Mc 3,13-19)

Chamou os que ele quis, para que ficassem com ele.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 3,13-19

Naquele tempo, Jesus subiu ao monte e chamou os que ele quis. E foram até ele. Então Jesus designou Doze, para que ficassem com ele e para enviá-los a pregar, com autoridade para expulsar os demônios. Designou, pois, os Doze: Simão, a quem deu o nome de Pedro; Tiago e João, filhos de Zebedeu, aos quais deu o nome de Boanerges, que quer dizer "Filhos do trovão"; André, Filipe, Bartolomeu, Mateus, Tomé, Tiago, filho de Alfeu, Tadeu, Simão, o cananeu, e Judas Iscariotes, aquele que depois o traiu.
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
OS COMPANHEIROS DE JESUS - Jesus escolhe doze apóstolos dentre os seus muitos discípulos, número que certamente tem a ver com as doze tribos de Israel. Nosso Salvador não precisaria de ninguém para salvar o mundo; a uma simples palavra, nós todos seríamos salvos. Entretanto, obediente aos planos divinos de seu Pai para a Salvação, escolheu doze apóstolos para irem por toda parte anunciar sua Palavra. De novo, um grande
mistério: por que não escolheu um grande número de apóstolos, para mais facilmente irem pelas várias nações e anunciar a todas elas o
Reino de Amor? Imediatamente Jesus aquietou os discípulos: "Não temais, pequeno rebanho, porque foi do agrado de vosso Pai dar-vos

o Reino. Vendei o que possuís e dai esmolas; fazei para vós bolsas que não se gastam, um tesouro inesgotável nos céus, aonde não chega o ladrão e a traça não destrói" (Lc 12,32-33). Pode nos parecer estranho que o Mestre mande seus apóstolos pelo mundo todo sem dinheiro – claro que, para viajar, ele é necessário –, mas, logo em seguida, Ele acrescenta: "Pois, onde estiver o vosso tesouro, ali estará também o vosso coração". (Lc 12,34). Ou seja, o trabalho do apóstolo deve ser por amor, e não por dinheiro!
A espiritualidade profunda nos abre à criatividade e à inovação. O Espírito Santo nos faz sempre novos. Quer ser uma pessoa criativa? Faça silêncio espiritual, tenha profundidade mística e terá novas ideias, e terá a capacidade de criar o novo, até de se reinventar, de ter um novo modo de fazer as coisas. Como naquele dia, quando Jesus estava sendo comprimido pela multidão, que tinha ouvido falar de tudo que ele fazia, ele pediu aos discípulos que providenciassem uma barca, colocou ela no mar e, do mar, ele falava para as pessoas. Jesus foi criativo, inovou, construiu um palco à beira-mar para falar com o povo que o comprimia. Tenha espiritualidade e terá criatividade (Mc 3,7-12). 
Pe. Joãozinho, scj

Evangelho (Mc 3,7-12)

Os espíritos maus gritavam: 'Tu és o Filho de Deus!'
Mas ele ordenava severamente para não dizerem quem ele era.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 3,7-12

Naquele tempo, Jesus se retirou para a beira do mar, junto com seus discípulos. Muita gente da Galileia o seguia. E também muita gente da Judeia, de Jerusalém, da Idumeia, do outro lado do Jordão, dos territórios de Tiro e Sidônia, foi até Jesus, porque tinham ouvido falar de tudo o que ele fazia. Então Jesus pediu aos discípulos que lhe providenciassem uma barca, por causa da multidão, para que não o comprimisse. Com efeito, Jesus tinha curado muitas pessoas, e todos os que sofriam de algum mal jogavam-se sobre ele para tocá-lo. Vendo Jesus, os espíritos maus caíam a seus pés, gritando: "Tu és o Filho de Deus!" Mas Jesus ordenava severamente para não dizerem quem ele era.
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
ATRAÍDOS PELA AÇÃO DE JESUS - Percorrendo as páginas dos Evangelhos, percebemos que Jesus se dedicava incansavelmente a anunciar o Reino dos Céus (ou o Reino do Amor), não de qualquer jeito, mas usando uma didática muito popular e adaptada à compreensão das pessoas. Por outro lado, curava aqueles que dele se aproximavam, não de longe, mas junto deles, tocando-os e sendo tocado. Há um detalhe descrito neste texto que não nos pode escapar. “Jesus ordenou a seus discípulos que lhe aprontassem uma barca, para que a multidão não o comprimisse”, nem fosse comprimida! Ele atenciosamente se despedia da multidão. Jesus é nosso amigo para valer. Não obstante conhecer nossas misérias, continua nosso amigo. Valoriza o que temos de bom, pois sabe que, por detrás de tantos erros, há corações que anseiam por consertar-se,

e isso é ressurreição. Aprendendo com Jesus, valorizemos também o que os outros têm de bom. As crianças, principalmente, precisam de estímulo dos pais e dos professores para crescerem seguras de si e dispostas a lutar pela vida.
Peça sempre com fé, mas deixe Deus decidir o que é melhor para você! Naquele dia, o leproso se aproximou e disse a Jesus: "Senhor, se queres, podes curar-me"! E Jesus tocou no homem e ele foi purificado. Devemos deixar Deus decidir o que é melhor para nós, porque muitas vezes pedimos aquilo que "parece" melhor, mas não é! Pedimos dinheiro, e ele nos corrompe; pedimos riqueza, que é uma ponte para alguma tragédia... Se soubéssemos disso, não teríamos pedido; pediríamos a humildade, pediríamos a sabedoria... Deixe que Deus decida, mas peça, deixando sempre o benefício nas mãos de Deus (Mc 1,40-45)!
Pe. Joãozinho, scj
Evangelho (Mc 1,40-45)

A lepra desapareceu e o homem ficou curado.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 1,40-45

Naquele tempo, um leproso chegou perto de Jesus, e de joelhos pediu: "Se queres, tens o poder de curar-me". Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele, e disse: "Eu quero: fica curado!" No mesmo instante, a lepra desapareceu, e ele ficou curado. Então Jesus o mandou logo embora, falando com firmeza: "Não contes nada disso a ninguém! Vai, mostra-te ao sacerdote e oferece, pela tua purificação, o que Moisés ordenou, como prova para eles!"
Ele foi e começou a contar e a divulgar muito o fato. Por isso Jesus não podia mais entrar publicamente numa cidade: ficava fora, em lugares desertos. E de toda parte vinham procurá-lo.
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:

UM BENEFÍCIO DISCRETO - Jesus ficou comovido com o ato de fé proferido pelo leproso: "Se queres, podes limpar-me". O Mestre, prontamente, respondeu-lhe que queria que o enfermo ficasse curado e, para indicar que não concordava com o fato de aqueles pobres ficarem marginalizados, tocou-o.Com esse gesto, Jesus estaria impuro perante a Lei mosaica e não poderia entrar publicamente nas cidades. Mas os pobres e os doentes, as mulheres e as crianças, também considerados impuros por não terem dinheiro para oferecer sacrifícios de expiação, acorriam ao seu encontro. Seus gestos de misericórdia eram recebidos com alegria pelos marginalizados, que nunca tinham sido valorizados. Será que os doentes, os miseráveis, os moradores de rua e todos os que são desprezados pela sociedade merecem de nossa parte tratamento semelhante ao de Jesus, ou será que apenas os ricos aos quais bajulamos para obtermos favores são nossos amigos? Sigamos o exemplo de nosso Salvador e ajudemos quem não nos pode retribuir.
Reze pelas pessoas, pois a oração tem poder de curar muitas doenças! Naquele dia, na casa de Pedro, a sogra dele estava com febre e não conseguia sair da cama. Jesus impôs as mãos sobre ela e rezou. E ela foi, imediatamente, curada. Todos nós devemos rezar pelos doentes, por todos e também, cada vez que encontrarmos uma pessoa doente, é importante colocarmos essa pessoa na nossa oração, acreditando que Deus cura muitos como sinal de que a vida sempre vence o mal, a morte e a dor. Creia no poder de Deus (Mc 1,29-39)!
Pe. Joãozinho, scj
Evangelho (Mc 1,29-39)

Curou muitas pessoas de diversas doenças.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 1,29-39

Naquele tempo, Jesus saiu da sinagoga e foi, com Tiago e João, para a casa de Simão e André. A sogra de Simão estava de cama, com febre, e eles logo contaram a Jesus. E ele se aproximou, segurou sua mão e ajudou-a a levantar-se. Então, a febre desapareceu; e ela começou a servi-los. À tarde, depois do pôr do sol, levaram a Jesus todos os doentes e os possuídos pelo demônio. A cidade inteira se reuniu em frente da casa. Jesus curou muitas pessoas de diversas doenças e expulsou muitos demônios. E não deixava que os demônios falassem, pois sabiam quem ele era.
De madrugada, quando ainda estava escuro, Jesus se levantou e foi rezar num lugar deserto. Simão e seus companheiros foram à procura de Jesus. Quando o encontraram, disseram: "Todos estão te procurando". Jesus respondeu: "Vamos a outros lugares, às aldeias da redondeza! Devo pregar também ali, pois foi para isso que eu vim". E andava por toda a Galileia, pregando em suas sinagogas e expulsando os demônios.
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
O PODER DE CURAR - Jesus, consciente da missão que lhe tinha sido dada pelo Pai, anuncia que precisa sair da Galileia: "Vamos às aldeias vizinhas para que eu pregue também lá, pois para isso é que vim". Antes, porém, narra o evangelista São Marcos que Jesus se levantou muito antes do amanhecer e foi para um lugar deserto para orar. Nós também nunca devemos sair de casa sem primeiro agradecer a Deus pelo dia que Ele
nos dá e pedir-lhe força para bem agirmos. Sem Deus, nada podemos fazer. Por isso, a exemplo de Jesus, precisamos rezar. São Paulo escreveu que devemos orar sem cessar (cf. 1Ts 5,17). Evidentemente, não se trata de fazê-lo como quando estamos a sós, mas de darmos

testemunho de Jesus Ressuscitado por meio de nosso trabalho, de nossos deveres benfeitos, de nossa ajuda a quem precisa, enfim, de nossos afazeres desempenhados com amor.
Faça convites para as pessoas! Elas ficarão felizes em aceitar novos desafios. Depois que João Batista foi preso, Jesus voltou para a sua terra, a Galileia, e pregava. E passando pela beira do mar, viu Simão, André, seu irmão, que estavam pescando. E Jesus fez um convite extremamente atrevido: "Segui-me e eu farei de vós pescadores de homens". E eles, imediatamente, deixaram tudo e o seguiram. O mesmo se repetiu com Tiago e João, os filhos de Zebedeu, que estavam consertando redes. Ele os chamou, e eles deixaram tudo e o seguiram (Mc 1,14-20).
Pe. Joãozinho, scj

Evangelho (Mc 1,14-20)

Convertei-vos e crede no Evangelho!

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 1,14-20

Depois que João Batista foi preso, Jesus foi para a Galileia, pregando o Evangelho de Deus e dizendo: "O tempo já se completou e o Reino de Deus está próximo. Convertei-vos, e crede no Evangelho!"
E, passando à beira do mar da Galileia, Jesus viu Simão e André, seu irmão, que lançavam a rede ao mar, pois eram pescadores. Jesus lhes disse: "Segui-me e eu farei de vós pescadores de homens". E eles, deixando imediatamente as redes, seguiram a Jesus. Caminhando mais um pouco, viu também Tiago e João, filhos de Zebedeu. Estavam na barca, consertando as redes; e logo os chamou. Eles deixaram seu pai Zebedeu na barca com os empregados, e partiram, seguindo Jesus.
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:

OS SEGUIDORES DE JESUS - Também para nós, Jesus diz: "Completou-se o tempo e o Reino de Deus está próximo; fazei penitência e crede no Evangelho". Neste mundo, o Reino de Deus está sempre em construção até sua realização plena no Céu. Estamos constantemente em caminhada, buscando a perfeição. Nosso Salvador nos aponta como devemos agir: fazer penitência, convertendo-nos de nossos erros, prometendo ao Senhor não pecar mais. É uma luta diária, sem trégua. Devemos ter a humildade de reconhecer nossas faltas, arrependermo-nos e retomarmos o caminho do bem, seguindo as pegadas de Jesus, sem desânimo. A luz para seguirmos adiante é o Evangelho, ou seja, a Boa-Nova, que consiste na vitória do amor sobre o ódio. Nosso Salvador, porém, avisa-nos: "Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta e espaçoso o caminho que conduz à perdição e numerosos são os que por aí entram. Estreita, porém, é a porta e apertado o caminho da vida e raros são os que o encontram". (Mt 7, 13-14).
No dia 30 de dezembro de 1962, fui batizada na Matriz de Nossa Senhora dos Aflitos, pelo Pe. Antônio Balbino de Araújo (In memoriam), estava com oito meses de vida.
O batismo representa o primeiros dos sete sacramentos e é considerado um rito de passagem. Ao receber tal benção, a criança inicia a sua fé e sua vida cristã, tornando-se um filho de Deus, um discípulo de Cristo, um membro da Igreja e abrindo seu caminho para a salvação.
Obrigada aos meus pais por ter me batizado ainda como criança.
Você já procurou saber qual foi o dia do seu batismo?
Resultado de imagem para Mt 3,13-17"
Saiba ler os sinais dos tempos! Deus revela seus pensamentos por meio de visões e fala em nossos corações. Naquele dia em que Jesus entrou nas águas do rio Jordão para ser batizado por seu primo João, o Céu se manifestou. Para os olhos desatentos era apenas uma nuvem; para os distraídos era apenas um pássaro que voava, uma pomba qualquer. Mas, para o olhar de fé, era a manifestação de Deus. Para alguém poderia ser apenas mais um trovão, mas para João, um homem com ouvidos atentos ao Céu, era possível ouvir e ver o que Deus dizia naquele momento: "Esse é o meu Filho bem amado" (Mt 3,13-17)! 
Pe. Joãozinho, scj

Anúncio do Evangelho (Mt 3,13-17)

Depois de ser batizado, Jesus viu o Espírito de Deus pousando sobre Ele.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus 3,13-17

Naquele tempo, Jesus veio da Galileia para o rio Jordão, a fim de se encontrar com João e ser batizado por ele. Mas João protestou, dizendo: "Eu preciso ser batizado por ti, e tu vens a mim?"
Jesus, porém, respondeu-lhe: "Por enquanto deixa como está, porque nós devemos cumprir toda a justiça!" E João concordou. Depois de ser batizado, Jesus saiu logo da água. Então o céu se abriu e Jesus viu o Espírito de Deus, descendo como pomba e vindo pousar sobre ele.
E do céu veio uma voz que dizia: "Este é o meu Filho amado, no qual eu pus o meu agrado".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
SOLIDÁRIO COM OS PECADORES - "Eis meu Servo que eu amparo, meu eleito ao qual dou a minha afeição, faço repousar sobre ele meu espírito para que leve às nações a verdadeira religião. Ele não grita, nunca eleva a voz, não clama nas ruas. Não quebrará o caniço rachado, não extinguirá a mecha que ainda fumega".
A exemplo de Jesus, devemos cuidar para não pecarmos pela língua, quer usando-a para a violência, quer para falar mal dos que erram. Meu Deus, dai-nos vossa graça, a fim de que tratemos os pecadores como gostaríamos de ser tratados.
Lembrados de que também somos pecadores, saberemos acolhê-los como irmãos.
Recurso será utilizado a critério da Prefeitura Municipal. A iniciativa foi da Mesa Diretora, através do presidente Gutemberg Dantas de Queiroz. Fazia tempo que eu não via uma coisa dessa aqui em Jardim de Piranhas, tudo começou com a presidente Rosimira Araújo Dos Santos, que, ano passado fez uma devolução para o executivo, hoje Gutemberg me surpreendeu com este outro valor, lembrando que Gute adquiriu um veículo tipo FOX para a Câmara Municipal no valor de R$ 51.000,00 (cinquenta e um mil reais). "A devolução dos valores é fruto de um esforço do Poder Legislativo", um mandato deve ser transparente, precisamos ser honesto e justo, esclareceu o presidente Gutemberg.
ENTENDA A DEVOLUÇÃO 
Os recursos do Poder Legislativo provêm de repasses que o Poder Executivo faz. Quando o valor não é gasto, por lei, as Câmaras são obrigadas a devolver o montante. No entanto, cada Câmara tem total autonomia para gastar 100% do valor caso julgue necessário, cabe então à Presidência de cada Câmara definir quais serão as prioridades e quanto será gasto pela instituição. Nessa devolução, por exemplo, a atual presidência optou por poupar gastos na Câmara e devolver dinheiro à Prefeitura para que a população seja beneficiada. 
Existe um momento para começar e também um dia para acabar. Feche seus processos e permita-se o novo que virá! Existem momentos em que é preciso, simplesmente, fechar para balanço. Olhar para trás, avaliar o que aconteceu, ver o que foi bom, o que poderia ter sido melhor. E, então, permitir que um novo ciclo comece. Ano novo, vida nova, novas oportunidades, novas maravilhas! Algo muito bom acontecerá e você ainda não sabe o que é. Esteja com o coração aberto, para que não seja apenas o "ano novo", mas o seu coração também renovado (Jo 1,1-18). 
Pe. Joãozinho, scj

Evangelho (Jo 1,1-18)

A Palavra se fez carne e habitou entre nós.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João 1,1-18

Início do Evangelho de Jesus Cristo segundo João.
No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus; e a Palavra era Deus. No princípio, estava ela com Deus. Tudo foi feito por ela e sem ela nada se fez de tudo que foi feito. Nela estava a vida, e a vida era a luz dos homens. E a luz brilha nas trevas, e as trevas não conseguiram dominá-la.
Surgiu um homem enviado por Deus; seu nome era João. Ele veio como testemunha, para dar testemunho da luz, para que todos chegassem à fé por meio dele. Ele não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz: daquele que era a luz de verdade, que, vindo ao mundo, ilumina todo ser humano.
A Palavra estava no mundo – e o mundo foi feito por meio dela – mas o mundo não quis conhecê-la. Veio para o que era seu, e os seus não a acolheram. Mas, a todos os que a receberam, deu-lhes capacidade de se tornar filhos de Deus, isto é, aos que acreditam em seu nome, pois estes não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus mesmo.
E a Palavra se fez carne e habitou entre nós. E nós contemplamos a sua glória, glória que recebe do Pai como Filho unigênito, cheio de graça e de verdade. Dele, João dá testemunho, clamando: "Este é aquele de quem eu disse: O que vem depois de mim passou à minha frente, porque ele existia antes de mim". De sua plenitude todos nós recebemos graça por graça. Pois por meio de Moisés foi dada a Lei, mas a graça e a verdade nos chegaram através de Jesus Cristo. A Deus, ninguém jamais viu. Mas o Unigênito de Deus, que está na intimidade do Pai, ele no-lo deu a conhecer.
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:

NÓS VIMOS SUA GLÓRIA - Terminamos o ano com uma poesia à Palavra, ou seja, o Prólogo do Evangelho de São João. Terminamos o ano com a certeza de que nosso Deus é vida e luz. Ao saudarmos, nesta noite, nossos familiares e amigos, lembremo-nos de que todos temos algo que não nos deixa envelhecer e que nos dá dignidade: nossa condição de filhos de Deus. Essa certeza deve ser a luz que ilumina nossos passado, presente e futuro. Como filhos amados de Deus, seguimos confiantes rumo ao novo ano, rumo a novas expectativas, rumo à vida, e vida em plenitude.