22 novembro 2017

Ao despertar me saciará vossa presença, ó Senhor!

Só alcançamos a graça de Deus se corremos atrás!

Não faltará a graça de Deus para quem corre atrás, com o pouco ou o muito que tem. "As cem moedas renderam cinco vezes mais. O homem disse também a este: 'Recebe tu também o governo de cinco cidades'" (Lucas 19,18-19).
A parábola que escutamos, hoje, conta-nos que dez empregados receberam cem moedas de prata do patrão e ele disse: "Procurem negociar até que eu volte. Cuide das moedas que vocês receberam e as multipliquem".
Lembro-me de pessoas que tinham o velho hábito, algumas ainda têm, de colocar o dinheiro debaixo do colchão, porque não confiam no banco ou não sabem fazer uma aplicação para que renda alguma coisa, então, preferem deixar debaixo do colchão.
Antigamente, tínhamos o fenômeno da inflação desenfreada, galopante: um dinheiro que valesse um real, passavam-se alguns meses não valia mais nada. Então, esse era colocado debaixo do colchão, se fôssemos pegá-lo depois de 10 ou 20 anos não teríamos nada, pois ele só serviria para museu.  O dinheiro recebido foi simplesmente "enterrado".
Pode ser uma comparação monetária e econômica, já que, em muitas situações a economia rege as relações humanas, entretanto, Jesus está dizendo com essa parábola de que forma devemos administrar a graça, os dons, os talentos que recebemos de Deus.
Podemos ser displicentes, negligentes e, simplesmente, pegarmos a graça de Deus e colocá-la debaixo do colchão: "Está guardada. Ninguém mexe. Não estou correndo risco. Só eu mexo, está debaixo do meu colchão". Estamos dormindo em cima dos nossos talentos, estamos dormindo em cima da graça de Deus e não a estamos levamos, a crescer e a multiplicar.
Não me refiro somente as coisas religiosas, Deus quer que todos os nossos talentos sejam multiplicados, sejam religiosos ou não. É tão bonito ver quando uma pessoa, começa fazendo uma coisa pequena e depois a transforma num dom maior.
Vi pessoas que começaram do zero vendendo um picolé aqui, um doce acolá; depois serem capazes de ter uma indústria, uma fábrica. Outras, que não tinham a capacidade para ler e nem escrever, desdobrarem-se para aprender, e tornarem-se grandes médicos e profissionais da vida.
Não importa em que ponto você se encontra da sua própria vida, o que importa é não ficarmos escondendo dinheiro debaixo do colchão; escondendo o tesouro, o dom e o talento, precisamos correr atrás.
Diante de uma onda de desânimo que está por ai, muitos dizem: "Não consigo emprego. Não consigo nada na vida". Conseguiremos se a chave que nos move for a persistência, a insistência, a luta. É correr atrás.
Não faltará a graça de Deus para quem corre atrás, com o pouco ou o muito que tem. Vemos coisas maravilhosas, com pessoas que não se entregam ao desânimo, mas que correm atrás.
Se corrermos atrás para melhorarmos na vida, a graça de Deus nos acompanhará onde quer que estejamos.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (22/11/17)

Somos ecos criativos do Criador. A criatividade é um dom maravilhoso para criar o novo; é um sopro de Deus em nós! É impressionante, aquela música não existia e depois daquele momento de inspiração passa a existir e todos cantam, é nova, é inédita, é criativa. Aquele quadro foi pintado há 300 anos e é novo inusitado. Aquela arquitetura, até mesmo aquela comida, a arte culinária criou o novo e você diz: "Ninguém cozinhava como minha vó, porque ela tinha uma criatividade incrível na cozinha." A criatividade é o sopro de Deus Criador em nós. (Lc 19,11-28)
Pe. Joãozinho, Scj

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho da Quarta-feira da 33ª semana do Tempo Comum - A Igeja recorda hoje a memória de Santa Cecília, virgem, mártir, séc. III ou IV

Evangelho (Lc 19,11-28)
 
Porque tu não depositaste meu dinheiro no banco?
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 19,11-28.

Naquele tempo, Jesus acrescentou uma parábola, porque estava perto de Jerusalém e eles pensavam que o Reino de Deus ia chegar logo. Então Jesus disse:
"Um homem nobre partiu para um país distante, a fim de ser coroado rei e depois voltar. Chamou então dez dos seus empregados, entregou cem moedas de prata a cada um e disse: 'Procurai negociar até que eu volte'.
Seus concidadãos, porém, o odiavam, e enviaram uma embaixada atrás dele, dizendo: 'Nós não queremos que esse homem reine sobre nós'. Mas o homem foi coroado rei e voltou. Mandou chamar os empregados, aos quais havia dado o dinheiro, a fim de saber quanto cada um havia lucrado. O primeiro chegou e disse: 'Senhor, as cem moedas renderam dez vezes mais'. O homem disse: 'Muito bem, servo bom. Como foste fiel em coisas pequenas, recebe o governo de dez cidades'.
O segundo chegou e disse: 'Senhor, as cem moedas renderam cinco vezes mais'. O homem disse também a este: 'Recebe tu também o governo de cinco cidades'. Chegou o outro empregado e disse: 'Senhor, aqui estão as tuas cem moedas que guardei num lenço, pois eu tinha medo de ti, porque és um homem severo. Recebes o que não deste e colhes o que não semeaste'. O homem disse: 'Servo mau, eu te julgo pela tua própria boca. Tu sabias que eu sou um homem severo, que recebo o que não dei e colho o que não semeei. Então, por que tu não depositaste meu dinheiro no banco? Ao chegar, eu o retiraria com juros'. Depois disse aos que estavam aí presentes: 'Tirai dele as cem moedas e dai-as àquele que tem mil'. Os presentes disseram: 'Senhor, esse já tem mil moedas!' Ele respondeu: 'Eu vos digo: a todo aquele que já possui, será dado mais ainda; mas àquele que nada tem, será tirado até mesmo o que tem. E quanto a esses inimigos, que não queriam que eu reinasse sobre eles, trazei-os aqui e matai-os na minha frente'". Jesus caminhava à frente dos discípulos, subindo para Jerusalém.
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão - Lc 19, 11-28 
Os dons que temos não nos pertencem, mas sim a Deus, que é o Senhor de tudo, de modo que os dons que recebemos de Deus devem ser ordenados para ele. Sendo assim, não podemos usar os nossos dons, nem mesmo os dons naturais, somente em vista da nossa realização e da nossa promoção pessoal, mas devemos colocá-los a serviço de Deus e dos nossos irmãos e irmãs, pois somente quando o dom se transforma em serviço é que ele é capaz de multiplicar e de produzir frutos em abundância, contribuindo, assim, para que o Reino de Deus cresça cada vez mais no meio dos homens.

Reforma ministerial não vai ser suficiente para aprovar Previdência

Gilmar Felix/Câmara dos Deputados 
247 - Líderes ou vice-líderes do PP, PSD, PR, PRB, SD, DEM, PMDB e PSDB, partidos que reúnem 291 deputados (57% do total de parlamentares da Câmara), dizem que a maioria dos integrantes de suas bancadas continuam resistentes em votar a proposta de reforma da previdência.
O principal motivo é o medo de desgaste eleitoral no pleito de 2018. Para eles, a aprovação depende agora, principalmente, da capacidade de o governo convencer a população sobre a necessidade de aprovar a reforma da Previdência.
"Esqueça Previdência este ano. Não tem a menor chance de aprovar. A reforma ministerial não atendeu a toda a base", disse o líder do PR, José Rocha (BA). "O processo para aprovar a Previdência agora é de convencimento do governo com a sociedade", avaliou o líder do PSD na Casa, Marcos Montes (MG). Segundo ele, sua bancada continua "muito resistente" em votar agora, pois teme desgaste político.
O líder do DEM, Efraim Filho (PB), avaliou que as mudanças ministeriais e no texto da reforma são bem-vindas, mas sozinhas não têm o "condão de puxar os votos". "A grande resistência ainda é o impacto eleitoral. Falta ainda a crença de que o Senado vai votar a proposta também". O líder do SD, deputado Áureo Ribeiro (RJ), disse que o partido é contra a reforma de qualquer forma. "Se votar agora já é um erro, imagina se aprovar".
As informações são de reportagem de Igor Gadelha no Estado de S.Paulo.

Petroleiros vão à Justiça pela anulação de leilões do pré-sal

 
247 - A Federação Única dos Petroleiros (FUP) ingressou nesta terça-feira 21 com uma petição junto à 20ª Vara Federal do Rio de Janeiro reiterando o pedido de anulação das 2ª e 3ª rodadas de licitação do pré-sal, conforme já solicitado na Ação Civil Pública que deu entrada no dia 25 de outubro, às vésperas da realização dos leilões.
A nova ação vem na esteira da denúncia do jornal britânico The Guardian (leia mais), neste fim de semana, que revelou que o governo Temer cedeu ao lobby a favor das petrolíferas britânicas. Para a FUP, a reportagem é "mais uma evidência do jogo de cartas marcadas que marcou a entrega criminosa do petróleo brasileiro às multinacionais ao custo de R$ 0,01 o litro".
Confira trecho do texto da FUP em que anuncia a ação na Justiça:
Não foi mera coincidência as petrolíferas britânicas terem sido as maiores vencedoras das 2ª e 3ª Rodadas de licitação do Pré-Sal, como noticiou em seu site a Agência Nacional do Petróleo (ANP). A British Petroleum (BP) arrematou dois promissores campos da 3ª Rodada, em parceria com a Petrobrás, com quem firmou logo em seguida um acordo de cooperação, com acesso aos ativos e tecnologias da estatal brasileira.
Já a anglo-holandesa Shell levou três grandes blocos, sendo que dois dos campos onde se garantiu como operadora foi "coincidentemente" ao ofertar para a União os valores exatos de percentuais mínimos de excedente de óleo que haviam sido determinados pela ANP: 11,53% para o Campo Sul de Gato do Mato e 22,87% para Alto de Cabo Frio Oeste. Só no Sul de Gato do Mato, ela terá 80% de reservas avaliadas em mais de 200 milhões de barris de petróleo. Jogo de cartas marcadas?.
Certamente, não foi pra inglês ver, que o o vice-presidente mundial da Shell, Andrew Bown, fez uma visita estratégica a José Serra, em agosto de 2016, às vésperas da aprovação do projeto de lei de sua autoria, que alterou as regras de exploração do Pré-Sal, tirando da Petrobrás a função de operadora exclusiva, com participação mínima de 30%. Além de vendilhão, Serra ocupava a cadeira de ministro de Relações Internacionais do governo golpista.
Meses depois, durante o lobby que o governo britânico fazia a favor das petrolíferas de seu país, o presidente da Shell no Brasil, André Araújo, afirmou publicamente que "o Pré-Sal é onde todo mundo quer estar". Para a FUP, todos esses elementos apontam "Vício Notório" nos leilões realizados e que beneficiaram escancaradamente as multinacionais, em mais um crime de lesa-pátria que o governo ilegítimo de Temer vem praticando contra o povo e o Estado brasileiro. "Até que tudo seja esclarecido, inclusive com o teor das agendas e mensagens dos, e entre os, agentes políticos britânico e brasileiro envolvidos, no mínimo haverá que se sustar qualquer efeito jurídico e econômico dos negócios aqui atacados", destaca a FUP na petição encaminhada ao juiz da 20ª Vara Federal do Rio de Janeiro, Paulo André Espírito Santo Bonfadini, que analisa a Ação onde os petroleiros cobram a anulação de todos os efeitos das 2ª e 3ª Rodadas de Licitação do Pré-Sal.
Para o coordenador da FUP, José Maria Rangel, "as denúncias do The Guardian são mais uma peça do quebra cabeça deste golpe que, desde o início, estamos denunciando que foi feito para entregar o Pré-Sal às multinacionais e privatizar a Petrobrás". "Esperamos que todos os segmentos comprometidos com o desenvolvimento nacional atuem efetivamente para apurar com rigor o que aconteceu e recuperar as nossas riquezas que foram entregues a preço vil. Precisamos trazer de volta a política de conteúdo nacional para que o Pré-Sal volte a render frutos para o povo brasileiro, movimentando a indústria nacional, gerando empregos, renda e tecnologia no nosso país, e recursos para a saúde e educação", diz ele.

21 novembro 2017

O Senhor se lembrou de mostrar sua bondade!

Precisamos ouvir o Senhor e fazer a Sua vontade!

O discípulo é aquele que escuta, coloca em prática e vive, em sua vida, a vontade do Pai. "Eis minha mãe e meus irmãos. Pois todo aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe" (Mateus 12,50).
No meio de uma multidão, estavam a mãe, os irmãos e os parentes mais próximos de Jesus querendo falar com Ele. Talvez você pensasse assim: "Jesus teria que deixar tudo para falar com seus familiares, para falar com a mãe d'Ele, pois o mais importante são eles". Jesus mostra-nos porque eles são ou não importantes.
Quem é importante no coração de Deus? É aquele que O escuta, aquele que é o seu discípulo, por isso, Jesus diz: "Eis minha mãe e meus irmãos". É como se Ele dissesse: "São vocês também, porque estão parados aqui, para me ouvirem. Felizes são vocês que estão dispostos a me ouvir e a partir daí fazem a vontade de Deus".
São duas etapas fundamentais no seguimento de Jesus, a primeira delas é: ouvi-Lo, dar atenção a Ele. Uma pessoa só é importante para a outra quando lhe dá atenção e a escuta. O filho é importante para os pais, então, esses param tudo o que estiverem fazendo, para escutá-lo e dar atenção às necessidades do filho deles. Um pai e uma mãe negligenciam quando: não são mais capazes de escutar; um casal, marido e mulher, serão negligentes um com o outro, quando não tiverem mais capacidade de escutar. É importante saber ouvir; dar atenção ao outro é essencial.
Um filho, torna-se um péssimo filho, quando não escuta mais os seus pais. Ele pode dizer: "Eu amo muito a minha mãe", entretanto, se não a escuta, não a ouve, não lhe dá atenção; o amor dele é questionável.
O discípulo é aquele que escuta, portanto, não basta dizer: "Eu sou parente de Jesus", se não O escutamos e não damos atenção a Ele, agindo assim, não somos discípulos d'Ele. O discípulo é aquele que escuta e coloca em prática e vive, na sua vida, a vontade do Pai.
O que é a vontade do Pai? É aquilo que nós escutamos quando paramos para ouvi-Lo. Por que, muitas vezes, não colocamos em prática a vontade de Deus? A resposta é simples: não paramos para escutá-Lo.
Temos a alegria de celebrarmos, hoje, a apresentação de Nossa Senhora ao templo. Maria apresentou, inteiramente, a sua vida, desde o ventre da mãe d'Ela, para ouvir a Deus e fazer a vontade d'Ele. No entanto, tornou-se a discípula número um, a discípula mais fiel. Não foi somente seu ventre que gerou Jesus, mas foi toda a sua vida que O escutou, e colocou em prática o desejo do Pai.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (21/11/17)

A família de Jesus ultrapassa o sangue da carne pois é formada por irmãos unidos pelo sangue da Cruz. Maria foi a primeira cristã! Maria permaneceu fiel de Nazaré até a cruz. E também nas pregações de seu Filho Maria estava lá e um dia alguém foi dizer ao Mestre: "A Tua mãe e teus parentes estão aqui e querem te ver." E Jesus perguntou: "Quem é minha mãe? Quem são os meus parentes? São aqueles que fazem a vontade de Deus." Com isso Ele queria dizer "Minha mãe não está aqui só porque o Filho dela é o pregador; ela está aqui por amor, ela está aqui para ouvir a pregação. Mais do que mãe, ela é discípula e missionária; ela é a primeira cristã. (Mt 12,46-50)
Pe. Joãozinho, scj

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho da Terça-feira da 33ª semana do Tempo Comum - Festa da Igreja: Apresentação de Nossa Senhora no Templo

A Igreja também recorda hoje a memória de São Gelásio I, papa, +496
 
Evangelho (Mt 12,46-50)
E, estendendo a mão para os discípulos, Jesus disse: 'Eis minha mãe e meus irmãos. + Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 12,46-50.
Naquele tempo, enquanto Jesus estava falando às multidões, sua mãe e seus irmãos ficaram do lado de fora, procurando falar com ele. Alguém disse a Jesus: "Olha! Tua mãe e teus irmãos estão aí fora, e querem falar contigo". Jesus perguntou àquele que tinha falado: "Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos?" E, estendendo a mão para os discípulos, Jesus disse: "Eis minha mãe e meus irmãos. Pois todo aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe". Palavra da Salvação. Glória a vós, Senhor.

Com Temer, desemprego de jovens no Brasil é o maior em 27 anos

 
247 - O desemprego entre os jovens no Brasil atinge sua maior taxa em 27 anos. Dados apresentados pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) apontam que, ao final de 2017, praticamente 30% dos jovens brasileiros estariam sem trabalho. "Trata-se da maior taxa desde 1991", aponta a entidade, com sede em Genebra.
A estimativa sobre o índice brasileiro é mais de duas vezes superior à média internacional. Segundo a OIT, o desemprego entre jovens no mundo é de cerca de 13,1%. A situação brasileira só é equivalente às taxas registradas nos países árabes, que viram o desemprego desencadear uma importante crise política e social a partir de 2011.
Hoje, entre as mais de 190 economias avaliadas pela OIT, apenas 36 delas tem uma situação pior que a do Brasil para os jovens. Na Síria, por exemplo, a taxa de desemprego entre os jovens é de 30,6%, contra 34% no Haiti.
A queda do crescimento da economia brasileira, informalidade e as incertezas de investimentos teriam gerado o salto no desemprego dessa camada nos últimos anos, ainda que o pico possa já ter sido atingido. "Houve uma enorme desaceleração de alguns países, entre eles o Brasil", disse a diretora de Política de Desenvolvimento e Emprego da OIT, Azita Awad.
Em 1991, a taxa brasileira de desemprego entre os jovens era de 14,3% e, em 1995, chegou a cair para 11,4%. Mas a segunda metade da década de 90 registrou um aumento, com um pico em 2003. Naquele ano, o desemprego de jovens era de 26,1%. Entre 2004 e 2014, a taxa sofreu uma queda substancial, chegando a 16,1%.

Janot rebate críticas de Segóvia: "pau mandado"

 
247 - O ex-procurador-geral Rodrigo Janot reagiu na noite desta segunda-feira às críticas do novo diretor-geral da PF, Fernando Segovia, em relação às delações dos dirigentes da JBS, que resultaram em duas denúncias contra Michel Temer. Nesta segunda-feira, Segovia disse que a investigação foi encerrada antes do tempo e que mala apreendida com o ex-assessor do presidente Rodrigo Rocha Loures não serviria como prova. Segundo Janot, Segovia desconhece as leis e menospreza o trabalho da própria Polícia Federal.
Ele é mesmo um pau mandado - disse Janot.
Durante entrevista após a sua posse, Segóvia levantou suspeitas sobre a conclusão das investigações da JBS por parte da Procuradoria Geral da República (PGR), que resultou nas duas denúncias contra Temer. Segóvia disse que, se dependesse da PF, a apuração não teria terminado em prazo tão curto.

Favores de Temer para Shell mostram que é dever travar MP entreguista

Além de indignar os 200 milhões de brasileiros, a descoberta do pacote de favores prestados pelo governo Temer à Shell e outras empresas britânicas para facilitar ainda mais o domínio externo sobre as reservas do pré-sal ajuda a iluminar aspectos necessários a defesa dos interesses do país.
O benefício é jogar luzes sobre num debate que ocorre na surdina, no Congresso, que irá ter consequências um pouco mais, um pouco menos nefastas para o destino do país.
Neste momento, Temer tenta aprovar uma Medida Provisória, de número 795, que pretende escancarar o mercado brasileiro de máquinas e equipamentos para a indústria do petróleo. Num ponto que divide os parlamentares, empresários e demais setores interessados na preservação do que ainda sobrevive como parque industrial no país, a mudança prevista pela MP envolve a isenção de impostos para compras no exterior, criando um sistema com distorções bem conhecidas contra a indústria, o emprego e até as contas públicas.
Uma tragédia previsível desde que Temer organizou a entrega do pré-sal mas que agora começa a ser detalhada. Para começar, a MP coloca uma segunda pá de cal no regime de conteúdo local que protege a indústria, que passaria a enfrentar a concorrência de equipamentos e maquinas trazidas para cá sem pagamento de impostos -- muitas vezes, produzidas pelas próprias petroleiras estrangeiras. O passo seguinte implica na redução de empregos de qualidade, numa conjuntura que dispensa comentários.
Num momento em que o governo não para de ameaçar todo cidadão brasileiro com cortes em políticas públicas de interesse da população, a MP desmascara as verdadeiras prioridades. Se for aprovada, irá implicar num rombo tributário estimado em R$ 40 bilhões por ano -- quantia equivale a uma vez e meia os gastos com o Bolsa Família, por exemplo. Ou dois terços dos gastos com aposentadorias militares, excluídas do projeto de reforma da previdência. 
Deslocando-se em vários pontos do país para debater a MP 795, José Velloso, presidente da Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) tem denunciado o artigo 5o. da MP porque "isenta os impostos de importação de qualquer bem para a indústria de exploração e produção de petróleo e isso vai prejudicar a indústria naval."
Pela emenda número 12, apresentada no Congresso pela bancada de parlamentares alinhados com a defesa da indústria, mantém-se a cobrança de impostos para os produtos importados quando existe similar nacional -- tratamento padrão, em todo o mundo, desde o surgimento dos Estados nacionais e da compreensão de que economias em graus diferenciados de desenvolvimento devem receber tratamentos diferenciados. "Dar tratamento igual para produto nacional e importado é beneficiar o importado", afirma Cesar Prata, diretor da ABIMAC.
Com a revelação do Guardian, apontando para um ambiente de promiscuidade incompatível com autoridades que tem a obrigação constitucional de zelar pela riqueza e pela soberania do país, a natureza vergonhosa das tratativas para entrega do pré-sal fica mais clara do que nunca. Consolida a visão de que tudo não passou de um caso clássico de "receptação de mercadoria roubada", traduzida como "receptação culposa" nos textos jurídicos, como define o professor Gilberto Bercovici, titular de Direito Econômico e Economia Política da Faculdade de Direito da USP. Para Bercovici, a venda do pré-sal ocorreu em condições tão absurdas como a venda de um relógio Rolex, na praça da Sé em São Paulo, "por um preço que não compatível com a normalidade do mercado nem por um vencedor autorizado".
Já era possível saber disso desde a venda do pré-Sal. As notícias recentes acrescentam um ambiente intolerável de falta de respeito pelas riquezas do país e pelo destino das próximas gerações. "Vamos voltar ao país anterior a Vargas e a Revolução de 1930", afirma Pedro Celestino, presidente do Clube de Engenharia. 

20 novembro 2017

Vivificai-me, ó Senhor, e guardarei vossa Aliança!

A luz da fé abre os nossos olhos!

Se nós queremos enxergar de novo ou, enxergar bem a cada dia, precisamos deixar que a luz da fé guie os nossos passos. "'Que queres que eu faça por ti?'" O cego respondeu: 'Senhor, eu quero enxergar de novo'. Jesus disse: 'Enxerga, pois, de novo. A tua fé te salvou' (Lucas 18,41-42).
A cura do cego de Jericó têm lições maravilhosas para a nossa vida. A primeira delas é a "sede", a necessidade que esse cego tem na cura; ele com insistência, vai atrás de Jesus. É, também, ele que está no meio da multidão e grita: "Senhor, filho de Davi, tenha compaixão de mim. Eu preciso da sua misericórdia".
É um grito que vem do fundo da alma, de um coração sedento em ser curado, para voltar a enxergar. Porque esse cego já enxergou um dia, mas, por diversas circunstâncias da vida deixou de enxergar.
Por qualquer coisa, por qualquer descuido, levamos a vida com tantas coisas para fazer, e vamos nos tornando cegos ao longo do caminho. Quando não reparamos, sobretudo, no nosso orgulho e na soberba que são tentações, caímos na cegueira humana e espiritual. Ela não permite enxergar a vida como precisa ser.
Quando estamos cegos, tropeçamos sem ver; caímos sem reparar e, muitas vezes, nem nos levantamos. Pois não percebemos onde estamos.
A graça de enxergar é a grande graça. Porque muitos cegos que, talvez, não tenham a visão física como nós temos, enxergam a graça de Deus. Eles têm mais discernimento na vida, do que nós que temos os ”olhos arregalados” e não enxergamos o essencial.
Talvez as pessoas que estivessem no contexto do Evangelho, fossem até mais cegas do que o homem cego, porque ele queria tocar em Jesus e ser curado por Ele, e as pessoas o afastavam, o repreendiam e mandavam que ele ficasse calado. Não enxergavam que o irmão precisava dessa graça de Deus.
A grande cegueira da vida, é quando enxergamos somente a nós. Só os nossos problemas, a nossa vida e necessidades. Não conseguimos enxergar quem está ao nosso lado, pois, nos incomodam com seus gritos, suas necessidades e, assim, os ignoramos. Está aí, a grande cegueira do mundo que, muitas vezes, envolve cada um de nós.
Esse cego é insistente, ele grita: '"Senhor, eu quero enxergar de novo'. Jesus disse: 'Enxerga, pois, novamente. A tua fé te salvou'".
Se nós queremos enxergar de novo ou, enxergar bem a cada dia, precisamos deixar que a luz da fé guie, conduza e direcione os nossos passos.
Quando perdemos essa luz da fé, enxergamos a vida e o mundo de uma forma ofusca, confusa, errada. Porque é com a luz da fé que nós enxergamos a vida como ela é, e como ela precisa ser vista. É com a luz da fé, que nós enxergamos o mundo com os "olhos de Deus". É com essa luz que enxergamos a graças de Deus.
Que a sua luz do Senhor abra os nossos olhos para caminharmos na Sua verdade.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisemao (20/11/17)

Mesmo que você saiba a resposta, faça perguntas para reconhecer o que outro tem para dizer. Perguntar é um jeito de amar. Jesus foi um perguntador e aprendeu isso com Maria, sua mãe, que fez perguntas até a um anjo. Mas, entre todas as perguntas que Jesus fez na sua vida uma foi no mínimo inusitada, aquele cego na beira do caminho gritava: "Jesus, Filho de Davi, tem pena de mim!" Ele era cego, estava marginalizado, estava jogado de lado, a multidão passava mandava que ele se calasse, mas Jesus o chamou para o centro e fez uma pergunta: "O que queres que Eu te faça?" Era lógico que ele queria a cura, mas Jesus deixou que ele mesmo dissesse isso. Perguntar é amar (Lc 18,35-43)
Pe. Joãozinho, Scj.

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho da 2ª - feira da 33ª Semana do Tempo Comum A Igreja recorda hoje a memória de Santo Edmundo, rei, mártir, +870

Evangelho (Lc 18,35-43)

O que queres que eu faça por ti?' Senhor, eu quero enxergar de novo.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 18,35-43.

Quando Jesus se aproximava de Jericó, um cego estava sentado à beira do caminho, pedindo esmolas. Ouvindo a multidão passar, ele perguntou o que estava acontecendo. Disseram-lhe que Jesus Nazareno estava passando por ali. Então o cego gritou: "Jesus, filho de Davi, tem piedade de mim!" As pessoas que iam na frente mandavam que ele ficasse calado. Mas ele gritava mais ainda: "Filho de Davi, tem piedade de mim!" Jesus parou e mandou que levassem o cego até ele. Quando o cego chegou perto, Jesus perguntou: "Que queres que eu faça por ti?" O cego respondeu: "Senhor, eu quero enxergar de novo". Jesus disse: "Enxerga, pois, de novo. A tua fé te salvou". No mesmo instante, o cego começou a ver de novo e seguia Jesus, glorificando a Deus. Vendo isso, todo o povo deu louvores a Deus.
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão - Lc 18, 35-43 
Jesus passou toda a sua vida fazendo o bem para manifestar o amor de Deus para conosco. Quando Jesus realiza curas, quer mostrar que o amor de Deus pelos homens faz com que as pessoas não fiquem à margem do caminho pedindo esmolas, mas com que cada um tenha condições de seguir o seu próprio caminho. É por isso que ele tem compaixão do cego e o cura. Após o processo de libertação, todos são convidados a seguir o próprio caminho, sendo que alguns, como é o exemplo do cego do Evangelho de hoje, resolvem seguir o caminho de Jesus. Quando Jesus cura, não tira a liberdade da pessoa. Aqueles que depois de curados resolvem segui-lo, o fazem de livre e espontânea vontade, mas tornam-se um motivo para que todos glorifiquem a Deus.

Governo derruba em 99% intercâmbios com o fim do Ciência sem Fronteiras

LULA MARQUES 
247 - O número de intercâmbios entre alunos de graduação das universidades públicas brasileiras despencou com o fim do programa Ciência sem Fronteiras, do governo federal. Sem a ajuda do Ministério da Educação (MEC) desde julho de 2016 e em meio à crise econômica, as instituições de ensino federais e estaduais reduziram em até 99% o número de alunos enviados ao exterior até o ano passado. Para especialistas, esse dado representa não só uma perda de experiência acadêmica para os estudantes, mas também um prejuízo para a formação científica no País.
O Estado analisou dados de 17 instituições de ensino superior público – 30 universidades de todas as regiões do País foram procuradas pela reportagem, mas nem todas responderam. Entre as instituições analisadas estão as três estaduais paulistas, Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual Paulista (Unesp) e Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), além de outras 14 federais, de um total de 64. Todos os documentos foram obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação enviados por cada uma das instituições.
Um dos casos mais dramáticos está na Universidade Federal do ABC, do Estado de São Paulo, onde só três bolsas foram concedidas no ano passado, ante 551 em 2014, auge do Ciência sem Fronteiras – uma queda de 99,4%. A universidade diz que, sem o respaldo do governo federal, viabilizar intercâmbio tem sido “um desafio”, mas que tem buscado aumentar a quantidade de convênios internacionais ao longo dos anos – atualmente há 18, em 10 países diferentes, segundo a instituição.
Bolsas internacionais privadas, como o Santander Universidades, também registraram uma redução neste ano – foram 1.191 internacionais, ante 1.416 no ano passado. 

Temer quer acabar com programa de distribuição de remédio

 
247 - Um dos mais conhecidos programas do Ministério da Saúde, o Farmácia Popular, iniciativa que oferta medicamentos gratuitos ou com até 90% de desconto, deve passar por mudanças. Para o setor farmacêutico, as medidas o colocam em risco.
Após fechar cerca de 400 farmácias da rede própria que mantinha no programa, o governo quer agora mudar o modelo de pagamento para farmácias particulares credenciadas. Hoje, há cerca de 30 mil estabelecimentos que ofertam os medicamentos no Aqui Tem Farmácia Popular, nome dado ao eixo do programa na rede particular.
Para o ministro Ricardo Barros (Saúde), o objetivo é reduzir gastos, tidos como mais altos do que na compra centralizada de remédios no SUS.
Representantes do setor e sanitaristas, porém, dizem que as novas propostas colocam o programa em xeque.
Hoje, farmácias recebem um reembolso do governo a cada produto dispensado, com base em uma tabela de valores de referência pré-definidos para cada um deles.
O governo quer renegociar esses valores. De acordo o ministro, a ideia é propor um novo cálculo, definido por um preço base no atacado e 40% de margem para compensar os custos de aquisição e distribuição dos produtos.
Pacientes que utilizam o Farmácia Popular afirmam terem sido pegos de surpresa com o fechamento das unidades próprias do programa e relatam dificuldades de acesso a medicamentos no SUS.
No Distrito Federal, a única unidade da rede própria que ainda havia do programa, em Sobradinho, foi fechada em 28 de agosto.

Manuela: não há prova contra Lula e eleição sem ele agrava crise política

Ricardo Stuckert 
Rio Grande do Sul 247 - A deputada estadual Manuela D'Ávila (PC do B-RS), 36, confirmada oficialmente neste fim de semana como pré-candidata à Presidência, defendeu a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência em 2018. 
"Eu defendo que o presidente Lula receba o tratamento que defendo para todos os brasileiros. Que as pessoas só sejam condenadas quando provas forem apresentadas. Todo o processo de julgamento dele é construído com uma base não sólida. Não há nenhuma prova", afirmou.
A deputada alerta para os riscos de um pleito sem o petista: "acho é que a eleição sem o Lula seria um episódio de agravamento da crise política.
Descarta abandonar a sua candidatura para fazer uma aliança com o PT, como vice?
Não descarto absolutamente nada, em nenhuma dimensão da minha vida. Aprendi que precisamos estar abertos às possibilidades. Isso significa que minha candidatura não é para valer? Não. Minha candidatura foi construída porque acreditamos que temos saídas para o Brasil.
Manuela escolheu como um dos eixos de seu programa de governo o combate à violência. Coincidência ou não, tema ligado ao concorrente que gravita no campo político oposto ao seu, Jair Bolsonaro (PSC-RJ). Ela diz que as propostas do rival se resumem a "jargões de internet".

Requião avisa a Shell: a negociata de vocês com Temer vai cair

Marcelo Camargo/Agência Brasil 
Paraná 247 – O senador Roberto Requião (PMDB-PR) postou um vídeo duríssimo na noite deste domingo, em que comenta a denúncia publicada pelo jornal inglês The Guardian, e repercutida pelo 247 (leia aqui), sobre como o governo inglês fez lobby para mudar a lei do pré-sal, reduzindo as exigências ambientais, de conteúdo nacional e também isentando as multinacionais do petróleo de impostos, numa renúncia fiscal que chega a R$ 1 trilhão.
– Negociar com este governo que aí está é melhor do que vender cocaína. Mas que saibam os ingleses. Vocês serão tratados como receptadores de mercadoria roubada e, a partir desta semana, o Senado vai agir – avisa.
De acordo com a denúncia, documentos confidenciais obtidos pelo Greenpeace comprovam que o ministro do comércio britânico, Greg Hands, fez lobby junto ao secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Paulo Pedrosa, para que as multinacionais Shell e BP fossem favorecidas.
O lobby inglês, diz o Guardian, foi atendido.
– Mas essa negociata vai cair – avisa Requião.
 

19 novembro 2017

Felizes os que temem o Senhor e trilham seus caminhos!

Sejamos fiéis na administração daquilo que recebemos de Deus!

Não podemos "dar desculpa" que não damos conta, ou que, não somos capazes de administrar o pouco ou o muito que recebemos. "Muito bem, servo bom e fiel! Como foste fiel na administração de tão pouco, eu te confiarei muito mais. Vem participar da minha alegria!" (Mateus 25,23).
O Evangelho de hoje, conta-nos a realidade maravilhosa do senhor que, chamou os empregados dele, para lhes confiar os seus talentos, assim, cada um dos empregados, poderiam administrar os talentos recebidos. Ao primeiro empregado deu cinco talentos, ao segundo deu dois talentos e ao terceiro deu um talento, conforme a capacidade que cada um tinha.
Algumas pessoas têm capacidade para demonstrarem muitas coisas, outras têm dificuldade e demonstram menos. Existem aquelas, que têm capacidade de administrar poucas coisas ou uma coisa menor. Isso não quer dizer que, quem administra uma empresa é mais importante do que àquela que administra uma casa, e nem que aquele que administra o país, seja melhor do que quem administra uma horta em sua própria casa.
Não! É apenas para nos lembrar que: a quem muito se deu, muito tem que corresponder ao que recebeu. Quem pouco receber, precisa corresponder ao pouco que receber. O mais importante é que, cada um: corresponda, dê uma resposta, e não se deixe perder por ter recebido muito, pouco ou mais ou menos, mas que dê conta daquilo que recebeu.
Você pode ter recebido o menor talento de todos, entretanto, você pode torna-lo o maior talento do mundo, quando você administra, assume; quando você não tem uma postura de relaxado, preguiçoso, displicente, negligente, desatento, descuidado.
Quando, nós, não levamos a vida de qualquer jeito: "Muito bem, servo bom e fiel! Você foi fiel na administração de tão pouco". A cada dia e no "dia final", é isso que os nossos ouvidos precisam ouvir de Deus. Sejamos fiéis na administração daquilo que recebemos de Deus.
Não façamos pouco caso, não cuidemos de qualquer jeito, não tratemos de qualquer forma a graça que nos foi confiada. Precisamos ter responsabilidade com aquilo que temos. O servo torna-se inútil ou mau, quando para de olhar e cuidar dos dons dele, e vai reparar nos do outro. O servo é mau quando para de cuidar da sua vida para cuidar da vida dos outros. quando estamos olhando a horta do vizinho e não estamos cuidando da nossa própria horta. Quando estamos olhando a horta do vizinho e não cuidamos da nossa, ela para de produzir frutos, ou seja, a nossa vida se perde.
Cada um produz os frutos, de acordo com aquilo que é capaz de produzir. O problema é que não podemos dar desculpa de que não damos conta, que não recebemos nada e, ainda, dar a desculpa de não sermos capazes de administrar o pouco ou o muito que recebemos.
Que possamos dar muitos frutos com os dons e os talentos que temos na vida.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (19/11/17)

Talentos são graças que Deus plantou em nós e Ele mesmo faz crescer; só temos que cultivar a semente e colher os frutos. Parece pouco, mas é muito. Deus deu a semente e o poder de germinar, isso não nos compete, não somos donos do talento que temos. A vida é assim 10% de inspiração, e é Deus quem dá, e 90% de transpiração, é preciso lutar, é preciso cultivar, é preciso exercitar. O talento para a música é maravilhoso mas sem um ensaio não ouviremos a sinfonia, jamais escutaremos a virtude daquele instrumentista e se parar de ensaiar perde o talento. É preciso cultivar os dons que Deus nos dá (Mt 25,14-30)
Pe. Joãozinho, Scj.

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho do 33º Domingo do Tempo Comum

Evangelho (Mt 25,14-30)

Como foste fiel na administração de tão pouco, vem participar de minha alegria.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus 25,14-30.

Naquele tempo, Jesus contou esta parábola a seus discípulos: "Um homem ia viajar para o estrangeiro. Chamou seus empregados e lhes entregou seus bens. A um deu cinco talentos, a outro deu dois e ao terceiro, um; a cada qual de acordo com a sua capacidade. Em seguida viajou.
O empregado que havia recebido cinco talentos saiu logo, trabalhou com eles e lucrou outros cinco. Do mesmo modo, o que havia recebido dois lucrou outros dois.
Mas aquele que havia recebido um só saiu, cavou um buraco na terra e escondeu o dinheiro do seu patrão.
Depois de muito tempo, o patrão voltou e foi acertar contas com os empregados.
O empregado que havia recebido cinco talentos entregou-lhe mais cinco, dizendo: 'Senhor, tu me entregaste cinco talentos. Aqui estão mais cinco, que lucrei'. O patrão lhe disse: 'Muito bem, servo bom e fiel! Como foste fiel na administração de tão pouco, eu te confiarei muito mais. Vem participar da minha alegria!'
Chegou também o que havia recebido dois talentos, e disse: 'Senhor, tu me entregaste dois talentos. Aqui estão mais dois que lucrei'. O patrão lhe disse: 'Muito bem, servo bom e fiel! Como foste fiel na administração de tão pouco, eu te confiarei muito mais. Vem participar da minha alegria!'
Por fim, chegou aquele que havia recebido um talento, e disse: 'Senhor, sei que és um homem severo, pois colhes onde não plantaste e ceifas onde não semeaste. Por isso, fiquei com medo e escondi o teu talento no chão. Aqui tens o que te pertence'.
O patrão lhe respondeu: 'Servo mau e preguiçoso! Tu sabias que eu colho onde não plantei e ceifo onde não semeei? Então, devias ter depositado meu dinheiro no banco, para que, ao voltar, eu recebesse com juros o que me pertence'.
Em seguida, o patrão ordenou: 'Tirai dele o talento e dai-o àquele que tem dez! Porque a todo aquele que tem será dado mais, e terá em abundância, mas daquele que não tem, até o que tem lhe será tirado. Quanto a este servo inútil, jogai-o lá fora, na escuridão. Aí haverá choro e ranger de dentes!'"
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

18 novembro 2017

Lembrai sempre as maravilhas do Senhor!

#minisermao (18/11/17)

Quem faz um ato bom ainda não é bondoso; a virtude da bondade se conquista pela perseverança em fazer o bem. E em tudo nessa vida é assim, não basta ser bom hoje, é preciso que eu tenha sido ontem e que eu seja amanhã. A cada dia um desafio e quando perseveramos em fazer o bem, vamos adquirindo esse comportamento natural da gentileza, da bondade, da amorosidade, da cordialidade, da justiça, da temperança. Portanto, não basta ser bom de vez em quando, é preciso ser bom todos os dias. Não basta amar de vez em quando, é preciso perseverar no amor. (Lc 18,1-8)
Pe. Joãozinho, Scj.

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho do Sábado da 32ª Semana do Tempo Comum - A Igreja recorda hoje a memória do Beato Domingos Jorge, leigo, mártir, +1619

Festa da Igreja: Dedicação das Basílicas de São Pedro e São Paulo.
 
Evangelho (Lc 18,1-8)

Deus fará justiça aos seus escolhidos que gritam por ele.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 18,1-8.

Naquele tempo, Jesus contou aos discípulos uma parábola, para mostrar-lhes a necessidade de rezar sempre, e nunca desistir, dizendo: "Numa cidade havia um juiz que não temia a Deus, e não respeitava homem algum. Na mesma cidade havia uma viúva, que vinha à procura do juiz, pedindo: 'Faze-me justiça contra o meu adversário!' Durante muito tempo, o juiz se recusou. Por fim, ele pensou: 'Eu não temo a Deus, e não respeito homem algum. Mas esta viúva já me está aborrecendo. Vou fazer-lhe justiça, para que ela não venha agredir-me!'" E o Senhor acrescentou: "Escutai o que diz este juiz injusto. E Deus, não fará justiça aos seus escolhidos, que dia e noite gritam por ele? Será que vai fazê-los esperar? Eu vos digo que Deus lhes fará justiça bem depressa. Mas o Filho do homem, quando vier, será que ainda vai encontrar fé sobre a terra?".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão - Lc 18, 1-8 
A parábola do juiz iníquo nos mostra, como o próprio São Lucas nos diz, a necessidade da oração constante e da confiança em Deus que sempre ouve as nossas preces. Porém devemos ver qual a preocupação de Jesus no que diz respeito ao conteúdo da oração. O juiz não quer fazer justiça para a viúva e depois a faz por causa da insistência dela. A partir disso, Jesus nos fala sobre a justiça de Deus, ou seja, que o Pai fará justiça em relação aos que a suplicam. Deste modo, vemos que Jesus exige que a nossa oração não seja mesquinha, desejando apenas a satisfação das necessidades temporais, mas sim a busca dos verdadeiros valores, que são eternos.

Geddel destruiu provas, aponta delator

Polícia Federal | REUTERS 
247 – Braço direito de Michel Temer e pivô da maior apreensão de dinheiro sujo da história do Brasil, quando foram encontrados R$ 51 milhões em seu bunker, o ex-ministro Geddel Vieira Lima também determinou a destruição de provas.
Quem afirma é o assessor parlamentar Job Vieira Brandão, homem de confiança de Geddel e de seu irmão Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), que só não foi preso no episódio do bunker por ter foro privilegiado.
Segundo Job, que negocia acordo de delação premiada, foram destruídas anotações e agendas que poderiam incriminar ainda mais os dois irmãos do PMDB baiano, assim como os beneficiários dos recursos.
A nova denúncia deve fazer com que Geddel perca qualquer esperança de deixar a Papuda e pode levá-lo a também delatar seu chefe, Michel Temer.
As informações da delação de Job Brandão são dos jornalistas Aguirre Talento e Débora Bergamasco, e foram publicadas em Época.
Leia, abaixo, um trecho:
O assessor parlamentar Job Ribeiro Brandão, funcionário de confiança do ex-ministro Geddel Vieira Lima e de seu irmão Lúcio, deputado federal, foi convocado para uma missão delicada. Graças a um habeas corpus, Geddel, um líder do PMDB, ex-ministro do governo Temer e integrante do círculo de amigos mais próximos do presidente Michel Temer, havia deixado a penitenciária da Papuda, em Brasília, na noite de 13 de julho. De volta a Salvador para cumprir prisão domiciliar, Geddel tinha pressa. Preocupado com a possibilidade de as investigações da Operação Lava Jato o devolverem ao cárcere, Geddel incumbiu Job de destruir documentos, agendas e anotações. Assim fez Job. Papéis foram picotados e jogados na privada; outros documentos foram colocados em sacos de lixo e descartados. Estava limpo o terreno caso houvesse uma nova batida da Polícia Federal.
Mas memória não vai para o lixo. A operação secreta foi revelada por Job, em um depoimento inédito ao qual ÉPOCA teve acesso com exclusividade, e constitui um grave relato de interferência nas investigações, capaz de agravar a situação de Geddel. Job contou um pouco do que sabe ao delegado Marlon Cajado na Superintendência da Polícia Federal da Bahia, em Salvador, na terça-feira, dia 14, como uma mostra de boa vontade e disposição para firmar um acordo de delação premiada com a Lava Jato. A memória de Job é perigosa para Geddel e seu irmão Lúcio. Em prisão domiciliar desde setembro, o ex-­assessor pretende tornar públicas suas lembranças para se livrar da pena.

Escárnio na Alerj: a conta é do Supremo

Agência Brasil/Reprodução/Wikipedia 
Os manifestantes que protestaram nesta sexta-feira na porta do Palácio Tiradentes erraram de endereço. O lugar certo era a sede do STF, na Praça dos Três Poderes, em Brasília. O que aconteceu na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro tornou-se pedra cantada desde que o STF, há exatamente um mês, concedeu ao Poder Legislativo a prerrogativa de rejeitar medidas cautelares impostas a seus membros. A medida, feita de encomenda para que o Senado livrasse o senador Aécio Neves do afastamento do mandato e do recolhimento domiciliar noturno, hoje permitiu que três notáveis integrantes da organização criminosa que atua no Rio fossem mantidos em seus cargos: Jorge Piciani, que continuará presidindo a Alerj, e os deputados Paulo Melo e Edson Albertassi. Presos, eles poderiam ter tido a prisão desautorizada pela Alerj, como prevê a Constituição. Mas o afastamento de cada um deles do mandato só foi possível por conta da recente decisão do STF. Se ela não for revista, daqui para a frente será impossível investigar e punir ocupantes de cargos legislativos. Mais bandidos vão se empenhar na conquista de um mandato.
O episódio foi vergonhoso para os membros da Alerj em todos os detalhes: votação secreta, rito sumário e relâmpago e, do lado de fora, muita bala de borracha disparada pela polícia do governador Pezão contra os manifestantes. Pezão era diretamente interessado na reversão da punição aos aliados. Ele chegou a indicar Albertassi para o Tribunal de Contas do Estado, onde precisa desesperadamente de aliados no julgamento de ações que envolvem seu governo e o de Sérgio Cabral. 
O caso da Alerj é o mais notável, depois da decisão que beneficiou Aécio, porque envolve um dos homens mais poderosos da política do Rio, mas não é o único. Picciani, ao tornar-se cacique poderoso do PMDB do Rio, estendeu sua influência ao governo federal, nomeando seu filho Leonardo como ministro do Esporte e indicado aliados para o segundo escalão . Mas ele é, sobretudo, um “capo” da máfia fluminense, que extrai propinas de empresas que atuam como fornecedoras ou concessionárias do Estado. Os que andam de ônibus no Rio pagam um “pedágio” para estas propinas, embutido na tarifa elevada. Tudo isso faz do acontecido na Alerj algo estarrecedor, fortalecendo a convicção popular de que a impunidade continuará beneficiando os políticos. Há notícias, porém, de que no país inteiro têm ocorrido episódios semelhantes,  em que as câmaras de vereadores, principalmente, desautorizam medidas contra seus integrantes. O STF deu a senha, o Senado deu o exemplo e os outros estão seguindo.
Picciani, de todo modo, viveu seu canto do cisne, deu sua última grande demonstração de poder na Alerj. O PMDB do Rio está em vias de extinção: Cunha preso, Cabral preso, Pezão e Eduardo Paes crivados de denúncia  e Picciani no corredor da morte.  Se há um estado onde a renovação política deve ser vigorosa é o Rio.

17 novembro 2017

Jornada Matrimonial da Paróquia de Nossa senhora dos Aflitos

A Paróquia de Nossa Senhora dos Aflitos, realizará nos dias 02 e 03 de dezembro uma Jornada Matrimonial para aqueles que desejam se casar, o matrimônio é um sacramento da Igreja e o início de uma nova vida, de um projeto a dois. Não é apenas um ato social, mas um momento único de celebração da fé, onde se recebe a graça especial para a vida familiar, dando-se um ao outro com a bênção de Deus e o acolhimento da Igreja. Quem se interessar por este momento, procure a secretaria paroquial e realize a sua inscrição, nos horários: das 7h às 11h e das 13h às 17h. A Jornada Matrimonial é um requisito obrigatório para todos aqueles que desejam se casar na Igreja Católica.

Paróquia de Nossa Senhora dos Aflitos.

Programação do final de semana - 18 e 19 de novembro:

SÁBADO
*17h = Missa na comunidade rural Barra de São Pedro.
*19h = Abertura da Festa de Santa Cecília e Missa campal.
DOMINGO (Dia mundial do pobre declarado pelo Papa Francisco).
*7h = Missa na Matriz/Encerramento da semana do dízimo.
*8h às 16h = Retiro da Juventude Missionária com a Ir. Vaneci.
*8h = Batizados.
*9h = Programa "em sintonia com Deus", com o Sem. Mateus.
*9h = Formação de outros grupos de evangelização familiar no Centro Pe. João Maria com o Pe. Edson.
*10h = Equipe N. Sra. Aparecida com a Ir. Aparecida.
*10h30 = Casamento de Mateus e Ana Évora com o Pe. Edson.
*17h = Missa na comunidade rural Assembleia.
*19h = Missa campal  do Dia mundial do pobre na entrada da cidade/Criação de um movimento leigo de assistência aos pobres(VICENTINOS)e consagração dos jovens(JM).