27 maio 2017

Artistas convocam para ato pedindo Diretas Já

 

247 - Os atores Wagner Moura, Fábio Assunção, Lúcio Mauro Filho e Emanuelle Araújo e o escritor Gregório Duvivier divulgaram vídeos em suas redes sociais convocando para uma manifestação na praia de Copacabana, no Rio, no domingo às 11h. 
Manifestação terá shows de Maria Gadu, Caetano Veloso, Mart'nália e outros artistas, 
"É um momento de muita luta para todos os brasileiros", diz o global Fábio Assunção.

#minisermao (27/05/17)

Pedir é um gesto de nobreza e humildade, pois quem pede reconhece os valores que o outro tem. Precisamos do outro. Jesus ensinou a pedir e pediu também. Ele ensinou até a rezar o Pai Nosso, que contém sete pedidos. E diante daquela mulher, na Samaria, junto ao poço de Jacó, Ele pediu água. Lá na cruz Ele disse: "Tenho sede." E alguém lhe deu de beber. Jesus pedia tudo, porque reconhecia que precisava do outro, mesmo sendo Deus, precisa do outro. Deus, na Santíssima Trindade, é um Pai que precisa do Filho para ser Pai, e um Pai e um Filho que precisam do Espírito para ter paternidade e filiação. Pedir é reconhecer que somos incompletos. (Jo 16,23b-28‬)
Pe. Joãozinho, Scj.

Invoquemos o nome de Jesus em todas as situações

Tudo o que pedirmos ao Pai, em nome de Jesus, Ele há de nos conceder. "Em verdade, em verdade vos digo: se pedirdes ao Pai alguma coisa em meu nome, ele vo-la dará" (João 16,23b).
Jesus está dizendo que nós não pedimos nada ou quase nada em Seu nome. É no nome de Jesus que reside toda autoridade, no Seu nome está todo poder, todo juízo, toda bênção no Céu, na Terra e onde quer que estejamos.
O Pai colocou, no nome de Jesus, a nossa salvação, a nossa libertação, cura e vida. Por isso, o mais importante para nós é levar a vida em nome de Jesus, trazer em nós o nome d'Ele, no coração, na alma, nos gestos, nas atitudes, nos nossos lábios. em tudo aquilo que fazemos, precisamos carregar o santo nome de Jesus.
As pessoas pedem coisas em nome de terceiros e assim por diante, alguns precisam de uma mediação para conseguir alguma coisa. "Olha, estou aqui em nome de fulano". Que beleza, o nome que nós carregamos, que levamos, a autoridade que podemos ter neste mundo, vem do nome de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.
Primeiro, a nossa vida é levada na autoridade em nome de Jesus. Aquilo que fazemos é por causa do Senhor Jesus, aquilo que nós vivemos é na autoridade d'Ele, e assim o nome d'Ele vai tomando conta da nossa vida, das nossas atitudes.
Aquilo que na nossa vida parece não estar bem, entreguemos ao nome de Jesus, clamemos o nome d'Ele. Aquilo que na nossa vida parecer não estar bem, confiemos à autoridade de Jesus, confiemos ao Seu nome, porque neste nome há poder, autoridade; neste nome está a salvação que todos nós precisamos a cada dia em nossa vida. Por isso, falando bem direto ao seu coração, não tenha receio de recorrer ao nome de Jesus nem de invocar o nome d'Ele. Faça isso com mais constância e propriedade a cada momento da sua vida. Passamos por fraquezas, enfrentamos tribulações, mas não podemos passar sozinhos pelas tribulações, tentações nem dificuldades da vida.
Ao nosso lado está Jesus Nosso Senhor e Salvador! Se estamos passando por tribulações, invoquemos o nome d'Ele; se estamos vivendo momentos alegres e exultantes na vida, demos glória, exultemos e louvemos o nome de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.
Tudo o que pedirmos ao Pai, em nome de Jesus, Ele há de nos conceder. Até agora não pedimos praticamente nada no nome d'Ele. Não tenha receio, invoque o nome do Senhor Jesus, porque esse nome nos salva, levanta-nos e coloca-nos em plena comunhão com Deus.
Que o Senhor nos abençoe!
Padre Roger Araújo 

Meditando o Evangelho do dia - Sábado da 6ª Semana da Páscoa


Evangelho (Jo 16,23b-28)

O Pai vos ama, porque vós me amastes e acreditastes.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 16,23b-28.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:

"Em verdade, em verdade vos digo: se pedirdes ao Pai alguma coisa em meu nome, ele vo-la dará. Até agora nada pedistes em meu nome; pedi, e recebereis; para que a vossa alegria seja completa.

Disse-vos estas coisas em linguagem figurativa. Vem a hora em que não vos falarei mais em figuras, mas claramente vos falarei do Pai. Naquele dia pedireis em meu nome, e não vos digo que vou pedir ao Pai por vós, pois o próprio Pai vos ama, porque vós me amastes e acreditastes que eu vim da parte de Deus. Eu saí do Pai e vim ao mundo; e novamente parto do mundo e vou para o Pai".

Palavra da Salvação.

Glória a vós, Senhor.

Reflexão - Jo 16, 23-28

Jesus está prestes a cumprir plenamente a missão que lhe foi confiada pelo Pai. Ele é o verdadeiro missionário, que nos foi enviado pelo próprio Pai para realizar o grande mistério da nossa salvação. Agora que ele cumpriu a sua missão, ele volta para o Pai. Ele é para nós o grande modelo de missionário, pois também nós fomos enviados pelo Pai para participarmos da missão da Igreja, e devemos cumprir plenamente esta missão que nos foi confiada a fim de que, como o próprio Cristo, possamos, um dia, ir para um encontro definitivo com o Pai.

Lula: prefiro perder dez eleições diretas do que ganhar uma indireta

 
247 – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ironizou a posição do PSDB que, após perder quatro eleições presidenciais e promover um golpe parlamentar no Brasil, agora sonha em conquistar o poder por meio de uma eleição indireta.
"Prefiro perder dez eleições diretas do que ganhar uma indireta", disse ele, durante encontro com juristas, promovido pelo PT, segundo informa a jornalista Juliana Sofia, no Painel.
Desde que Michel Temer se tornou inviável, o PSDB já lançou nomes como Tasso Jereissati, Geraldo Alckmin e o próprio ex-presidente Fernando Henrique Cardoso para a vaga de Temer, numa disputa indireta – Lula defende diretas.
No mesmo encontro, ele também falou pela primeira vez sobre as delações da JBS; Lula chamou o empresário Joesley Batista de "bandido" e criticou os benefícios que ele obteve, que considerou um "escárnio".

Aloysio, o pitbull do Itamaraty, acusa ONU e OEA de má-fé

Jefferson Rudy/Agência Senado 
247 – O chancele de Michel Temer, Aloysio Nunes Ferreira, que é investigado por caixa dois na Lava Jato, divulgou uma nota desaforenta contra as Nações Unidas e a OEA, que condenaram o uso excessivo da força nas manifestações contra as reformas e por eleições diretas no Brasil, ocorridas na última quarta-feira.
"Causa espanto a leviandade com que o ACNUDH e a CIDH fantasiosamente querem induzir a crer que o Brasil não dispõe de instituições sólidas, dedicadas à proteção dos direitos humanos e alicerçadas no estado democrático de direito", disse Aloysio, que acusou ainda as duas entidades de má-fé.
Na nota, ele também afirmou que "o governo brasileiro atua amparado na Constituição Federal e de acordo com os princípios internacionais de proteção aos direitos humanos", quando o mundo esclarecido vê o Brasil de hoje como uma república bananeira, onde políticos corruptos promoveram um golpe parlamentar para tentar se salvar da Justiça.
Abaixo, a nota de Aloysio:
O governo brasileiro repudia, nos mais fortes termos, o teor desinformado e tendencioso do comunicado conjunto de imprensa emitido hoje pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) e pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH).
Causa espanto a leviandade com que o ACNUDH e a CIDH fantasiosamente querem induzir a crer que o Brasil não dispõe de instituições sólidas, dedicadas à proteção dos direitos humanos e alicerçadas no estado democrático de direito. A nota afasta-se dos princípios que devem fundamentar a ação desses órgãos, entre os quais o elementar respeito à verdade dos fatos. Em momento algum os autores da nota se preocuparam com a ameaça à segurança de funcionários públicos e de manifestantes pacíficos sujeitos a violência sistemática e claramente premeditada. Os eventos do último dia 24 de maio foram contaminados pela ação organizada de criminosos que depredaram os prédios dos Ministérios da Cultura, da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura, incendiando alguns, pondo em grave risco a integridade física de pessoas. A pronta resposta do governo federal, a começar pela retirada em segurança de pessoas da área conflagrada, sempre amparada na Constituição Federal e nos princípios internacionais de defesa dos direitos humanos, garantiu a integridade física de milhares de servidores públicos e de manifestantes pacíficos que foram aterrorizados por atos de vandalismo e agressão premeditada.
Em atitude que beira a má-fé, a nota evoca episódio de violência agrária no sul do Pará, que não tem qualquer relação com os acontecimentos do último dia 24 e que, além disso, já está sendo apurado por autoridade competente no quadro da legislação brasileira. Da mesma forma, o governo brasileiro lamenta que a ação das autoridades de São Paulo, que tampouco guarda relação com o ocorrido em Brasília, seja capitalizada pela nota, cinicamente e fora de contexto, para fins políticos inconfessáveis. O combate ao tráfico de drogas, bem como o apoio a dependentes químicos, enseja atuação da máxima seriedade, que é a marca das reconhecidas políticas públicas brasileiras no enfrentamento ao problema mundial das drogas.
O governo brasileiro atua amparado na Constituição Federal e de acordo com os princípios internacionais de proteção aos direitos humanos. É surpreendente e condenável que nota subjetiva e distante da realidade sacrifique o compromisso de seriedade e imparcialidade de organismos internacionais cuja ação o Brasil apoia e promove.
Leia, abaixo, reportagem de ontem sobre a posição das Nações Unidas e da OEA:
247 - O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, por meio do seu Escritório Regional para América do Sul, condenou o que chamou de uso "excessivo da força por parte da Polícia Militar para reprimir protestos e manifestações no Brasil", em referência ao aparato utilizado para reprimir a manifestação da última quarta-feira (24) em Brasília, quando mais de 45 pessoas ficaram feridas, uma delas atingida por um disparo de arma de fogo. A entidade criticou, ainda, a ação realizada no domingo (221), na Cracolândia, em São Paulo. A ONU também teceu duras críticas a violência policial em ações urbanas e em conflitos agrários
"Durante as manifestações, ocorreram atos de violência, incluindo o incêndio e a depredação de equipamentos públicos", disse a ONU or meio de um comunicado. "Do mesmo modo, reportou-se que a Polícia Militar utilizou gases pimenta, lacrimogêneo e balas de borracha para reprimir os protestos", completou em seguida.
"Instamos o Estado brasileiro a redobrar seus esforços para promover o diálogo e proteger o direito à manifestação pacífica", pediu o secretário regional, Amerigo Incalcaterra. "A manifestação pacífica é uma forma de participação própria das sociedades democráticas, em que as pessoas podem exigir seus direitos humanos e exercer ativamente suas liberdades de opinião e de expressão", ressaltou.
O representante da ONU também condenou a ação do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), visando a desocupação da cracolândia. "De acordo com a informação recebida, a operação teria incluído a demolição de um prédio que estava ocupado, o despejo de moradores e comerciantes da Cracolândia e o uso de bombas de gás e balas de borracha para reprimi-los", o que teria resultado em uma "profunda preocupação pelo uso excessivo da força por parte das forças de segurança do Estado brasileiro", ressalta o documento.

26 maio 2017

Defesa de Aécio diz que cx2 não significa caixa 2

 
Minas 247 – Após a Polícia Federal informar ter encontrado a inscrição "CX 2" em anotações do material apreendido na busca e apreensão nos endereços do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG), a defesa do tucano alegou que inscrição não é indício de ilegalidade.
"Asseguramos que uma eventual referência a CX 2 não significa qualquer indício de ilegalidade", afirma nota do advogado Alberto Zacharias Toron. A inscrição poderia indicar alguma referência a Caixa 2.
Além da planilha de "CX2", foram apreendidos documentos que indicam que Aécio vinha nomeando comissionados em vários cargos federais, uma anotação na agenda sobre a reunião com o empresário Joesley Batista, que pagou propina de R$ 2 milhões ao senador mineiro, e também um papel que indica proximidade com um doleiro especializado em abrir contas de políticos no exterior (leia aqui).

Decreto mostra que o golpe precisa de ditadura

 
"Governo Cerca Brasília", essa foi a manchete do Jornal do Brasil do dia 19 de abril de 1984.
O general João Batista Figueiredo, que preferia o cheiro dos cavalos ao cheiro do povo, havia decretado estado de emergência no Distrito Federal, nove municípios do seu entorno e Goiânia. O medo de Figueiredo, ditador em seus estertores, era com a votação da Emenda das Diretas Já, que seria apreciada em uma semana. Figueiredo queria impedir que ocorressem manifestações pró-Diretas em Brasília. Assim, cercou a capital e nomeou o general Newton Cruz, comandante militar do Planalto, como executor das medidas.
Durante uma semana, Newton Cruz desfilou com seu cavalo branco e suas tropas pela Esplanada de Ministérios, em encenação burlesca, típica de republiqueta bananeira. Quando houve um buzinaço de protesto contra a ditadura moribunda, Newton Cruz, o folclórico Nini, saiu pela Esplanada distribuindo chicotadas e chutes nos carros. Um episódio grotesco que desnudou o arbítrio ridículo da ditadura na UTI.
O então presidente do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, vaticinou: "o governo assinou seu atestado de óbito".
Temer, que, segundo os procuradores, parece preferir o cheiro de notas de reais ao cheiro do povo, é um Figueiredo piorado. Como ele, é o titular de um governo agonizante, que não tem mais nenhuma popularidade, legitimidade ou credibilidade. Como Figueiredo, Temer tentou verti-se de autoridade, mas saiu coberto de vergonha.
Mas, ao contrário dele, não tem força para manter suas decisões e oscila, cambaleante, ao sabor das pressões e das conveniências. O uso anacrônico da mesóclise não o torna respeitável, apenas um tanto ridículo.
Aconselhado de modo beócio por Jungmann e Etchegoyen, Temer cometeu seu derradeiro erro de uma série infindável. O vergonhoso decreto que, 33 anos depois de Figueiredo, sitiou de novo a democracia brasileira, revogado menos de 24 horas depois, apenas isolou-o ainda mais e agravou a crise institucional terminal. Só faltou desfilar de cavalo branco pela Esplanada, como general caricato de republiqueta. Patético.
Felizmente, as Forças Armadas democráticas se distanciaram rapidamente do enredo burlesco e vergonhoso concebido pelo governo golpista.  
Mas há muitas coisas a serem explicadas. Rodrigo Maia, presidente da Câmara pediu a ação da Força Nacional, especializada em controle de distúrbios, mas Temer preferiu convocar as tropas para “demonstrar força”. A Lei Complementar nº 97, de 1999, que regula o emprego das Forças Armadas nesses casos, prevê que o emprego das forças somente poderá de dar em caso de reconhecimento, pelo Chefe de Poder Estadual, de que os recursos para cumprir a missão constitucional de prover segurança estão indisponíveis ou são inexistentes ou insuficientes, o que, segundo o governador do DF, não ocorreu.
Assim, tudo indica que o decreto, além de vergonhoso, foi ilegal e inconstitucional. O fato de ter sido revogado em poucas horas, face à péssima repercussão, não suprime o crime de responsabilidade cometido.
Entretanto, há uma faceta sombria por trás desse enredo caricato e burlesco. É evidente que os distúrbios foram provocados por poucas dezenas de agitadores profissionais que, de forma estranha, não foram contidos pela polícia. A repressão centrou-se nos trabalhadores pacíficos que vieram de longe, com muito sacrifício, para tentar manter seus direitos ameaçados pela implosão trabalhista do golpe. O carro de som, onde estavam senadores, deputados e outras lideranças também foi alvo preferencial da PM, enquanto os provocadores depredavam ministérios sem serem incomodados.
Saliente-se que os serviços de inteligência do governo já haviam advertido as autoridades do DF sobre a alta probabilidade de que grupos de “black blocs” se aproveitariam da ocasião para promover violência e distúrbios.
Ante isso, restam apenas duas conclusões: ou a polícia do DF é inteiramente incompetente para lidar com distúrbios de rua, hipótese pouco provável, ou o vandalismo foi incitado por agentes infiltrados, de modo a criar um pretexto para a edição do decreto que sitiou a democracia do Brasil.
A provável confirmação da segunda hipótese demonstraria algo que a oposição vem denunciando há tempos: o golpe criou um Estado de exceção destinado a reprimir, com violência, os protestos dos trabalhadores e dos movimentos que se opõem à quebra democrática e ao desmonte dos direitos sociais duramente conquistados ao longo de décadas.
A dura repressão contra protestos pacíficos de estudantes e trabalhadores tornou-se norma, assim como se tornou prática corrente o Estado infiltrar provocadores nesses movimentos. Os massacres e assassinatos de indígenas e trabalhadores rurais voltaram a se tornar uma macabra rotina.
O golpe inaugurou uma verdadeira guerra contra os pobres. Guerra que atinge seus direitos civis, sociais e, nos casos extremos, o direito à vida.
E essa guerra tende a se intensificar, com ou sem Temer, com a continuidade do golpe.
O fundamental, para os mentores do golpe, é que as “reformas”  antipopulares e antinacionais continuem. O fundamental é que as taxas de lucro sejam recompostas à custa dos pobres e dos trabalhadores. O fundamental é vender patrimônio público, inclusive o pré-sal e as terras, em grandes negociatas. O fundamental é a dar continuidade ao austericídio, retirando dinheiro dos serviços públicos para assegurar a renda do setor financeiro. E o país, a democracia e seu povo que se danem.
Nesse contexto de baixíssima credibilidade das instituições, extrema impopularidade do governo golpista, crise econômica e política profunda, a única coisa que pode dar continuidade ao golpe e às suas “reformas” desumanas e impopulares é a força repressiva do Estado.
A eleição indireta, por um Congresso desmoralizado, de alguém como Jobim, por exemplo, não resolveria nada. O fato é que, com ou sem Temer, com Jobim ou sem Jobim, o golpe, para continuar até 2018, terá de investir cada vez mais na repressão contra trabalhadores, opositores, movimentos sociais e pobres em geral. O Estado de exceção tende a se intensificar. Tende a virar ditadura pura e simples.
O caldo de cultura apropriado para o autoritarismo escancarado já existe. As instituições políticas e o sistema de representação estão desmoralizados. E a classe política foi toda ela criminalizada. Tudo isso somado à pior crise econômica da nossa história aponta para as trevas. Na Alemanha da década de 1920, a situação era muito semelhante. Deu no que deu.
Não, não teríamos um novo Hitler, embora Bolsonaro esteja em segundo lugar nas pesquisas. Mas poderíamos ter um presidente eleito indiretamente que governe com mão-de-ferro, utilizando, com o apoio do judiciário, da mídia e do grande capital, os mecanismos de intervenção previstos na Constituição.
Assim como há formas de se dar um golpe com aparência de legalidade, pode-se construir uma ditadura com aparência de constitucionalidade e normalidade.
Nesse sentido, o decreto vergonhoso pode ter sido não apenas um gesto de desespero de um presidente moribundo, mas também um balão de ensaio para testar o aprofundamento do Estado de exceção, fundamental para a continuidade do golpe.
Dessa vez, não vingou. Mas será que, com outro presidente e com a crise a se agravar, a manobra não teria tido sucesso? A mídia golpista está jogando todo o seu peso na criminalização dos sindicatos e dos movimentos sociais. Em pouco tempo, a opinião pública será conduzida a acreditar que a recuperação econômica não vem por causa dos trabalhadores e da oposição, que resistem às “reformas”. Aí, tudo será possível.
O golpe destruiu a economia, o sistema de representação, as instituições democráticas e a política. Só lhe restou o uso da força.
Se o país não fizer um pacto pelas eleições diretas, virá coisa pior do que já está aí. Muito pior.
Hoje, contamos direitos perdidos. Amanhã, poderemos contar presos e cadáveres.

Cai a casa de Aécio: PF apreende documentos de caixa dois e doleiro

 
Minas 247 – Complica-se a situação do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG), que liderou o golpe parlamentar de 2016 e é o principal responsável pela crise política e econômica atravessada pelo Brasil.
Na operação de busca e apreensão realizada em seus endereços, a PF encontrou documentos com anotações referentes a caixa dois, uma agenda que confirma o encontro com o empresário Joesley Batista, da JBS, e até mesmo papéis que o aproximam de um doleiro, chamado Norbert Muller, especializado na abertura de contas para políticos.
O procurador-geral Rodrigo Janot já pediu a prisão de Aécio, numa decisão que será tomada pelo plenário do Supremo Tribunal Federal.
As informações são da jornalista Carolina Brígido. "A Polícia Federal apreendeu no apartamento do senador Aécio Neves (PSDB-MG) uma série de papéis e objetos — entre eles, 'diversos documentos acondicionados em saco plástico transparente, dentre eles um papel azul com senhas, diversos comprovantes de depósitos e anotações manuscritas, dentre elas a inscrição 'cx 2', conforme indica ao relatório dos investigadores enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF)", informa a jornalista.
"A PF também encontrou no gabinete de Aécio 'folhas impressas no idioma aparentemente alemão, relativo a Norbert Muller'. De acordo com outras investigações, Muller era um doleiro especializado em abrir contas no exterior para políticos (...) Num outro papel manuscrito, havia anotações citando 'ministro Marcelo Dantas', em possível alusão ao ministro Marcelo Navarro Ribeiro Dantas, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), investigado no STF por tentativa de obstruir as investigações da Lava-Jato."
Confira, abaixo, a relação de obras de arte apreendidas:

Paróquia de Nossa Senhora dos Aflitos - Jardim de Piranhas

Programação para o final de semana (27 e 28/05/2017): 
Sábado:
° 9h= Missa das crianças na Matriz;
° 17h= Missa na Capela da Barra de São Pedro;
° 19h= Missa na Matriz.
Domingo:
° 7h e 19h= Missa na Matriz;
° 8h= Batizados na matriz;
° 9h= Missa das crianças na Capela de Santa Cecília;
Programa "em sintonia com Deus" na Vale do Piranhas.
° 17h= Missa na Capela de São José na Assembleia.

O nosso conforto é a alegria que vem do coração de Deus

Que essa alegria tome conta de cada um de nós, que ela seja o combustível que move nossa vida a cada dia. "Também vós agora sentis tristeza, mas eu hei de ver-vos novamente e o vosso coração se alegrará, e ninguém vos poderá tirar a vossa alegria" (João 16,22).
Jesus continua nessa oração, nesse ensinamento que consiste a Sua partida deste mundo. Ele está falando diretamente aos Seus discípulos. É um Pai que está falando com Seus filhos; um Mestre que está falando com Seus seguidores. Jesus sabe que a ausência d'Ele causará uma certa tristeza momentânea, e é assim que acontece conosco quando alguém querido e importante para nós fica enfermo, e logo se atenta à possibilidade de essa pessoa partir do meio de nós.
Ninguém gosta de pensar que pessoas queridas sairão do nosso meio, mas é uma verdade que não podemos ignorar, fazer de conta que não existe. Na verdade, não são apenas as pessoas queridas, pois cada um de nós teremos o momento da nossa partida. É mais do que compreensível que o coração sinta a dor daquele que parte, por mais que a realidade espiritual nos console, motive-nos e nos fortaleça, sentimos uma certa tristeza. É importante que toda e qualquer tristeza seja momentânea, pois nenhum de nós, discípulos de Jesus, pode ter tristezas eternas. A única tristeza eterna, que dura e permanece, é a tristeza de não ser de Deus, é a tristeza de viver longe d'Ele.
É bonito até o que Jesus fala, dando o exemplo da mulher grávida quando ela está para dar à luz. É aquela dor momentânea que ela sente quando o filho sai dela, quando está no parto para ter o filho, mas aquela dor, por maior que seja, é momentânea. Quando vem a alegria da criança nasce, e a mãe até se esquece da dor que teve.
Assim é nossa vida, temos tribulações, passamos por necessidades e sofrimentos, mas é uma proporção ínfima, pequena diante da alegria que nos espera de sermos gerados para a eternidade. Por isso, a Palavra de Deus, no meio de nós, é um consolo em primeiro lugar, consolo para nossa alma, para nosso coração, para as tristezas e aflições que, muitas vezes, visitam-nos, mas ela é também para nós um exorcismo para que exorcizemos, retiremos e sepultemos tantas tristezas que se apossaram da nossa alma e do nosso coração.
Não temos o direito de viver na tristeza nem de acumular tristezas. Podemos passar por momentos de tristeza, mas a alegria que vem do coração de Deus, não só consola, mas quebra, afugenta e manda para longe de nós tudo aquilo que nos causa tristeza nessa vida.
Ainda que tenhamos dores que doam demais, que machuquem demais o nosso coração, o nosso consolo, o nosso conforto é a alegria que vem do coração de Deus. Que essa alegria tome conta de cada um de nós, que ela seja o combustível que move a cada dia nossos atos, atitudes e a nossa vida!
Deus abençoe você! 
Padre Roger Araújo

Meditando o Evangelho do dia - 6ª-feira da 6ª Semana da Páscoa - Memória de S. Filipe Néri, presbítero

Evangelho (Jo 16,20-23a)

Ninguém vos poderá tirar a vossa alegria.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 16,20-23a.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
"Em verdade, em verdade vos digo: Vós chorareis e vos lamentareis, mas o mundo se alegrará; vós ficareis tristes, mas a vossa tristeza se transformará em alegria. A mulher, quando deve dar à luz, fica angustiada porque chegou a sua hora; mas, depois que a criança nasceu, ela já não se lembra dos sofrimentos, por causa da alegria de um homem ter vindo ao mundo.
Também vós agora sentis tristeza, mas eu hei de ver-vos novamente e o vosso coração se alegrará, e ninguém vos poderá tirar a vossa alegria. Naquele dia, não me perguntareis mais nada".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão - Jo 16, 20-23a
Nós hoje sentimos uma série de tristezas, que são causadas por causa dos acontecimentos do nosso tempo que se constituem em negação dos valores do Reino de Deus e que, além de trazer muito sofrimento para a humanidade, principalmente para os mais pobres e desvalidos, exigem de nós um testemunho corajoso de Jesus e do seu Evangelho, o que nem sempre é fácil porque na verdade somos fracos na fé. Mas devemos nos consolar e encontrar forças para esse testemunho a partir da promessa que nos é feita por Jesus no Evangelho de hoje, pois veremos Jesus e isso nos encherá de uma alegria que não nos pode ser tirada e nos levará ao pleno conhecimento da verdade.

Temer confirma ter se encontrado com homem da mala da JBS

 
247 - Michel Temer admitiu ter se encontrado com o "homem da mala" do grupo JBS, Ricardo Saud. O
Apesar de confirmar as reuniões, a assessoria do presidente não mencionou quantas vezes elas ocorreram. "Poucas vezes, mas não chegaram a sete como ele afirmou", diz em nota.
Saud, que ocupava o cargo de diretor de Relações Institucionais do grupo JBS, disse em acordo de delação premiada ter se encontrado sete vezes com Temer em 2014.
"De acordo com o depoimento prestado pelo executivo ao Ministério Público Federal, as reuniões ocorreram entre julho e outubro de 2014, em três endereços: na vice-presidência, no Palácio do Jaburu e no escritório de Temer, em São Paulo.
Saud narrou que, nesses encontros, foram tratados repasses para o PMDB em meio às eleições daquele ano.
Ele afirmou ainda que Temer teria pedido R$ 1 milhão para ele próprio. O valor teria sido entregue em dinheiro na Argeplan Arquitetura e Engenharia, que tem como sócio o coronel aposentado João Baptista Lima, amigo de Temer.
O delator contou também ter tratado com Temer o repasse de outros R$ 14 milhões a seus aliados do PMDB.
Saud entregou ao deputado Rocha Loures (PMDB-PR) uma mala com R$ 500 mil em dinheiro. A entrega foi filmada pela Polícia Federal em uma ação como parte do acordo de delação dos irmãos Batista."

25 maio 2017

Temer trama para adiar sua "morte" no TSE

 
247 - Investigado por corrupção, organização criminosa e obstrução judicial, além de alvo de 14 pedidos de impeachment, Michel Temer tenta tirar uma nova carta da manga para se manter no cargo – e garantir seu foro privilegiado.
Segundo o colunista Josias de Souza, ele articula o apoio de um ministro no Tribunal Superior Eleitoral, que pediria vistas e adiaria o julgamento previsto para 6 de junho.
"Prevalecendo a tática de Temer, o desfecho pode ser jogado para as calendas, pois não há prazo para a devolução do processo. Deve-se a tentativa de fuga à reversão do placar. Planalto contava com uma vitória apertada: 4 a 3. Passou a recear uma derrota pelo mesmo placar", diz Josias.
"Resta saber se haverá no TSE um ministro com disposição para entrar num jogo de empurra que permitirá a Temer voltar a confiar no amanhã, desde que não se descubra mais nada contra ele durante à noite", acrescenta. 
A queda pelo TSE vinha sendo tratada pelo PSDB como a "saída honrosa" para Temer, mas ele pretende lutar para ficar, mesmo sendo rejeitado por 95% dos brasileiros.

Moro absolve Cláudia Cruz na Lava Jato

 
Paraná 247 - Contrariando as expectativas, o juiz Sérgio Moro absolveu nesta quinta-feira, 25, a jornalista Cláudia Cruz, mulher do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) dos crimes de lavagem de dinheiro e de evasão fraudulenta de divisas, no âmbito da operação Lava Jato.
Segundo Moro, faltou 'prova suficiente de que (Cláudia Cruz) agiu com dolo' ao manter conta na Suíça com mais de US$ 1 milhão, dinheiro supostamente oriundo de propina recebida pelo marido. "Absolvo Cláudia Cordeiro Cruz da imputação do crime de lavagem de dinheiro e de evasão fraudulenta de divisas por falta de prova suficiente de que agiu com dolo", assinalou Moro.
Segundo a denúncia do Ministério Público Federal, Cláudia Cruz era a única controladora da conta em nome da offshore Köpek, na Suíça, por meio da qual pagou despesas de cartão de crédito no exterior em montante superior a US$ 1 milhão num prazo de sete anos (2008 a 2014)'.
O Ministério Público Federal apontou que o valor de US$ 1 milhão gasto por Cláudia é 'totalmente incompatível com os salários e o patrimônio lícito de seu marido'. Quase a totalidade do dinheiro depositado na Köpek (99,7%) teve origem nas contas Triumph SP (US$ 1.050.000,00), Netherton (US$ 165 mil) e Orion SP (US$ 60 mil), todas pertencentes a Eduardo Cunha.
Na mesma ação, também eram réus Jorge Luiz Zelada, ex-diretor da Área Internacional da estatal petrolífera, pelo crime de corrupção passiva; João Augusto Rezende Henriques, operador que representava os interesses do PMDB no esquema, por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas; e Idalecio Oliveira, empresário português proprietário da CBH (Companie Beninoise des Hydrocarbures Sarl), pelos crimes de corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

Dino: saída é diálogo entre Lula e FHC, com pausa nas reformas

 
247 – Uma das vozes mais sensatas da política brasileira, o governador do Maranhão, Flávio Dino, do PCdoB, aponta uma saída para o impasse brasileiro: o afastamento de Michel Temer e um diálogo PT-PSDB em busca de uma solução institucional, com pausa nas reformas trabalhista e previdenciária, até que o Brasil tenha um governo legitimado pelo voto.
"O único caminho que enxergo para a política é um acordo PT-PSDB, Lula e Fernando Henrique numa mesa. Neste momento de muita precarização da política, uma conversa direta seria um fato altamente positivo, uma mensagem importante de busca de recomposição da institucionalidade", disse ele, em entrevista à BBC.
Embora defenda diretas-já, Dino considera esse cenário pouco provável. "Só haverá eleição direta havendo mobilização popular nessa direção. E esse é um ponto de interrogação muito mais do que qualquer juridiquês. Se não houver mobilização popular, é muito difícil o Congresso ou o TSE ir para esse caminho, porque se choca com o desejo meio que universal da classe política, da elite, de um certo nível de estabilidade. A classe social dominante não quer eleição direta agora."
Ele afirma ainda que Michel Temer se isolou completamente ao convocar as Forças Armadas. "Acho que o efeito principal foi ampliar o isolamento do Temer, o fragilizou, sobretudo pela medida equivocada de convocar o Exército. Quando você vai para o extremo, é lógico que você constrói isolamento, até pelo modo como foi anunciado, muito atabalhoado, dizendo que foi pedido pelo Rodrigo Maia, mas não foi."
Na entrevista, Dino fez ainda uma defesa do ex-presidente Lula e afirmou que ele é quem mais tem legitimidade para conduzir a repactuação do País. "De todas as grande lideranças nacionais, é quem tem maior legitimidade para tentar reconduzir uma repactuação do país. Lula não é bom só para a esquerda, é bom para todo mundo que acredita na democracia política. Ele pode, ao fazer um governo de diálogo como fez no passado, conduzir um caminho que não seja de confrontação, que ao meu ver foi o grande erro do Michel. O Michel veio adotar uma agenda de mais confronto e, portanto, de mais isolamento social. Qual é o problema dele? As denúncias, a gravação, claro, e ter só 4% de aprovação. Você já pega um país dividido, polarizado, e vai para um caminho de venezualização, de radicalização. Deu no que deu."
O risco, afirma Dino, é Lula vir a ser impedido de disputar as próximas eleições por razões judiciais. "Em condições normais não haveria tempo nem em 2018, mas a gente não vive condições normais. De fato a Justiça se politizou, se partidarizou muito, me refiro ao sistema de Justiça como um todo, abrangendo polícia, Ministério Público. Então, é muito difícil fazer análise política sem levar em conta esse ingrediente".

#minisermao (25/05/17)

O tempo é um dom precioso que não se pode medir em minutos e segundos; um instante pode esconder a eternidade. E então Jesus disse: "Um pouco de tempo e já não me vereis; mais um pouco de tempo e me vereis de novo." E, claro, todos começaram a perguntar: "Quanto tempo? Quanto tempo vai levar para Ele voltar?" Mas as coisas de Deus, não se medem pela quantidade, mas pela qualidade; e a qualidade do tempo é dada pelo encontro, pelo abraço, pelo afeto. Quando nós encontramos Deus, o tempo para e a história se transforma em eternidade. (Jo 16,16-20)
Pe. Joãozinho, Scj

O Senhor transforma nossa tristeza em alegria!

A graça de Deus, no meio de nós, é transformar aquilo que é nossa tristeza na verdadeira alegria. "Vós chorareis e vos lamentareis, mas o mundo se alegrará; vós ficareis tristes, mas a vossa tristeza se transformará em alegria" (João 16,20).
Veja o paradoxo que Jesus está apresentando a partir da Sua partida deste mundo. Essa maravilhosa oração que Ele faz, no capítulo 16 do Evangelho de São João, mostra-nos Jesus se despedindo dos Seus, mas, ao mesmo tempo, preparando-os para o que vai acontecer.
De fato é assim, toda partida gera uma tristeza, alegra-se quem não gosta daquele que está partindo. Por isso, Jesus está dizendo que o mundo se alegrará com a Sua partida. Que mundo se alegra com a partida de Jesus, com a saída d'Ele do nosso meio? O mundo que não O acolheu, não O aceitou nem O reconheceu como Senhor e Salvador.
Do mesmo modo, nos dias de hoje, alegram-se aqueles que veem o nome de Jesus ser deixado de lado, alegram-se todas as vezes que o nome de Jesus é desrespeitado, que a Sua Igreja é atacada e assim por diante. Há uma falsa alegria no mundo, alegria de rejeitar a Deus, de não aceitar a salvação que Ele nos trouxe, a alegria de viver uma vida dissipada no erro, na ignorância, vivendo cada um o seu bel-prazer.
É uma tristeza para o coração daquele que tem Jesus como seu Senhor e Salvador não viver de acordo com a vontade de Deus. Há uma tristeza de reconhecer os próprios pecados e limites; há uma tristeza que toma conta do nosso coração ao ver o mundo tão fragilizado e distante da vontade de Deus.
Veja, a graça de Deus no meio de nós é transformar aquilo que é nossa tristeza na verdadeira alegria, pois o Senhor que foi voltou e está no meio de nós. Mesmo que, muitas vezes, fiquemos distantes d'Ele, Ele jamais fica distante de nós!
Se tem alguma coisa entristecendo o nosso coração, causando preocupação e uma certa amargura na nossa alma, permitamos que o Senhor transforme a nossa tristeza em alegria, permitamos que o nosso pranto seja transformado na verdadeira alegria de ser discípulo de Nosso Senhor Jesus Cristo, alegremo-nos com Ele, com a Sua presença viva e real no meio de nós, ainda que tenhamos muitos motivos para nos entristecer e nos preocuparmos, muitos motivos que tiram momentaneamente a alegria do nosso coração.
Há uma alegria maior, que vem do coração de Deus, se permanecermos n’Ele nada a tirará de nós. Podemos passar por momentâneas situações, mas a alegria que vem do coração de Deus ninguém pode nos roubar.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo 

Meditando o Evangelho do dia - 5ª-feira da 6ª Semana da Páscoa

Evangelho (Jo 16,16-20)

Vós ficareis tristes, mas a vossa tristeza se transformará em alegria.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 16,16-20.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: "Pouco tempo ainda, e já não me vereis. E outra vez pouco tempo, e me vereis de novo". Alguns dos seus discípulos disseram então entre si: "O que significa o que ele nos está dizendo: 'Pouco tempo, e não me vereis, e outra vez pouco tempo, e me vereis de novo', e: 'Eu vou para junto do Pai?'".
Diziam, pois: "O que significa este pouco tempo? Não entendemos o que ele quer dizer". Jesus compreendeu que eles queriam interrogá-lo; então disse-lhes: "Estais discutindo entre vós porque eu disse: 'Pouco tempo e já não me vereis, e outra vez pouco tempo e me vereis?'
Em verdade, em verdade vos digo: Vós chorareis e vos lamentareis, mas o mundo se alegrará; vós ficareis tristes, mas a vossa tristeza se transformará em alegria".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão - Jo 16, 16-20
Um pouco de tempo e os discípulos não verão mais Jesus, porque o mistério da cruz está próximo, e com ele, a morte e a separação. E mais um pouco e me vereis de novo, ou seja, todos os que acreditam farão a experiência do Ressuscitado, viverão sempre na sua presença, de modo que a tristeza da separação dará aos que têm fé lugar a uma alegria que jamais poderá ser tirada. Porém, por causa dos que não acreditam e por causa também dos nossos pecados, deveremos passar por diversas tribulações, mas, por piores que sejam, elas não podem vencer quem crê verdadeiramente.

Temer é rejeitado por 95% dos brasileiros e 99% dos nordestinos

REUTERS/Ueslei Marcelino 
247 - Depois de ser flagrado pelo empresário Joesley Batista avalizando diversos casos de corrupção, Michel Temer chegou ao fundo do poço na avaliação dos brasileiros. 
Os índices de aprovação do governo, que sempre foram baixos, chegaram ao fundo do poço.
Pesquisas e sondagens feitas pelo governo federal na internet mostram que a maioria dos brasileiros rejeita o peemedebista.
Os levantamentos indicam que a situação de Temer nas redes piora a cada dia. Até mesmo os antigos defensores do governo entre os chamados formadores de opinião sumiram, salvo raras exceções.
Pesquisas de opinião mostram que hoje 95% dos brasileiros fazem uma avaliação negativa de Temer; em algumas regiões metropolitanas do Nordeste do país, segundo outras sondagens, esse índice chega a 99%
Sondagens feitas com formadores de opinião, como empresários e executivos, também revelam descrença cada vez maior na continuidade do governo.

Janot abrirá novo inquérito contra Temer por esquema nos portos

 
247 - A Procuradoria-Geral da República deve pedir a abertura de um novo inquérito contra Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) com o presidente Michel Temer.
A suspeita é de tráfico de influência para beneficiar a Rodrimar, empresa que opera no porto de Santos e foi alvo de buscas da Polícia Federal na semana passada.
"Os procuradores acreditam que já reuniram indícios para investigar Loures. Eles examinam papéis apreendidos na sede da empresa para decidir se é o caso de incluir Temer no inquérito.
Temer foi gravado quando dava informações ao aliado sobre um decreto que ele assinaria seis dias depois. A medida beneficiaria concessionárias de portos, que tiveram suas concessões renovadas por 35 anos, sem licitação.
Após a conversa, Loures repassou as informações a um interessado no decreto: Ricardo Conrado Mesquita, diretor da Rodrimar. O executivo festejou a notícia e disse que o deputado afastado seria "o pai da criança".
A conversa interceptada pela PF ocorreu em 4 de maio, quando Loures ligou para o Planalto e foi atendido por Temer. O telefone do deputado afastado estava grampeado com autorização judicial.
Temer avisou a Loures que o decreto dos portos seria assinado na quarta-feira seguinte. Também contou que as concessões de 35 anos teriam o prazo dobrado, chegando a 70 anos de duração.
'Aquela coisa dos 70 anos lá para todo mundo parece que está acertando aquilo lá', disse Temer".

24 maio 2017

Exército abandona Temer, que já cogita recuar e anular decreto

 
247 - O comandante do Exército, general Eduardo da Costa Villas Bôas, assegurou nesta quarta-feira 24 que as Forças Armadas iriam agir respeitando a Constituição e garantindo a democracia após o decreto assinado por Michel Temer que determina o uso das Forças Armadas para garantir a lei e a ordem no Distrito Federal.
O decreto foi anunciado pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann, e pelo general Sergio Etchegoyen, do Gabinete de Segurança Institucional, que também o assinaram, durante manifestação em Brasília que pedia a rejeição das reformas trabalhista e da previdência, propostas pelo governo federal, e defendia eleições diretas para presidente. Um grupo de mascarados jogou pedras e colocou fogo nos prédios de alguns ministérios e atacaram policiais.
Villas Bôas avaliou que a polícia tem capacidade de garantir a ordem. "Acredito que a polícia deva ter ainda a capacidade de preservar a ordem. Ficamos em uma situação de expectativa caso algo fuja ao controle", declarou a jornalistas após uma palestra sobre defesa nacional na Fundação Fernando Henrique Cardoso, em São Paulo.
Diante de uma série de críticas sobre o decreto - senadores já entraram com um pedido para suspendê-lo, Temer já cogita revogá-lo se as manifestações contra suas reformas em Brasília estiverem mais calmas até o fim da noite.
O general também reafirmou o compromisso com a democracia. "Tanto as forças de segurança pública quanto as Forças Armadas estão empenhadas na preservação da democracia, na observância da Constituição e no perfeito funcionamento das instituições nacionais, a quem cabe encontrar o caminho para a solução dessa crise. Mas a nossa democracia não corre risco", afirmou.
Villas Bôas afirmou ainda que o clima no comando da instituição e no Palácio do Planalto é de "choque" e "muita insegurança" após as denúncias do empresário Joesley Batista, da JBS, envolvendo Temer.

Congresso pode sustar decreto da ditadura Temer

 
Brasília 247 – O Congresso Nacional pode aprovar nas próximas horas um decreto que susta a decisão tomada por Michel Temer de colocar as Forças Armadas nas ruas do Distrito Federal por uma semana.
A iniciativa foi tomada pela senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e busca apoio de líderes para ser levada à CCJ.
Como só o Congresso tem poder para barrar atos autoritários do Poder Executivo, ela lembra que nos momentos históricos em que este primado foi ignorado, o Brasil mergulhou na longa noite do arbítrio.
Ao pedir socorro às Forças Armadas, Michel Temer, investigado por corrupção, acionou o mesmo dispositivo usado na ditadura militar de 1964 (leia aqui).
Seu ministro da Defesa, Raul Jungmann, também mentiu ao dizer que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), havia pedido apoio das Forças Armadas (leia aqui).
A decisão de Temer também estarreceu o Supremo Tribunal Federal (leia aqui) e a grande dúvida é: os militares irão socorrer um governo com um "presidente" e nove ministros investigados por corrupção?
Abaixo, a proposta de decreto do Congresso Nacional que pode sustar a ditadura Temer:
Clique na foto para visualizar melhor


Ministro de Temer atribui incêndio de 2005 a manifestantes

 
247 - O ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, publicou nas redes sociais uma imagem de um edifício em chamas atribuindo o caso aos manifestantes que protestavam contra as reformas do governo em Brasília nesta quarta-feira 24.
A foto, porém, é de um incêndio ocorrido em 2005 em um prédio do INSS, e não ao prédio do Ministério da Agricultura, que foi alvo de vândalos hoje, inclusive com fogo, mas teve o incêndio controlado já no primeiro pavimento.
"Punição tem que ser exemplar para quem faz isso quem lidera", cobrou Terra ao postar a fraude.

CUT celebra 'maior marcha da história' e condena repressão de Temer

 
247 - A Central Única dos Trabalhadores, maior central sindical do Brasil, condenou a repressão das manifestações desta quarta-feira (24), em Brasília, pelo governo Temer. Confira a íntegra da nota publicada pela CUT:
Maior Marcha da história
200 mil em Brasília por Nenhum direito a menos!
Fora Temer!
Diretas já!
O eixo monumental de Brasília foi tomado por 200 mil manifestantes que protestaram de forma pacífica contra as reformas trabalhista e da Previdência exigindo a retirada imediata das propostas do Congresso, recusaram o "golpe dentro do golpe" com eleição indireta de presidente, defenderam que a palavra tem que ser dada ao povo soberano em eleições diretas já!
A participação da CUT, em unidade com todas as centrais, foi importante para o sucesso do Ocupa Brasília.
Mas, quando o início da Marcha chegou próximo ao Congresso Nacional, o Estado mostrou sua falta de preparo para receber uma manifestação democrática e a polícia, mais uma vez, agiu de forma repressora como sempre faz em atos de trabalhadores e trabalhadoras, que hoje, em Brasília, exerciam seu legítimo direito de manifestação. Milhares de mulheres, homens, jovens e crianças foram recebidos com balas de borracha e gás lacrimogêneo.
Temer se aproveitou disso para invocar as Forças Armadas para a defesa da "ordem", lembrando os piores momentos da ditadura militar.
A CUT e as demais centrais não vão esmorecer na luta em defesa dos direitos e da democracia, devendo reunir-se para discutir a continuidade da luta e, continuando a tramitar as reformas, adotar o chamado a uma nova greve geral maior do que paralisou o Brasil em 28 de abril.
A luta continua
Nenhum direito a menos
Fora Temer
Diretas já