Nos nossos dias a coisa se inverteu; é preciso deixar uma ovelha na Igreja e ir em busca das noventa e nove perdidas por aí. Na parábola de Jesus havia noventa e nove no aprisco e era preciso buscar uma ovelha perdida, hoje são tantos jovens perdidos na droga, em ideologias que roubam o coração de nossa juventude, em ideias confusas, em doutrinas estranhas, em religiões vazias, em políticas agressivas, são várias as formas de estar perdido; é preciso levar a pessoa de Jesus onde quer que haja um jovem, uma ovelha perdida, porque o céu se alegra quando esta ovelha é encontrada. (Mt 18,12-14)
Pe. Joãozinho, scj

Evangelho (Mt 18,12-14)

Deus não deseja que se perca nenhum desses pequeninos.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 8,12-14

Naquele tempo disse Jesus a seus discípulos: Que vos parece? Se um homem tem cem ovelhas, e uma delas se perde, não deixa ele as noventa e nove nas montanhas, para procurar aquela que se perdeu?
Em verdade vos digo, se ele a encontrar, ficará mais feliz com ela, do que com as noventa e nove que não se perderam. Do mesmo modo, o Pai que está nos céus não deseja que se perca nenhum desses pequeninos.
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
UMA ORIENTAÇÃO PASTORAL - No Evangelho, vemos que, no novo tempo que se aproxima, teremos a vinda de um Deus, que se faz próximo do homem, com um amor incondicional por todos os seus filhos. Pela imagem apresentada no Evangelho, observamos que, no amor de Deus, não há discriminação, mas cuidado e atenção para que todos sejam acolhidos e sintam sua ternura. Se algum dos filhos está perdido, marginalizado ou abandonado, Ele vai ao encontro e o traz ao convívio de todos. Assim, temos a garantia de que, no novo tempo que surge, todos encontraremos aconchego e proteção nos braços de Deus.
O saber que não se pratica se dispersa como a areia da praia; a prática torna os nossos conhecimentos sólidos. Jesus disse que quem não pratica a Palavra de Deus, é como um homem que construiu uma casa sobre a areia, vem a chuva, o vento e a casa cai; mas quem ouve a Palavra e coloca em prática, esse é como um homem prudente que construiu sua casa sobre fundamentos sólidos, ainda que venha a chuva, a tempestade, a enchente e o vento a casa permanecerá de pé. É preciso conhecer, mas não basta saber, é preciso praticar, por isso a melhor forma de aprender é ensinar. (Mt 7,21.24-27)
Pe. Joãozinho, scj
Evangelho (Mt 7,21.24-27)

Aquele que faz a vontade de meu Pai entrará no reino dos céus.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 7,21.24-27

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: "Nem todo aquele que me diz: 'Senhor, Senhor', entrará no Reino dos Céus, mas o que põe em prática a vontade de meu Pai que está nos céus. Portanto, quem ouve estas minhas palavras e as põe em prática, é como um homem prudente, que construiu sua casa sobre a rocha. Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos deram contra a casa, mas a casa não caiu, porque estava construída sobre a rocha. Por outro lado, quem ouve estas minhas palavras e não as põe em prática, é como um homem sem juízo, que construiu sua casa sobre a areia. Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos sopraram e deram contra a casa, e a casa caiu, e sua ruína foi completa!"
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
A ADESÃO AO SENHOR - O novo tempo, para o qual o Advento nos entusiasma, só poderá ser firme e duradouro enquanto estiver alicerçado na Palavra de Deus, que exige coerência com a prática. A partir da vida do homem é que o novo será construído; mas, como mostra o Evangelho, não bastam palavras decoradas da Sagrada Escritura. É necessária vivência coerente dessa Palavra, para que, fortalecido em palavras e atitudes, o homem torne-se firme e audaz na construção do mundo novo, não se desanimando nas dificuldades, mas seguindo fiel a sua missão.
É próprio do cristão sentir compaixão; significa colocar-se no lugar do outro para sentir com seu coração. É viver a regra de ouro que Jesus nos deixou: faça aos outros o que você gostaria que os outros fizessem a você. Aqueles que sentem compaixão, conseguem sempre perguntar: e se eu fosse você neste nosso mundo tão narcisista, autorreferencial, em que as pessoas são levadas a girar em torno de si mesmas? A compaixão não é comum, Jesus desafia seus discípulos a superar a autorreferencialidade e a viver em comunhão, em solidariedade, em compaixão. (Mt 15,29-37)
Pe. Joãozinho, scj

Evangelho (Mt 15,29-37)

Jesus cura muitos e multiplica os pães.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 15,29-37.

Naquele tempo, Jesus foi para as margens do mar da Galileia, subiu a montanha, e sentou-se. Numerosas multidões aproximaram-se dele, levando consigo coxos, aleijados, cegos, mudos, e muitos outros doentes. Então os colocaram aos pés de Jesus. E ele os curou. O povo ficou admirado, quando viu os mudos falando, os aleijados sendo curados, os coxos andando e os cegos enxergando. E glorificaram o Deus de Israel.
Jesus chamou seus discípulos e disse: "Tenho compaixão da multidão, porque já faz três dias que está comigo, e nada tem para comer. Não quero mandá-los embora com fome, para que não desmaiem pelo caminho".
Os discípulos disseram: "Onde vamos buscar, neste deserto, tantos pães para saciar tão grande multidão?" Jesus perguntou: "Quantos pães tendes?" Eles responderam: "Sete, e alguns peixinhos". E Jesus mandou que a multidão se sentasse pelo chão. Depois pegou os sete pães e os peixes, deu graças, partiu-os, e os dava aos discípulos, e os discípulos, às multidões. Todos comeram, e ficaram satisfeitos; e encheram sete cestos com os pedaços que sobraram.
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
ACOLHIDOS PELO MESSIAS - Se o tempo do Advento é um convite a nos prepararmos para um novo tempo, o Evangelho ensina-nos que o novo que surge fará da partilha um grande banquete. O novo trará em si a justiça, da qual emana a paz e a partilha de todos. Dessa forma, o Evangelho acompanha-nos, mostrando que, na partilha generosa de cada um, todos poderão se aproximar da fartura com que o banquete se apresenta. Façamos da humanidade um grande banquete, no qual todos, vivendo a solidariedade, partilharão tudo o que recebem de Deus, vivendo a fartura que surge da partilha.
Irmãs e irmãos, na nossa preparação para o Natal, estamos contemplando pessoas escolhidas por Deus para realização do seu plano. Hoje, contemplaremos a figura de São José, o pai adotivo de Jesus, a quem Deus confiou os cuidados com Maria e Jesus.
A nossa Novena de Natal foi realizada na residência de Maria de Severiano, Centro de Jardim de Piranhas.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
A bênção acolhida na fé supera o espaço e o tempo. Nada pode colocar limites ao poder de Deus. Havia em Cafarnaum um oficial romano, não era da mesma religião que Jesus, não era do povo judeu, mas ele tinha fé e também caridade para com um dos seus empregados que estava doente e foi pedir a Jesus com muita fé: "Senhor, meu empregado está doente" e Jesus disse "Eu vou curá-lo", ele entendeu que Jesus iria até na sua casa e disse "Não precisa, eu não sou digno de que entreis em minha morada, mas diz uma palavra e o meu empregado ficará curado"; Jesus reconheceu a fé desse homem e ele voltou para casa e o seu funcionário estava curado. (Mt 8,5-11)
Pe. Joãozinho, scj

A Igreja recorda hoje a memória de São Francisco Xavier, Presbítero.
 
Evangelho (Mt 8,5-11)

Muitos virão do Oriente e do Ocidente para o Reino do Céu.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 8,5-11

Naquele tempo, quando Jesus entrou em Carfanaum, um oficial romano aproximou-se dele, suplicando: "Senhor, o meu empregado está de cama, lá em casa, sofrendo terrivelmente com uma paralisia". Jesus respondeu: "Vou curá-lo". O oficial disse: "Senhor, eu não sou digno de que entres em minha casa. Dize uma só palavra e o meu empregado ficará curado. Pois eu também sou subordinado e tenho soldados sob minhas ordens. E digo a um: 'Vai!, e ele vai; e a outro: 'Vem!, e ele vem; e digo a meu escravo: 'Faze isto!, e ele o faz". Quando ouviu isso, Jesus ficou admirado, e disse aos que o seguiam: "Em verdade, vos digo: nunca encontrei em Israel alguém que tivesse tanta fé. Eu vos digo: muitos virão do Oriente e do Ocidente, e se sentarão à mesa no Reino dos Céus, junto com Abraão, Isaac e Jacó".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
A ACOLHIDA DO SENHOR - Iniciamos um novo tempo litúrgico, e também um novo ano litúrgico. Neste tempo, enquanto aguardamos a chegada do Salvador, somos convidados a vigília, mantendo a fé e a esperança. Estas duas virtudes estão bem presentes no Evangelho, no qual o centurião demonstra fé, ao implorar a cura de seu servo, com a esperança de que Jesus possa realizar este milagre. Nesse testemunho de fé e esperança, ele nos deixa a mensagem de que não somos dignos da entrada de Jesus em nossa vida, mas que, com apenas uma palavra dele estaremos ao seu lado e ele conosco.
Diante das tragédias a fé nos dá uma força que não temos para erguer a cabeça e enfrentar os desafios. Uma tragédia nunca marca hora para chegar, a morte de alguém próximo, um acidente inesperado, algo com a natureza, uma enchente, um incêndio, cataclismas acontecem todos os dias e podem nos apavorar, podem até nos desestruturar, nos fazer perder o sentido imediato das coisas e é então que a fé faz toda diferença; pessoas de fé após um breve momento de abalo erguem a cabeça e reconhecem a presença de Deus naquela hora os levando pela mão, carregando no colo. (Lc 21,20-28)
Pe. Joãozinho, scj

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas (Lc 21,20-28).

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: "Quando virdes Jerusalém cercada de exércitos, ficai sabendo que a sua destruição está próxima. Então, os que estiverem na Judéia, devem fugir para as montanhas; os que estiverem no meio da cidade, devem afastar-se; os que estiverem no campo, não entrem na cidade. Pois esses dias são de vingança, para que se cumpra tudo o que dizem as Escrituras.
Infelizes das mulheres grávidas e daquelas que estiverem amamentando naqueles dias, pois haverá uma grande calamidade na terra e ira contra este povo. Serão mortos pela espada e levados presos para todas as nações, e Jerusalém será pisada pelos infiéis, até que o tempo dos pagãos se complete. Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas. Na terra, as nações ficarão angustiadas, com pavor do barulho do mar e das ondas. Os homens vão desmaiar de medo, só em pensar no que vai acontecer ao mundo, porque as forças do céu serão abaladas. Então eles verão o Filho do Homem, vindo numa nuvem com grande poder e glória. Quando estas coisas começarem a acontecer, levantai-vos e erguei a cabeça, porque a vossa libertação está próxima".
Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor

Ofertar o que temos é um gesto nobre que não nos fará mais pobres; os bens partilhados voltam para nós sob a forma de bênção. Não interessa tanto a quantidade, lembre-se daquela viúva lá no templo, que deixou apenas uma moeda, Jesus viu e disse: "Esta foi uma grande oferta, porque foi dada de todo coração". Aqueles que ajudam uma obra de caridade, que passam numa igreja e deixam ali sua oferta, que ajudam um irmão em necessidade, aquele que devolve seu dízimo na comunidade na qual participa, fazem uma experiência de partilha, abrem a mão, a mente e o coração e corações abertos recebem bênção sobre bênção e se tornam realmente nobres diante de Deus. (Lc 21,1-4)
Pe. Joãozinho, scj
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas (Lc 21,1-4)
Naquele tempo, Jesus ergueu os olhos e viu pessoas ricas depositando ofertas no tesouro do Templo. Viu também uma pobre viúva que depositou duas pequenas moedas. Diante disso, ele disse: "Em verdade vos digo que essa pobre viúva ofertou mais do que todos. Pois todos eles depositaram, como oferta feita a Deus, aquilo que lhes sobrava. Mas a viúva, na sua pobreza, ofertou tudo quanto tinha para viver".
Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor

O Poderoso fez por mim maravilhas, e Santo é o seu nome.
A minh'alma engrandece ao Senhor, e se alegrou o meu espírito em Deus, meu Salvador,
pois ele viu a pequenez de sua serva, desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita. O Poderoso fez por mim maravilhas e Santo é o seu nome.
Seu amor, de geração em geração, chega a todos que o respeitam. Demonstrou o poder de seu braço, dispersou os orgulhosos.
Derrubou os poderosos de seus tronos e os humildes exaltou. De bens saciou os famintos e despediu, sem nada, os ricos.
Acolheu Israel, seu servidor, fiel ao seu amor, como havia prometido aos nossos pais, em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.

Aprendamos com Maria a nos consagrarmos e a entregarmos a nossa vida para Deus. "Jesus disse: 'Eis minha mãe e meus irmãos. Pois todo aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe'" (Mateus 12,49).
A Igreja nos dá a graça de celebrarmos a apresentação de Nossa Senhora no Templo. Aquela menina, praticamente recém-nascida, foi levada pelos seus pais, Ana e Joaquim, para ser apresentada ao Senhor.
Os pais sabiam que aquela menina nasceu para ser toda de Deus, porque eles eram inteiros de Deus. Tanto Ana como Joaquim eram tementes ao Senhor. Era um casal que temia e obedecia ao Senhor Deus e, por isso, geraram esse fruto bendito que é a Virgem Maria, Aquela que seria a Mãe do Salvador.
Maria não fez a vontade de Deus somente porque gerou Jesus, Ela fez a vontade de Deus porque, desde menina, foi toda de Deus. Aprendamos com Ela a nos consagrarmos e a entregarmos a nossa vida para Deus.
A fé nos torna mais que irmãos de sangue; ela nos faz irmãos no sangue de Jesus. Naquele dia a mãe de Jesus, que era também sua discípula, foi até onde Jesus estava pregando e alguém disse: "Tua mãe e Teus irmãos estão ali fora" e Jesus perguntou: "Mas quem é a minha família? Minha mãe é mais do que mãe de sangue, ela é mãe na fé, ela é mãe no Reino de Deus." Maria é mãe de Deus, mas também discípula de seu filho Jesus, é mãe de Deus pela graça e seu mérito esteve em seguir o filho de Deus, que era seu filho também. (Mt 12,46-50)
Pe. Joãozinho, scj

Evangelho (Mt 12,46-50)

E, estendendo a mão para os discípulos, Jesus disse: 'Eis minha mãe e meus irmãos.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 12,46-50.

Naquele tempo, enquanto Jesus estava falando às multidões, sua mãe e seus irmãos ficaram do lado de fora, procurando falar com ele. Alguém disse a Jesus: "Olha! Tua mãe e teus irmãos estão aí fora, e querem falar contigo". Jesus perguntou àquele que tinha falado: "Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos?" E, estendendo a mão para os discípulos, Jesus disse: "Eis minha mãe e meus irmãos. Pois todo aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
QUEM É MINHA MÃE E QUEM SÃO MEUS IRMÃOS?
Ao fazermos memória da apresentação de Nossa Senhora, somos convidados a celebrar o dia em que Maria se colocou totalmente disponível à vontade de Deus. É a confiança de alguém que sabe que Deus a conduzirá para o melhor caminho. Essa confiança de Maria também nos ajuda a sermos mais confiantes em nossa entrega a Deus, para que, sem medo, estejamos inteiramente confiados a Ele. Que, seguindo o exemplo de Maria, coloquemos em prática nossa entrega a Deus, e que, confiados a Ele, façamos sempre a sua vontade.
Existem pessoas que nos jogam para baixo; não escute o conselho dos perversos que só querem criar confusão. Lembre-se daquele cego que estava sentado na beira do caminho e ouviu uma multidão se aproximar, ele perguntou: "Quem está chegando"? E disseram: "É Jesus". Esse foi um conselho bom, Jesus está chegando; então ele começou a gritar: "Jesus, Filho de Davi, tem pena de mim"! E muitos diziam: "Fica calado, fica quietinho, deixa o Mestre passar", tirando dele a grande oportunidade de sua vida, de um encontro com Jesus. Aquele cego não ouviu o conselho dos perversos e continuou gritando, até que Jesus parou e curou aquele homem por causa da sua fé, da sua sabedoria, e da sua perseverança. (Lc 18,35-43)
Pe. Joãozinho, scj

A Igreja celebra hoje a memória de Ss. Roque González, Afonso Rodrigues e João del Castillo, presbíteros, mártires.
 
Evangelho (Lc 18,35-43)

O que queres que eu faça por ti?' Senhor, eu quero enxergar de novo.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 18,35-43

Quando Jesus se aproximava de Jericó, um cego estava sentado à beira do caminho, pedindo esmolas. Ouvindo a multidão passar, ele perguntou o que estava acontecendo. Disseram-lhe que Jesus Nazareno estava passando por ali. Então o cego gritou: "Jesus, filho de Davi, tem piedade de mim!" As pessoas que iam na frente mandavam que ele ficasse calado. Mas ele gritava mais ainda: "Filho de Davi, tem piedade de mim!" Jesus parou e mandou que levassem o cego até ele. Quando o cego chegou perto, Jesus perguntou: "Que queres que eu faça por ti?” O cego respondeu: "Senhor, eu quero enxergar de novo". Jesus disse: "Enxerga, pois, de novo. A tua fé te salvou". No mesmo instante, o cego começou a ver de novo e seguia Jesus, glorificando a Deus. Vendo isso, todo o povo deu louvores a Deus.
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
QUE QUERES QUE EU FAÇA? Hoje vemos a cura de um cego realizada por Jesus. No entanto, mais do que esta cura, o convite é para refletirmos sobre a nossa atitude diante dos irmãos que foram cegados pela opressão e alienação política. A cegueira faz o homem ser marginalizado à beira do caminho, e muitos são os que o oprimiram e tentaram calar sua voz, enquanto pedia a Jesus um milagre. O convite que se faz é para refletirmos sobre como estamos ajudando nossos irmãos a se curarem de suas cegueiras, e a principalmente ajudá-los a não se conformarem com a opressão e marginalização impostas por muitos.
Cuidado para não excluir Deus e a religião do seu cotidiano; facilmente podemos nos tornar pessoas pagãs. Jesus disse que no tempo de Noé era assim, as pessoas comiam e bebiam, viviam o seu cotidiano, mas esqueciam de praticar a religião e hoje em dia pode acontecer isso; chega sexta-feira, vai chegando o sábado, o domingo, tem aquela festa de família... E a missa? E o encontro com a comunidade? E passam-se os dias, senta-se à mesa e come, mas e a oração? E chega o Natal e vem os presentes, mas e a prece e a canção? Não será uma noite feliz se não tiver Deus presente no cotidiano. É preciso recuperar a prática religiosa no dia a dia. (Lc 17,26-37)
Pe. Joãozinho, scj

Evangelho (Lc 17,26-37)

O mesmo acontecerá no dia em que o Filho do Homem for revelado.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 17,26-37.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: "Como aconteceu nos dias de Noé, assim também acontecerá nos dias do Filho do Homem. Eles comiam, bebiam, casavam-se e se davam em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca. Então chegou o dilúvio e fez morrer todos eles. Acontecerá como nos dias de Ló: comiam e bebiam, compravam e vendiam, plantavam e construíam. Mas no dia em que Ló saiu de Sodoma, Deus fez chover fogo e enxofre do céu e fez morrer todos. O mesmo acontecerá no dia em que o Filho do Homem for revelado. Nesse dia, quem estiver no terraço, não desça para apanhar os bens que estão em sua casa. E quem estiver nos campos não volte para trás. Lembrai-vos da mulher de Ló. Quem procura ganhar a sua vida vai perdê-la; e quem a perde vai conservá-la. Eu vos digo: nesta noite, dois estarão numa cama; um será tomado e o outro será deixado. Duas mulheres estarão moendo juntas; uma será tomada e a outra será deixada. Dois homens estarão no campo; um será levado e o outro será deixado". Os discípulos perguntaram: "Senhor, onde acontecerá isso?" Jesus respondeu: "Onde estiver o cadáver, aí se reunirão os abutres".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:

O DIA DO FILHO DO HOMEM - O Evangelho mostra-nos a necessidade de vivermos como se Deus estivesse sempre entre nós, para que, dessa forma, tornemo-nos testemunhas de sua presença em meio a nós. Ao longo do Evangelho, são recordadas cenas do Antigo Testamento, as quais nos mostram que algumas pessoas morreram pela falta de amor demonstrada. Que estejamos bem atentos à vinda do Criador em meio às suas criaturas, para que, vivendo segundo seus propósitos e ensinamentos, sejamos reconhecidos pelos outros a partir de nossa vivência do amor, que garante a presença do Reino entre nós.
Parabéns para a Pastoral do Dízimo da Paróquia de Nossa Senhora dos Aflitos, hoje completando 26 anos da sua criação.
Podemos encontrar o Reino do Céu em cada instante dessa vida onde habita a eternidade que viveremos em plenitude um dia. Jesus chamou esse Reino de fermento, ele está aqui, a eternidade habita no já e é preciso ter olhos para ver, ouvidos para ouvir, mente para refletir e coração para sentir esse Reino escondido, mas que pode ser encontrado em cada sorriso, em cada palavra, Deus se revela na história e um dia viveremos isso em plenitude na glória, mas não precisamos esperar até o céu para sentir o perfume de Deus, Ele se deixa encontrar no já. (Lc 17,20-25)
Pe. Joãozinho, scj

Evangelho (Lc 17,20-25)

O Reino de Deus está entre vós.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 17,20-25.

Naquele tempo, os fariseus perguntaram a Jesus sobre o momento em que chegaria o Reino de Deus. Jesus respondeu: "O Reino de Deus não vem ostensivamente. Nem se poderá dizer: 'Está aqui' ou 'Está ali', porque o Reino de Deus está entre vós".
E Jesus disse aos discípulos: "Dias virão em que desejareis ver um só dia do Filho do Homem e não podereis ver. As pessoas vos dirão: 'Ele está ali' ou 'Ele está aqui'. Não deveis ir, nem correr atrás. Pois, como o relâmpago brilha de um lado até o outro do céu, assim também será o Filho do Homem, no seu dia. Antes, porém, ele deverá sofrer muito e ser rejeitado por esta geração".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
O REINO ESTÁ ENTRE VÓS - No Evangelho, acompanhamos os fariseus, que possuem certa dificuldade de compreensão da missão de Jesus, e por isso lhe questionam sobre quando virá o Reino de Deus. Essa pergunta mostra o quanto estavam longe de Jesus, pois não compreendiam os sinais do Reino, que já estavam entre eles. Eles esperavam a implantação do Reino como algo concreto e visível a todas as pessoas, mas o Reino de Jesus é distinto, pois se faz na humildade e no serviço. Que possamos perceber os sinais do Reino em nosso meio, para que também sejamos seus cooperadores.
O Juiz de Direito Adriano da Silva Araújo, desta Comarca de Jardim de Piranhas, nos autos da execução de obrigação de fazer nº 08000158-60.2018.8.20.5142, ajuizada pelo Ministério Público Estadual em face de Francisco Fernandes de Araújo, conhecido por "Chico Gato", determinou, no último dia 12, a interdição do açude construído nas imediações do bairro Emboca.
Segundo a decisão judicial, a Prefeitura de Jardim de Piranhas deverá, no prazo de trinta dias:
1. esvaziar o açude, mediante bombeamento para local que entender mais conveniente, podendo, igualmente, retirar a água ali localizada para enchimento de carros-pipa destinados à população local, preferencialmente a pessoas carentes;
2. providenciar as medidas emergenciais de rebaixamento do sistema extravasor (sangradouro), construção de bueiro na estrada carroçável – localizada no entorno do açude – e fazer o enrocamento de pedras graníticas; e
3. recuperar a estrada carroçável situada nas proximidades do açude.
O executado "Chico Gato", além de arcar com todas as despesas desses serviços e de providenciar o licenciamento ambiental do açude, não poderá fazer qualquer uso deste, sob pena de multa de dez mil reais para cada ocorrência de descumprimento.
O juiz Adriano da Silva Araújo, titular da Vara Única desta Comarca, publicou edital que trata do cadastramento e apresentação de projetos para obtenção de recursos oriundos da pena de prestação pecuniária. Após análise e avaliação do juiz responsável, um montante de R$ 55 mil deverá financiar projetos de cunho social, nas áreas de educação, segurança e saúde. O valor vem das multas aplicadas a crimes sem necessidade de prisão, sendo o dinheiro revertido para projetos sociais.
Os projetos devem ser entregues no período de 19 de novembro a 18 de dezembro deste ano, na secretaria do Juizado Especial Cível e Criminal, situada no fórum local, localizado na Praça Getúlio Vargas, nº 100, bairro Vila do Rio, nesta cidade, durante o horário de atendimento ao público, das 8h às 14h, mesmo local e período em que se podem obter cópias do edital e de demais instruções normativas.
Serão financiados, prioritariamente, os projetos apresentados pelos beneficiários que: mantenham, por maior tempo, número expressivo de cumpridores de prestação de serviços à comunidade ou entidade pública; atuem diretamente na execução penal, assistência à ressocialização de apenados, assistência às vítimas de crimes e prevenção da criminalidade, incluídos os conselhos das comunidades; prestem serviços de maior relevância social; e apresentem projetos com viabilidade de implantação, segundo a utilidade e a necessidade, obedecendo aos critérios estabelecidos nas políticas específicas.
É responsabilidade da entidade beneficiada a prestação de contas dos recursos recebidos.
É pra vocês que eu mando flores todas as manhãs viu?
Nesta vida, nada mais nos cura do que ter um coração grato, um coração que louva e exalta. "Um deles, ao perceber que estava curado, voltou glorificando a Deus em alta voz; atirou-se aos pés de Jesus, com o rosto por terra, e lhe agradeceu. E este era um samaritano" (Lucas 17,15).
A expressão "agradecer em alta voz" é a expressão de um coração que vive um entusiasmo sem igual, de reconhecimento e gratidão por aquilo que Deus realizou na sua vida.
Por isso, "eu te louvo, meu Senhor, meu Deus e meu Salvador, porque na minha vida realiza maravilhas. Ao Teu nome o louvor, a ação de graças. Ao Teu nome bendigo e agradeço eternamente. Porque, na minha vida, o Senhor realiza maravilhas a cada dia".
A gratidão é o perfume de um coração bom; agradecer é reconhecer os valores do outro: diga sempre "muito obrigado". Lembre-se daqueles dez leprosos que foram curados por Jesus e apenas um voltou para agradecer; todos foram curados, mas este leproso agradecido ouviu uma frase maravilhosa do Mestre, Ele disse: "Vai em paz! A tua fé te salvou". A bênção curou os dez, mas a gratidão abriu o coração bom do leproso agradecido para a salvação; quem agradece abre as portas do coração para o céu e entra e recebe o perfume da gratidão de Deus. Seja feliz na vida eterna que começa em cada "muito obrigado". (Lc 17,11-19) 
Pe. Joãozinho, scj

Evangelho (Lc 17,11-19)

Não houve quem voltasse para dar glória a Deus, a não ser este estrangeiro.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 17,11-19

Aconteceu que, caminhando para Jerusalém, Jesus passava entre a Samaria e a Galileia. Quando estava para entrar num povoado, dez leprosos vieram a seu encontro. Pararam à distância, e gritaram: "Jesus, Mestre, tem compaixão de nós!" Ao vê-los, Jesus disse: "Ide apresentar-vos aos sacerdotes".
Enquanto caminhavam, aconteceu que ficaram curados. Um deles, ao perceber que estava curado, voltou glorificando a Deus em alta voz; atirou-se aos pés de Jesus, com o rosto por terra, e lhe agradeceu. E este era um samaritano.
Então Jesus lhe perguntou: "Não foram dez os curados? E os outros nove, onde estão? Não houve quem voltasse para dar glória a Deus, a não ser este estrangeiro?" E disse-lhe: "Levanta-te e vai! Tua fé te salvou".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
SENTIMENTO DE GRATIDÃO - No Evangelho, acompanhamos a cura de dez leprosos. É interessante perceber, nesse Evangelho, que eles se apresentam a Jesus e ele imediatamente os envia ao sacerdote. Numa atitude de fé, eles colocam-se a caminhar, e eis que o milagre acontece. Aprendemos no Evangelho que o milagre ocorre no caminho da fé. Não podemos ficar parados: é necessário colocar-se no caminho, pois o milagre acontece quando dispomos a caminhar pela fé nos planos de Deus. Que saibamos ouvir sua voz e, em atitude de obediência, deixemo-nos enviar pelo Mestre.
Que Deus nos dê um coração generoso, desprendido e, acima de tudo, com muita gratuidade para fazermos as nossas obrigações. "Assim também vós: quando tiverdes feito tudo o que vos mandaram, dizei: ‘Somos servos inúteis; fizemos o que devíamos fazer" (Lucas 17,10).
Vivemos num tempo onde as pessoas querem ser reconhecidas, agraciadas, curtidas, lembradas e aplaudidas por aquilo que realizam. Quando buscamos isso, quando esse espírito mundano entra em nós, perdemos a dimensão evangélica da vida.
"Evangelho" quer dizer gratuidade e amor que são entregues sem esperar nada em troca...

Evangelho (Lc 17,7-10)

Somos servos inúteis; fizemos o que devíamos fazer.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 17,7-10

Naquele tempo, disse Jesus: "Se algum de vós tem um empregado que trabalha a terra ou cuida dos animais, por acaso vai dizer-lhe, quando ele volta do campo: 'Vem depressa para a mesa?' Pelo contrário, não vai dizer ao empregado: 'Prepara-me o jantar, cinge-te e serve-me, enquanto eu como e bebo; depois disso poderás comer e beber?' Será que vai agradecer ao empregado, porque fez o que lhe havia mandado? Assim também vós: quando tiverdes feito tudo o que vos mandaram, dizei: 'Somos servos inúteis; fizemos o que devíamos fazer'".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão sobre o Evangelho:
SOMOS SERVOS INÚTEIS - Por meio de uma parábola, Jesus indica qual deve ser a postura do homem diante da grandeza divina. Ele ensina que a nossa prática religiosa, que se apresenta por meio do serviço a Deus na comunidade, não é nada mais do que nossa obrigação. Servir a Deus na comunidade e nos irmãos necessitados não deve ser motivo para vaidades ou desejo de reconhecimento, e sim tornar-se o centro de nossa vida espiritual. Que, em nossas comunidades, tenhamos sempre pessoas disponíveis a doarem seu tempo e sua vida para o anúncio do Reino, sem necessitarem de nada em troca.